Para onde vai a Palestina com os EUA de Trump?

In Estados Unidos, Oriente Médio, Política internacional
President_Trump_at_the_Israel_Museum._Jerusalem_May_23,_2017_President_Trump_at_the_Israel_Museum._Jerusalem_May_23,_2017_(34460983290)

A indecisão sobre a transferência da Embaixada dos EUA para Jerusalém demonstra o impasse entre ideologia e pragmatismo que o presidente americano vai enfrentar

por Arturo Hartmann

Este artigo quer pensar alguns cenários a partir da viagem do presidente Trump para Palestina/Israel. Claro, ele parte do princípio de que Trump vai durar (o ex-diretor do FBI, James Comey, depôs ao comitê de inteligência do Senado dos EUA sobre as conexões de Trump com a Rússia na quinta, 9 de junho). Portanto, se o leitor que acaba este primeiro parágrafo acredita diferente, sinta-se livre para abandonar o texto.

Para quem continuou, o fim de maio ofereceu uma oportunidade para que interessados e analistas da questão palestina pudessem começar a dar sentido aos contornos que esta pode ganhar sob a política externa de Donald Trump para a região. Entre os dias 19 e 23, ele esteve na Arábia Saudita e em Palestina/Israel. Uma surpresa para compor os 50 anos que a Guerra dos Seis Dias e a consequente ocupação dos Territórios Palestinos da Cisjordânia e Faixa de Gaza completou nesta semana.

Até a viagem, Trump havia sido vago. Tudo que tínhamos era, de uma forma mais geral, algumas de suas diatribes sobre o terrorismo e o islã (especialmente durante a campanha), ou aparições mais diretamente ligadas à questão palestina, como sua ida ao American-Israeli Public Affairs Committee (Aipac), como candidato.

Além disso, podíamos especular uma política em cima das indicações que ele fez para cargos ligados de alguma forma à questão palestina. Ainda sem sabermos o papel que ele vai de fato exercer, Trump declarou que o “emissário” da paz será seu cunhado, Jared Kashner, sem experiência em diplomacia ou com a questão palestina. Disse o presidente: “se você não conseguir produzir paz no Oriente Médio, ninguém pode”. O Los Angeles Times mencionou no começo de maio que a única conexão de Kashner com a questão, além de um acampamento de verão feito em Israel, são “conexões financeiras com a construção de assentamentos em terras reivindicadas por palestinos”. A sua embaixadora para a ONU, Nikky Haley, é extremamente vocal em sua defesa de Israel. Na terça, ela disse ao Conselho de Direitos Humanos que ele deve “lidar com a sua crônica tendência anti-Israel se desejar ter qualquer credibilidade”.

Há também o time “processo de paz”, que defende a tecnicalidade do processo. Nele estão o atual secretário de Estado, Rex Tillerson, e também o secretário de Defesa, James Mattis. Talvez Mattis seja o mais legalista, respeitador da lei internacional. Segundo o diário Haaretz, ele chegou a dizer que “os assentamentos na Cisjordânia levariam Israel a uma realidade de apartheid”.

Mas a atitude de Trump justificava um otimismo entre as autoridades israelenses. Ele disse na conferência da Aipac, o mais importante lobby israelense nos EUA, ainda como candidato, em 2016, que Barack Obama “pode ter sido a pior coisa que aconteceu a Israel”. Isso poderia ser um apoio aberto à expansão dos assentamentos, para além de condenações públicas tímidas e sustento econômico pouco alardeado do seu antecessor. O ministro-colono da Educação de Israel, Naftali Bennet (líder do partido de extrema-direita da coalizão de governo Bayit Yehudi), chegou a declarar que a “era do Estado Palestino havia acabado”.

Mas em um comunicado oficial de 2 de fevereiro de 2017, o Trump eleito parecia ter adquirido um senso mais pragmático do “processo”: “Ainda que não acreditemos que a existência dos assentamentos seja um impedimento para a paz, a construção de novos assentamentos ou a expansão de assentamentos existentes além de suas fronteiras atuais pode não ser colaborativo para conquistar esse objetivo”. Mas comunicados e mensagens públicas podem ser jogo de cena. Trump ainda podia ser o presidente do projeto colonial.

 O caso da embaixada

A trama de uma política que ainda não tinha muita forma ganhou um episódio que ganhou contornos concretos de um drama, já com Trump de volta aos EUA. Até a quinta retrasada (31 de maio), podia se acompanhar na internet um enredo que aguardava um desfecho que poderia ter consequências surpreendentes: a mudança da embaixada dos EUA em Israel de Tel Aviv para a Jerusalém ocupada.

Vale uma explicação. Em 8 de novembro de 1995, o Congresso dos EUA criou a lei pública que ganhou o nome de “Ato Embaixada de Jerusalém”. Esta determina, como diz sua seção 3, que “Jerusalém deve ser reconhecida como a capital do Estado de Israel” e que “a embaixada dos EUA deve(ria) ser estabelecida em Jerusalém não mais tarde do que 31 de maio de 1999”.

Na lei de 1995, a decisão sobre a embaixada se baseada em alguns “achados” muito próprios. Entre eles o de que, de uma cidade dividida, “em 1967, a cidade de Jerusalém foi reunificada durante o conflito conhecido como Guerra dos Seis Dias”. Os congressistas ignoraram a Resolução 242 do Conselho de Segurança da ONU, que enfatizava a “inadmissibilidade de aquisição de território por guerra”, declarando como um dos princípios a serem realizados para uma solução justa a “retirada das forças armadas de Israel dos territórios ocupados”.

A cidade é um dos temas mais candentes da questão palestina, como centro político, econômico, cultural e religioso. Ao recusar o Acordo de Camp David, em 2000, um dos episódios de Oslo, Arafat alegou que não poderia tomar uma decisão sobre a cidade sozinho.

O Congresso americano também não era tão ignorante quanto a possíveis consequências políticas da mudança de endereço. No próprio “ato da embaixada”, há uma brecha. A secção 7 garantiu um recurso a uma suspensão temporária que o presidente em mandato pode exercer se provar que “é necessária para proteger a segurança nacional dos interesses dos EUA”. Todos os presidentes em exercício, desde a promulgação da lei, suspenderam a mudança da embaixada. A última canetada havia sido em 1o de dezembro de 2016, no final da presidência Obama. Esse adiamento acabaria na quinta passada (31), e até o último momento especulava-se se Trump assinaria a suspensão. Senão, “por lei”, a embaixada pegaria a estrada Tel Aviv/Jaffa – Jerusalém.

Respirações suspensas, até o último dia a Casa Branca era indagada sobre o destino de sua sede diplomática em Israel. Trump, na Conferência 2016 da AIPAC, disse com todas as letras: “Nós iremos mudar a embaixada americana à capital eterna do povo judeu, Jerusalém!”, onde recebeu uma resposta efusiva do público.

 

Trump assinou a suspensão temporária. Se serviu para alguma coisa, pelo menos a atitude do presidente foi a primeira demonstração de uma política prática ligada à questão palestina.

O fato é que o processo de paz, como ele se consolidou depois da Segunda Intifada, criou uma situação muito estável, para EUA e Israel no controle do “Estado” palestino. A mudança da embaixada equivaleria a instalação de um “assentamento diplomático”, acabaria com a temporariedade da dinâmica das negociações que permite a expansão da construção das unidades coloniais ao tomar terras e criar fatos “irreversíveis” sem ser responsabilizado. O executivo estaria atestando (como fez seu Congresso em 1995) o status final de Jerusalém como capital de Israel, declarando a anexação, varrendo o que diz a lei internacional. Ou seja, o próprio mediador deslegitimaria o processo que encabeça.

Além disso, o processo, como ele se molda hoje, subestima as consequências sociais que cria. Todo o paliativo da ajuda americana e das ONGs internacionais que amenizam a violência ocupação e livram Israel de seus custos não são suficientes no longo prazo. Afinal, a lógica central do processo é criar cisões e separações, é destruir constantemente o espaço público, criando fortes clivagens étnicas e/ou de classe entre israelenses e palestinos, entre palestinos e palestinos (e mesmo entre israelenses e israelenses, mas este não é o tema deste artigo). A “Intifada das Facas”, em 2015, foi apenas a última manifestação dessa conjuntura.

Trump realmente vir a ser o presidente que vai concluir o processo de “paz”. Na atual toada, ele vai ser uma anexação formal de grande parte da Cisjordânia, com a implementação de um sistema de segregação de cantões palestinos sem soberania. O Apartheid, como menciona Mattis. A mudança da embaixada seria um passo significativo. Mas, em seis meses, essa série pode ganhar novos capítulos. A ver. Por enquanto, a embaixada fica em Tel Aviv.

 

 

Join Our Newsletter!

Love Daynight? We love to tell you about our new stuff. Subscribe to newsletter!

You may also read!

vista aérea bagdá

Oportunidades diante da crise no Iraque: especialista dos EUA ressalta a “saída neoliberal” como solução para recuperação do país, mas isso é bom para quem?

Análise de ex-oficial norte-americano traz em voga novamente a narrativa de transformação política e econômica no Iraque, não mais

Read More...
73504743_2459227637479049_8732528030213210112_n

Abertura de inscrições para o mestrado profissional em Governança Global da PUC-SP conta com debate entre especialistas

Estão abertas as inscrições para o Mestrado Profissional em Governança Global e Formulação de Políticas Internacionais da PUC-SP. No dia

Read More...
Foto de capa: The Guardian. Ahmad Al-Rubaye/AFP via Getty Images

Protestos massivos ressaltam a instabilidade política e insatisfação popular no Iraque

Este é o cenário de maior instabilidade interna no Iraque, desde a declarada vitória contra o Estado Islâmico em

Read More...

One commentOn Para onde vai a Palestina com os EUA de Trump?

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu