Afeganistão invadido, a capital do ópio

In ANÁLISES, Drogas, Estados Unidos, Intervenções, Oriente Médio
us-marine-patrol-o_1396931i

Como os Estados Unidos, a pretexto de lutar contra o Talibã, fortaleceram os “senhores da guerra” tribais e os estimularam a multiplicar por trinta a área de cultivo de papoula

Por Paulo Meirelle

A primeira etapa da guerra ao terror conduzida pelos Estados Unidos, na sequência dos atentados de 11 de setembro de 2001, foi a invasão do Afeganistão, cujo objetivo de longo-prazo era a sua transformação em um Estado democrático. Um dos imperativos dessa missão era colocar fim à capacidade de produção e exportação de drogas daquele país, atividade percebida como corrosiva da economia e das instituições democráticas.

Apesar dessa diretriz, os anos que se seguiram à invasão norte-americana foram aqueles que registraram os maiores índices de produção de ópio da história afegã. Essa contradição é resultado da estratégia adotada pelos Estados Unidos para alcançar outros dois imperativos na busca pela democracia: a derrubada do governo Talibã e a destruição da Al Qaeda.

Desde o início, os Estados Unidos apostaram no seu poderio aéreo para destruir a infraestrutura talibã e, paralelamente, no financiamento de diferentes milícias contrárias ao regime para conduzir a ofensiva terrestre. Essa estratégia culminou na rápida derrota do Talibã e na dispersão da Al Qaeda, mas também teve o efeito de fortalecer os senhores da guerra aliados, que desde a década de 1980 possuíam fortes laços com a produção e tráfico de narcóticos no Afeganistão.

Os narcóticos no Afeganistão de 1980 a 2001

Na guerra do Afeganistão contra a União Soviética, de 1979 a 1989, os Estados Unidos, que durante toda a Guerra Fria evitaram o confronto direto com os soviéticos, optaram pelo financiamento de facções armadas locais – os mujahidin – para combater a URSS. Parte dos recursos financeiros foi desviada e investida na produção e processamento de drogas e na consolidação de uma rede transnacional de tráfico, sobretudo, de ópio.

Com o encerramento do conflito, e o consequente fim do financiamento externo a esses grupos, o tráfico de drogas passou a ser a principal fonte de recursos para osmujahidin, que de 1992 a 1996 travaram uma guerra civil entre si, da qual o Talibã emergiu como vencedor.

O regime do Talibã, ao contrário do que poderia se esperar, não baniu a produção de narcóticos. Em vez disso, passou ele mesmo a dominar o mercado da droga afegão e fazer dele a sua principal fonte de financiamento. Somente em 2001 a produção teve uma queda acentuada, resultante da proibição ao cultivo da papoula – planta a partir da qual se produz o ópio – imposto pelo Talibã no ano 2000, como tentativa de melhorar a sua imagem internacional.

O gráfico a seguir mostra a evolução da produção de ópio no Afeganistão desde os anos 1980 até 2001.

producao-opio-de-1980-20001
Fonte: Afghanistan Opium Survey 2005, UNODC.

A invasão norte-americana e a expansão da produção de ópio

 Os Estados Unidos ao recorrerem mais uma vez aos senhores da guerra no Afeganistão, dessa vez para derrubar o Talibã, investiram milhões de dólares nesses grupos através da CIA. Dinheiro que, a exemplo do ocorrido na década de 1980, serviu para reativar as redes de produção e exportação de narcóticos que permaneceram intactas durante o período do Talibã.

Além disso, os senhores da guerra alcançaram papel de destaque dentro da estrutura política do Afeganistão. Quando o Talibã debandou, os vácuos de poder criados foram ocupados por diferentes facções que passaram a controlar inúmeros territórios nas zonas afastadas da capital, Cabul.

A coalizão internacional – instaurada em 2002 e liderada pela OTAN – viu-se duplamente dependente dos senhores da guerra. Primeiro pela incapacidade de se projetar para além dos arredores de Cabul e prover a segurança contra a insurgência do Talibã, que se reorganizava a partir do Paquistão. Em segundo lugar, a inteligência para as forças dos Estados Unidos perseguirem a Al Qaeda através do país, provinha dessas facções.

Essa dupla dependência levou a uma conduta permissiva da coalizão internacional em relação aos narcóticos. Afinal, perseguir uma forte agenda de repressão às drogas significaria atacar os negócios dos senhores da guerra dos quais dependia a frágil estabilidade política do recém-criado governo do Afeganistão.

Esse cenário permitiu o rápido crescimento da produção de ópio no país. Como aponta o Escritório das Nações Unidas para Drogas e Crime (UNODC, na sigla em inglês) o plantio de papoula saltou de 8 mil hectares, em 2001, para 74 mil hectares, já em 2002.

As regiões de maior influência dos senhores da guerra, ou seja, no sul e norte do país, foram as áreas que apresentaram maior crescimento no cultivo de papoula nos anos que se seguiram a invasão. A província de Kandahar teve aumento de produção de 162%; Farah, 348%; e Nimroz, impressionantes 1370%, como mostra o gráfico.

crescimento-producao-provincias
Fonte: Afghanistan Opium Survey 2005, UNODC.

Em 2004, o Serviço de Pesquisa do Congresso dos Estados Unidos apresentou um relatório informando que o Afeganistão, naquele ano, fora responsável por 87% de toda produção mundial de ópio. O maior índice, contudo, viria a ser registrado em 2014, quando a área destinada ao cultivo de papoula atingiu a marca de 224 mil hectares, levando a uma produção potencial de ópio de 8 mil toneladas. Segundo estimativas do UNODC, nesse ano, o negócio do ópio no Afeganistão rendeu 853 milhões de dólares.

Não foi apenas o empreendedorismo dos senhores da guerra que impulsionou o aumento expressivo. A população rural – que é maioria no país – também se beneficiou da produção de ópio. Em 2003, enquanto o algodão, segunda principal cultura do país, rendia em média 540 dólares por hectare, o cultivo da papoula gerava até 12.700 dólares. Os agricultores, empobrecidos, até hoje financiam as plantações através dos adiantamentos dos senhores da guerra que, assim, a um só tempo garantem a produção e conquistam a lealdade dos camponeses.

O forte apoio aos senhores da guerra, seu enriquecimento e fortalecimento político e militar são elementos que causam tensão e corrompem as estruturas de governança afegãs. Ao priorizar a contra-insurgência e a guerra ao terror, os Estados Unidos, contraditoriamente, propiciaram não apenas o aumento recorde da produção de narcóticos naquele país, mas, as próprias condições para a consolidação de atores que a qualquer momento podem desafiar a autoridade do governo central, colocando em risco a frágil e recém-nascida democracia do Afeganistão.

Fontes:

BUSH, George W., 15 de novembro de 2001, Crawford, Texas. Disponível em: <http://www.washingtonpost.com/wp-srv/onpolitics/transcripts/bushtext_111501.html&gt; Acesso em: 12 jun.2016.

CHANDRA, V. (Jan de 2006). Warlords, Drugs and the ‘War on Terror’ in Afghanistan: The Paradoxes. Strategic Analyses. 30(1), pp. 64-92. Disponível em: <http://www.idsa.in/system/files/strategicanalysis_vhandra_0306.pdf&gt; Acesso em: 09mai.2016.

Congressional Research Service. (2004). Afghanistan: Narcotics and U.S. Policy. Washington, D.C.: Library of Congress. Disponível em: http://fpc.state.gov/documents/organization/39906.pdf&gt;. Acesso em: 09 jun.2016.

GOODHAND, J. (Junho de 2008). Corrupting or Consolidating the Peace? The Drugs Economy and Post-conflict Peacebuilding in Afghanistan. International Peacekeeping, 15(3), pp. 405-423.

UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIME. Afghanistan Opium Survey 2005. Disponível em: https://www.unodc.org/documents/crop-monitoring/Afghanistan/afg_survey_2005 . Acesso em: 08 jun.2016.

UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIME. Afghanistan Opium Survey 2015:Socio-economic Analysis. Disponível em: https://www.unodc.org/documents/crop-monitoring/Afghanistan/Afghanistan_opium_survey_2015_socioeconomic.pdf. Acesso em: 08 jun.2016.

UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIME. Afghanistan Opium Survey 2015: Cultivation and Production. Disponível em:  https://www.unodc.org/documents/crop-monitoring/Afghanistan/_Afghan_opium_survey_2015_web.pdf ;  Acesso em: 08jun.2016.

Join Our Newsletter!

Love Daynight? We love to tell you about our new stuff. Subscribe to newsletter!

You may also read!

Terra em Transe #8 – Thiago Lima: Pandemia da Fome – as consequências da COVID-19 na alimentação global

  Associada às particularidades e contradições do capitalismo, a fome continua um problema de grande magnitude no mundo e

Read More...

Terra em Transe #7 – Angelo Segrillo: a era Putin na Rússia

  Vladimir Putin está no poder na Rússia há pouco mais de duas décadas. Durante este período, os caminhos

Read More...
putin rzhev kremlin

Emendas constitucionais afirmam legado e esboçam futuro da era Putin na Rússia

Votação nacional realizada na Rússia entre 25/06 e 01/07 aprovou pacote de emendas constitucionais que permite a Vladimir Putin

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu