Porque parte da esquerda se ilude com Gaddafi

Por Ricardo Mousse, no Viomundo

A recepção na blogosfera de um artigo do respeitado militante comunista português Miguel Urbano Rodrigues, sintoma da dubiedade com que a Revolução na Líbia tem sido acompanhada por setores da esquerda, põe em cena a questão que dá título a esse post. Para iniciar essa discussão seguem algumas provocações:

1. Grande parte da velha esquerda prefere um Estado forte à democracia. Sua avaliação, presa apenas à dicotomia imperialista/ anti-imperialista, não demonstra a menor preocupação com o regime político. Para ela, pouco importa a forma pela qual o Estado é comandado – se por um patriarca, um ditador, um colegiado, um comando militar etc.

2. Esse eco da antiquada e deturpada tese que considera as regras da democracia burguesa como uma fraude resiste mesmo em situações, como a atual, em que a legitimidade do governante é desmentida por manifestações populares, greves gerais, insurgência proletária, em suma, pelo arsenal histórico da ação revolucionária.

3. A velha esquerda interpreta o presente com os olhos congelados no passado. Deixou de acompanhar as mudanças no mundo – para ela em geral desagradáveis. Assim, muitas vezes, analisa a conjuntura a partir de dados e situações de 30, 40 anos atrás.

4. O coronel Muammar Gaddafi forneceu apoio material, logístico e guarida para a extrema-esquerda na década de 1970. OLP, IRA, Brigadas Vermelhas, ETA, Farc etc. foram acolhidos por ele.

TEXTO-MEIO

5. Mas, desde o 11de Setembro, Gaddafi mudou de lado, motivado pelo fato de que a bandeira do enfrentamento militar com os EUA foi parar nas mãos daqueles que considerava como o seu principal inimigo: o fundamentalismo islâmico. Seu giro foi completo. Os Estados Unidos e a União Européia receberam-no triunfalmente em recente reunião do G-20. Foi admitido no restrito círculo dos aliados preferenciais por conta do controle integral que exercia sobre o Estado e a população líbia e da bagatela de 300 bilhões de dólares (entre fundo soberano, reservas internacionais e fortuna familiar) que dispõe para investir em empresas do Hemisfério norte.

6. A velha esquerda sente ainda saudades da ultrapassada tática de confrontação militar com as forças pró-imperialistas. Trata-se de um procedimento que só se mostrou eficaz na Guerra Fria, quando o apoio da URSS possibilitou a movimentos insurgentes organizar verdadeiros exércitos alternativos, como foi o caso na China e em Cuba.

7. Exceto nesse período, a destituição do comando do Estado seguiu sempre o modelo ensaiado na Revolução Russa de 1905: manifestações de massas e greve geral.

8. A velha esquerda superestima os serviços secretos. Enquanto a mídia e o congresso norte-americanos questionam a CIA por sua incapacidade de fornecer informações sobre os acontecimentos no mundo árabe, ela sugere que a mobilização popular na Líbia foi desencadeada por essa agência norte-americana. O comando da CIA agradece.

9. A velha esquerda desconhece inteiramente a situação histórica e social do mundo árabe, para a qual nunca voltou os seus olhos. Sustenta que a revolução predomina no leste da Líbia por que aí se localizam empresas multinacionais. Mas se esquece de que é aí que se concentra a maioria da classe operária. Tampouco parece perceber que Trípoli, a última cidadela de Gaddafi, consiste no núcleo habitacional do funcionalismo público (em geral, composto por apaniguados do ditador) e de todos aqueles que sobrevivem parasitando o Estado líbio.

Ricardo Mousse é professor de sociologia na USP

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Ricardo Mousse

Latest posts by Ricardo Mousse (see all)