O jornalista Yan Boechat relata cobertura das guerras na Síria e no Iraque

In EVENTOS
mossul_1

Repórter brasileiro comenta a situação do Oriente Médio no momento em que o conflito na região esquenta com as batalhas contra o Estado Islâmico em Mossul e Raqqa

Por Marina Ayub

Nesta quarta-feira, 28, o jornalista Yan Boechat esteve no Al Janiah, bar palestino na região paulistana da Bela Vista, em São Paulo, que promove eventos político-culturais, para conversar sobre a experiência de sete meses reportando os conflitos no Iraque e na Síria. A mediação foi do professor de Relações Internacionais da PUC-SP e coordenador do Grupo de Estudos em Relações Internacionais (GECI/PUC-SP), Reginaldo Nasser. No segundo semestre de 2017, o GECI irá oferecer um curso sobre Oriente Médio e Política Internacional na PUC-SP. Saiba mais e inscreva-se aqui.

Há quinze dias no Brasil, o enviado especial da Band para cobrir os conflitos em Mossul, no Iraque, e Alepo, na Síria, iniciou o debate afirmando que o Oriente Médio está se transformando: “Com certeza muita coisa mudará daqui para frente. No entanto, preciso afirmar que eu conheci e cobri uma Síria controlada por Bashar al-Assad. Não tive acesso a outro país.”

boechat_nasser

Boechat e Nasser durante o evento no Al Janiah

Boechat afirma que é difícil se movimentar pelo território sírio: “Há checkpoints para todos os lados. Apesar disso, há uma resiliência enorme em relação à guerra, que, aliás, é apenas denominada de ‘crise’ pelos sírios agora. A impressão que a mídia causa é que não há mais nada além de destroços na Síria; isso não é verdade”, comenta ele, que exemplificou a normalidade existente em algumas regiões com a sua visita à semana de moda de Damasco.

O jornalista salientou também as diferenças entre Homs, coração das revoltas de 2011, e Damasco. Segundo ele, a primeira está completamente destruída; já a capital consegue viver em paz em certos bairros e é protegida pelas forças sírias com o apoio do Hezbollah e dos caças russos, parte do atual cotidiano sírio: “O barulho dos aviões e dos tiros faz parte da rotina”, observa.

Outro ponto do debate foi o sectarismo religioso no Oriente Médio. “Sempre existiu, agora está latente. O levante sunita no Iraque em 2014 foi essencial para toda a questão, porque enxergaram no Estado Islâmico uma força libertadora. Isso não significa que todos os sunitas iraquianos sejam wahabbitas“, afirma Boechat. Ele também lembrou a importância do desmantelamento do exército de Saddam Hussein, processo impulsionado pelo diplomata americano e responsável pela ocupação dos EUA no Iraque, Paul Bremer, na formação de milícias iraquianas e do Estado Islâmico.

A economia política da na Síria e no Iraque chamou a atenção do jornalista. “Organizações não governamentais, hotéis, taxistas que cobram 500 dólares o dia para fazer tradução aos jornalistas. A guerra definitivamente mexe com a economia. O dia em que o conflito em Mossul acabar, Erbil (capital do Curdistão iraquiano) irá sofrer”, comenta Boechat.

Assista aqui as reportagens de Yan Boechat exibidas durante o evento no Al Janiah:

 

Join Our Newsletter!

Love Daynight? We love to tell you about our new stuff. Subscribe to newsletter!

You may also read!

Castanheiras queimam em Itaúba, Mato Grosso. Foto de Caio Guatelli.

Destruição ambiental no Brasil: entraves para ratificação do Acordo Mercosul-União Europeia e interesses do agronegócio

Alvo de significativa atenção internacional, a destruição ambiental no Brasil avança impunemente e tem sido mencionada como o principal

Read More...
bolivia

A encruzilhada boliviana nas eleições de 18 de outubro

Após quase um ano marcado por um governo ilegítimo, fruto do golpe de Estado que destituiu o presidente Evo

Read More...
trump vucic hoti 2

O(s) acordo(s) dos EUA para Sérvia e Kosovo: um feito ‘histórico’ de Trump?

No último dia 4/9, o presidente da Sérvia, Aleksandar Vučić, e o primeiro-ministro do Kosovo, Avdullah Hoti, assinaram acordo

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu