Shakespeare atrás das grades

cesar-deve-morrer-19-02_652x408

“César deve morrer”, dos irmãos Taviani, provoca ao transitar entre documentário e ficção, arte e brutalidade, criação e cárcere

Por José Gerado Couto*, do blog IMS

Roubei o título acima do documentário Shakespeare behind bars (Hank Rogerson, 2005), que retratava uma montagem da peça A tempestade por vinte detentos de uma prisão no Kentucky. Uma experiência análoga é o que fazem os irmãos Paolo e Vittorio Taviani no pungente César deve morrer, atualmente em cartaz (inclusive no IMS).

No filme dos Taviani, a peça de Shakespeare é Julio César e o palco é uma prisão romana de segurança máxima. Os atores são presidiários condenados a longos períodos ou à prisão perpétua. No mais das vezes, traficantes e homicidas ligados às diversas máfias que assolam a Itália.

Mas César deve morrer não é um documentário em sentido estrito, pois mesmo as imagens que simulam um registro documental – os testes de atores, os ensaios, as atividades cotidianas no presídio – são encenadas. Ainda que repitam o que fizeram ou disseram na “vida real”, os detentos/atores têm consciência de que desta vez estão atuando diante das câmeras. De resto, como demonstrou nosso maior documentarista, Eduardo Coutinho, tudo o que se passa diante de uma câmera tem, em alguma medida, o caráter de ficção, de reescrita do real.

TEXTO-MEIO

Nobres e brutos

Pois bem. É nesse terreno difuso, entre o documento e a ficção, que trafega o filme dos irmãos Taviani. O extraordinário é o modo como se entrelaçam “naturalmente” o mundo dos presos e o da tragédia shakespeariana. Em Julio César, peça sobre os mecanismos do poder, personagens nobres se embrutecem por força de suas ambições, seus medos, seus ressentimentos, seus interesses mesquinhos ou sua sede de vingança. Na montagem presidiária, ocorre uma espécie de inversão, em que seres brutos são enobrecidos pela estilização, pela depuração artística dessas emoções humanas profundas.

César viveu há dois mil anos, Shakespeare escreveu sobre ele há mais de quatrocentos, mas seu drama moral e político continua vivo e potente no dia a dia daqueles sicilianos, calabreses e romanos encarcerados entre muralhas. É evidente a identificação deles com os temas da traição, das intrigas, da vingança, do remorso e da culpa.

A encenação na prisão reforça essa identidade por meio de alguns achados, como o de permitir que cada ator pronuncie as falas shakespearianas em seu próprio dialeto, mas buscando uma dicção nobre, não vulgar. O resultado é não apenas uma maior veracidade, mas também, por paradoxal que pareça, uma universalidade ainda mais notável.

Teatro essencial

O preto e branco, que tende a “essencializar” os ambientes e ações, livrando-os ao menos em parte da sujeira, da feiura e do ruído daquilo que é contingente e circunstancial, ajuda nessa transposição do cotidiano carcerário ao páthos shakespeariano. Quando a peça é apresentada ao público, no auditório do presídio, as cores vibrantes e realistas são matizadas por uma iluminação sombria, quase expressionista – outro modo de escapar do “aqui e agora” rumo à dimensão do drama.

No mais, a travessia constante da barreira entre o dentro e o fora da representação lembra ao menos dois outros filmes memoráveis em que ocorre algo parecido: Tio Vânia em Nova York (1994), de Louis Malle, e Moscou (2009), de Eduardo Coutinho, ambos inspirados em textos de Tchekov. Nos três casos, presenciamos esse milagre de um teatro, digamos, de essência, que consegue nos transportar a outro tempo e espaço sem a necessidade de cenários e figurinos ilusionistas, baseando-se apenas no texto e no ator.

Algumas decisões de encenação e montagem, próprias do filme, revelam-se muito felizes, como a de situar no pátio externo deserto a cena em que Marco Antônio (Antonio Frasca, condenado a 26 anos) faz seu célebre discurso sobre o cadáver de César (Giovanni Arcuri, condenado a 17 anos), com os outros presos vendo e ouvindo (e urrando) através das grades das janelas. As palavras de Shakespeare, poderosas como poucas já escritas, adquirem uma força e uma ressonância ainda maiores. É ver para crer.

Aqui, para quem tiver curiosidade, o trailer do documentário norte-americano citado no início deste texto:


*José Gerado Couto é crítico de cinema e tradutor. Publica suas criticas no blog do IMS.

Para ler as edições anteriores da coluna, clique aqui.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

José Geraldo Couto

*José Gerado Couto é crítico de cinema e tradutor. Publica suas criticas no blog do IMS. Para ler as edições anteriores da coluna, clique aqui.