“Rendam-se, ou vocês acabaram”

150705-Grécia

A Grécia tem hoje a chance de dizer “não”. O medo é força poderosa, mas dignidade e independência podem voltar, prestigiadas, ao centro do palco

Por James Galbraith | Tradução: Vila Vudu

Neste domingo, a Grécia faz um referendo de cujo resultado dependem o futuro do país e de seu governo eleito. Estará na balança, também, o destino do euro e da União Europeia. Pela escrita de hoje, a Grécia não pagou ao FMI parcela já vencida; as negociações foram interrompidas, e os “grandes e bons” estão dando por descartado o governo grego e pregando um voto “Sim”, que aceite os termos dos credores para o que dizem ser “reforma”, para “salvar o euro”. Em todos esses juízos, eles estão – e não é a primeira vez – errados.

Para compreender essa luta amarga, é importante que, antes, nos demos conta de que os líderes europeus hoje são gente rasa, enclausurados, preocupados com a política local de cada um e mal preparados moralmente ou intelectualmente, para lidar com um problema continental. É verdade sobre Angela Merkel na Alemanha, sobre François Hollande na França, e é verdade também sobre Christine Lagarde no FMI. Especialmente no Norte da Europa, os líderes não sentiram a crise e nada sabem de economia. Nesses dois campos são o perfeito oposto dos gregos.

Para os norte-europeus, os profissionais nas “instituições” definem os termos, e só há uma atitude pensável: aceitar. A negociação que houve foi sempre do mesmo tipo: mais e mais concessões do lado grego. Qualquer adiamento, qualquer objeção, só podia ser interpretado como má intenção. As intenções adversas são normais, é claro: os políticos esperam encontra-las. Mas aos ministros das Finanças europeus, jamais ocorreu a ideia de que seu colega grego, Yanis Varoufakis não seja movido por alguma intenção inconfessável. Quando Varoufakis não parou nem cedeu, a resposta dos “grandes e bons” foram ofensas e assassinato de reputação.

TEXTO-MEIO

Ao contrário do que pretendem comentários mal informados, o governo grego sempre soube, desde o início, que enfrentava furiosa hostilidade de Espanha, Portugal e Irlanda; desconfiança profunda da esquerda mainstream na França e na Itália; obstrução implacável da Alemanha e do FMI; e disposição para desestabilizá-lo, do Banco Central Europeu. Mas por muito tempo, esses pontos não foram visíveis internamente. Havia gente influente, muito próxima de Tsipras, que não acreditava nisso. Outros imaginavam que, ao final, a Grécia teria de se conformar com o que conseguisse arrancar. Então, Tsipras adotou uma política de ceder terreno. Deixou que os negociadores intermediários negociassem. E quando voltaram com concessão e mais concessão, ele acedeu e concordou.

Em resumo, o governo grego descobriu que tinha de ceder às demandas dos credores por superávit primário vasto e permanente. Foi um golpe duro; significava aceitar o arrocho que o governo havia sido eleito para rejeitar. Mas os gregos insistiram no direito de determinar a modalidade do arrocho — e sua modalidade seria principalmente aumentar impostos sobre os gregos mais ricos e sobre lucros das empresas. Pelo menos, a proposta protegia os aposentados mais pobres contra cortes ainda mais devastadores. E não cederam em direitos trabalhistas fundamentais.

Os credores rejeitaram também isso. Insistiram no arrocho e também em determinar a precisa forma desse arrocho. Foi quando deixaram claro que não tratariam a Grécia como haviam tratado qualquer outro país europeu. Os credores lançaram sobre a mesa uma proposta tipo “pegar ou largar”, que sabiam que Tsipras não poderia aceitar. De um modo ou de outro, Tsipras estava sobre a linha de alvo. Decidiu correr seus riscos, num referendo.

A reação furiosa e destemperada dos líderes europeus não foi, provavelmente, inteiramente falsa. Talvez ainda não se tivessem dado conta de que enfrentavam coisa que não se vê na Europa já há alguns anos: um líder político.

Alexis Tsipras está no cenário internacional há poucos meses, apenas. Não é refinado, mas é sedutor. É natural que gente tão limitada, como são os atuais líderes europeus, não perceba que Tsipras, como Varoufakis, queria dizer e dizia, sem simulação, exatamente o que todos ouviam.

Diante da decisão de Tsipras de convocar um referendo, Merkel e seu vice-chanceler Sigmar Gabriel, Hollande na França e David Cameron na Grã-Bretanha – e, para sua própria vergonha, também Matteo Renzi da Itália – todos enviaram mensagens ao povo grego, dizendo que estava em jogo a permanência da Grécia na zona do euro. O presidente da Comissão Europeia foi ainda mais longe: disse que seria votação para decidir a permanência dos gregos como membros da União Europeia. Foi ameaça orquestrada: rendam-se ou vocês acabaram.

A verdade é que nem o euro nem a eurozona estão em questão, no referendo: o que está em votação é o que responder aos credores. A ameaça de expulsar a Grécia é blefe óbvio. Não há meio legal para alguém ejetar um país para fora da eurozona ou da União Europeia. O referendo é de fato, e obviamente, sobre o governo eleito na Grécia. Os líderes europeus sabem disso. E estão tentando garantir que Tsipras caia.

O que Tsipras ganha com a vitória do voto “não”? Além de sobrevida política, só uma coisa: esse é o meio que ele tem para provar, de uma vez por todas, que absolutamente não pode ceder às condições que estão sendo impostas. O ônus, pois, volta a recair sobre os credores. Se escolherem destruir um país europeu, terão cometido um crime, e todos verão.

Isso posto, não há garantia alguma de que Tsipras vença neste domingo. Nas eleições de janeiro, seu partido obteve 40% dos votos; agora, precisa alcançar a maioria. Há medo e confusão por todos os lados. Os gregos estão votando, de fato, para escolher entre dois futuros desconhecidos — o que não pode oferecer garantia para ninguém, de lado algum.

Se os gregos votarem “Não”, há óbvia incerteza sobre o futuro econômico. Talvez os bancos continuem fechados, os depósitos se percam e os credores levemadiante suas ameaças. A incerteza é ampliada, inevitavelmente, pelo fato de que o governo não pode fazer campanha a favor de permanecer no euro e ao mesmo tempo explicar como enfrentará o trauma de ser forçado a sair. Se há providências preparadas, é segredo até agora muito bem guardado.

Por outro lado, se os gregos votarem “Sim”, a incerteza será política. A coalizão Syriza pode rachar e seu governo, cair. Então, o que acontecerá? Não há governo alternativo com credibilidade na Grécia. Acima de tudo, é difícil acreditar que algum governo (no sentido de qualquer governo, seja qual for) formado para aceitar a rendição e aprofundar a depressão durará muito tempo.

Parece certo que depois de um eventual “Sim” — uma rendição e depressão ainda mais profunda –, a oposição oficial deixará de ser feita pela esquerda pró-Europa que está hoje no governo da Grécia. Essa oposição terá sido destruída pela Europa. A nova oposição, e algum dia o governo, será ou um partido de esquerda ou um partido de direita que se oporá ao euro e à União Monetária. Pode ser a Aurora Dourada, o partido neonazista. A lição da Grécia ecoará sobre oposições em outros pontos do mundo, inclusive na extrema direita em ascensão na França.

A ironia do caso é que a verdadeira esperança – a única esperança – para a Europa está numa vitória do “Não” no domingo, seguida de novas negociações e um melhor acordo. O “Sim” é vitória do medo, contra a dignidade e a independência. O medo é força poderosa – mas dignidade e independência podem voltar, prestigiadas, ao centro do palco.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.
James Galbraith é economista com ampla participação nos debates contemporâneos. Professor de Economia na Universidade do Texas (Austin) e no Centro Lindon B. Johnson de Polícias Públicas, escreveu dezenas de livros e artigos. É colunista do site alternativo norte-americano Mother Jones e filho de John Kenneth Galbraith, um dos economistas mais influentes do século XX

Latest posts by James Galbraith (see all)