Ameaça de golpe (nada) sutil ronda o Equador

Às vésperas de eleger novo presidente, neste domingo, democracia equatoriana está sob ataque. Ultradireita acossa instituições, espalha fake news e pede intervenção militar. País será laboratório de nova onda de golpes na América Latina?

Por David Adler, na Internacional Progressista | Tradução: Luis Zapatta

No dia 11 de abril, o povo equatoriano dará seu voto final para eleger o próximo presidente do país. Mas à medida que nos aproximamos do segundo turno das eleições presidenciais equatorianas, os ataques ao seu processo eleitoral estão se intensificando rapidamente.

Somente no último mês, vimos pedidos de um golpe militar publicados nos jornais mais populares do Equador, esforços para desqualificar candidatos com falsas acusações de fraude e uma tentativa de confiscar seus bancos de dados de votação para uma “auditoria” ilegal dos votos do primeiro turno.

Estas táticas são projetadas não apenas para desafiar as instituições democráticas do Equador, mas também para exportar para atores autoritários em todo o mundo. Com a democracia na América Latina em um ponto crítico, as eleições equatorianas devem enviar um sinal em toda a região sobre o retorno da soberania popular – ou a força letal da guerra legal contra ela.

As eleições presidenciais no Equador chegam em um contexto de grave crise econômica, social e política. A má administração da pandemia de covid-19 devastou comunidades em todo o país, com taxas de pobreza subindo mais de 10% desde o início da pandemia e produção econômica caindo mais de 10% no mesmo período de tempo. Os médicos no Equador estão agora relatando um grande aumento nos casos da covid-19, somando-se a um número de mortes que está entre os mais altos da região.

Enquanto isso, o governo Moreno foi abalado por um escândalo de vacinas em que seus membros foram pegos em flagrante entregando vacinas a seus amigos ricos e poderosos antes do resto do país. Seguiu-se uma onda de demissões do governo de Moreno, alimentando o descontentamento com um presidente que já estava entre os políticos menos populares da história do Equador – com uma taxa de aprovação tão baixa que chegou a 7%.

As eleições de 11 de abril representam, portanto, uma oportunidade crítica para o povo equatoriano reivindicar os direitos constitucionais que foram negados pelo governo Moreno. Do direito à saúde ao direito ao trabalho decente e ao direito à soberania popular: Moreno e seus amigos do Fundo Monetário Internacional ameaçaram toda a gama de direitos fundamentais com sua agressiva agenda de austeridade, liberalização e privatização. A importância desta eleição para todos os cidadãos equatorianos não poderia ser maior.

Mas uma série de atores políticos estão agora conspirando contra eles. Ao longo das últimas semanas, vimos mais uma vez tentativas de atores dentro e fora do Equador de interferir e minar a integridade do processo eleitoral.

Dentro do Equador, o Ministério Público e a Controladoria se uniram para atacar o Conselho Nacional Eleitoral com falsas acusações de fraude eleitoral, pedindo o confisco de seus bancos de dados digitais e a anulação de sua contagem de votos no primeiro turno.

Fora do Equador, o Procurador-Geral da Colômbia conspirou com a Procuradoria para atacar o candidato Andrés Arauz com mentiras absurdas sobre um empréstimo da guerrilha do Exército de Libertação Nacional para sua campanha presidencial.

É por esta razão que a Progressive International está se mobilizando novamente para ir ao Equador. Durante o primeiro turno destas eleições, delegações de observação internacional como a nossa desempenharam um papel fundamental para resistir a estas pressões antidemocráticas. Agora, mais uma vez, trazendo parlamentares e cientistas de dados de todo o mundo, nossa delegação viajará através do país para ajudar a garantir eleições livres, justas e transparentes.

Nossa delegação não tem ilusões sobre a enormidade desta tarefa. Fomos atacados na imprensa, acusados de fraude, e ameaçados de expulsão do país. Mas também reconhecemos os desafios globais da luta do Equador – e nos inspiramos na coragem do povo equatoriano para defender seus direitos à saúde, à dignidade e à soberania popular. Chegamos ao Equador com o compromisso de estar com eles.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *