E não é que nos tornamos todos uns convenientes Árbitros de Vídeo?

A tecnologia e... os homens. (Foto: Divulgação/Conmebol)

Esquecemos que a tecnologia é gerida por… homens. (Foto: Divulgação/Conmebol)

Polêmica em torno do VAR na Copa ilustra nossa crença absoluta na tecnologia e nossa sede justiceira, enquanto enxugamos diariamente o gelo das injustiças

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Viramos todos Árbitros de Vídeo. Corajosíssimos. E não somente em relação à Copa do Mundo. Foi o que nos restou, neste mundo de violências e desigualdades brutais: julgar casos pontuais de cidadãos flagrados – diante de câmeras – dando cotoveladas, cometendo uma sequência de faltas machistas, impedindo uma criança de comer. A partir dessa crença inabalável na tecnologia, em uma Grande Verdade das Cenas Registradas, satisfazemos nossa sede de justiça, imaginando um combate adequado à Fome, ao Patriarcado e a cada lance profundamente injusto (ou que julgamos profundamente injustos) de um jogo de futebol.

Os alvos dessa sanha virtual representam o novo ápice da maldade imputável. Mesmo que o movimento de massa seja movido pela mesma lógica medieval das chibatadas imediatistas. A lógica é a de crucificar apenas o segurança que impediu a criança de comer (como se os patrões não o instruíssem a isso, e como se não houvesse previsão de aumento da mortalidade infantil por fome nos próximos anos), empalar o árbitro do jogo do Brasil em praça pública – todos subitamente muito entendidos em regras de futebol – e aguardar uma punição exemplar do Vladimir Putin em relação aos inglórios machistas brasileiros em Moscou. Continuar lendo