Para examinar duas retóricas de poder

160413-Lawrence

“Lawrence da Arábia”: o britânico socorre o Árabe, que precisa de ajuda “civilizada” para se libertar

Pela biologia, discriminam-se negros ou mulheres, vistos como inferiores irremediáveis. Pela cultura, concede-se: orientais, muçulmanos ou descrentes no mercado poderão ser salvos, desde que se curvem ao Ocidente…

Por Berenice Bento

No ano passado, a ativista estadunidense Ashley Yates esteve no Brasil para participar de alguns eventos. Ela é uma das organizadoras do movimento #BlackLivesMatter (Vidas Negras Importam), articulado a partir do assassinato do adolescente negro Michel Brown, em Fergunson, na periferia de Saint Louis (Missouri), por policiais brancos. O corpo do adolescente ficou jogado na rua por mais de quatro horas, depois de ele ter sido assassinado. A ativista relatou que, no primeiro momento do assassinato, a imprensa nem citava seu nome. A mídia dizia apenas: “é um homem”. Ele tinha 17 anos. Depois disso, durante os protestos, a repressão policial, mais uma vez, foi violenta.

Com uma sensibilidade apurada, Ashley desvenda um dos mecanismos mais sutis da retórica do poder ao afirmar, em uma de suas entrevistas aqui no Brasil: “Se um negro erra, culpam a todos os outros; quando é um branco, é caso isolado”. Esta análise também serve para a realidade brasileira. É como se o erro de uma pessoa negra, ou mesmo, o seu assassinato, não surpreendesse, porque erro e morte por assassinato já estariam previstos no destino de uma espécie nascida para o fracasso. Daí o pouco ou nenhum luto social diante dos sucessivos anúncios dos assassinatos pela polícia da nossa juventude negra.

Esvaziar o outro de singularidade, de biografia e jogá-lo dentro de uma narrativa ahistórica, naturalizando comportamentos e subjetividades, tem sido uma poderosa estratégica discursiva que tem efeitos letais. Por esta lógica, é como se a pessoa negra já nascesse morta. O abortamento social é transfigurado em natureza. Entender (ou desvendar) a estrutura dos discursos do poder, conforme nos apontou Ashley Yates, talvez seja o passo mais importante para aqueles/aquelas que se dedicam à transformação social.

Além da retórica da naturalização dos comportamentos, há outro dispositivo discursivo que passou a ser utilizado largamente nas últimas décadas: a visão culturalista, que se caracteriza pelo apagamento da história de uma determinada cultura. Geralmente, quando se fala de “cultura”, imaginam-se práticas sociais imersas em largos e longos períodos históricos. Sabe-se que os sujeitos têm uma história; que as relações sociais não são resultado do imperativo biológico, mas a historicidade se perde num quase “desde sempre”. Então, por exemplo, quando escutamos comentários que dizem que os árabes não se entendem e que sempre foi assim, estamos diante da visão culturalista. Para se referir à especificidade desta estratégia em relação aos povos árabes, Edwar Said inventou o conceito de “orientalismo”.

TEXTO-MEIO

Com a visão culturalista (ou determinismo cultural), nos deparamos com uma certa “sofisticação” do argumento em relação ao determinismo biológico. Esta narrativa tem sido acionada pelos neocolonizadores (a exemplo do Estado sionista de Israel) para justificar a invasão, pilhagem, tortura, morte e roubo (apropriação) das riquezas de outras nações, a exemplo do que acontece hoje em relação à Palestina. Estrutura-se, metonimicamente, o argumento. Pinça-se uma pequena parte dos comportamentos dos sujeitos pertencentes a determinada cultura e passa-se a ler o todo a partir deste fragmento.

A feminista palestina Nadera Shalhoub-Kevorkian (no livro Militarization and violence against women in conflict zones in the Middle East: a Palestinian case-study), aponta que o esvaziamento do outro, mediante a negação da diferença, torna-se ainda mais agudo quando estamos discutindo, especificamente, violência contra as mulheres nos territórios ocupados da Palestina, pois há uma tendência a culturalizar a violência como uma forma de descartá-la. Desta forma, a violência contra as mulheres na Palestina é sempre uma questão de cultura, enquanto que os atos de violência no Ocidente são analisados fora da ideologia e abertos à ação legal, à ação da psicologia, e, principalmente, às narrativas individualizantes. Assim, se um homem estupra uma mulher, ele poderá ser considerado louco e/ou criminoso e será punido individualmente. Ou seja, o problema, aqui, não está na cultura, mas nos desvios individuais. No entanto, a violência contra a mulher palestina é endêmica devido à sua herança cultural. Ora, o desdobramento deste raciocínio é inevitável: precisamos salvar as mulheres desta cultura bárbara, para lembrar Lila Abu-Lughod, outra feminista palestina, no seu artigo As mulheres muçulmanas precisam realmente de salvação? Reflexões antropológicas sobre o relativismo cultural e os Outros.

A análise cultural, desvinculada das questões históricas e políticas, pode levar à essencialização das identidades nacionais (sejam elas de gênero, sexualidade, religiosa e racial). Nenhuma cultura é um todo homogêneo. A concepção culturalista nos faz esquecer as fissuras, disputas e as desumanizações que existem no âmbito das culturas nacionais. Talvez seja a disputa mais dura que o feminismo palestino enfrenta, a meu ver, a luta contra esta visão de corpos sem agências, dominados e oprimidos. Pensar as diferenças culturais é, antes de tudo, pensar contra a noção de cultura.

Daí, portanto, ser importante diferenciar as duas estratégias discursivas do poder. No caso da biologizante das identidades, não há esperança para mudanças. No segundo, a transformação só acontecerá mediante uma força civilizatória externa. Ou seja, será o feminismo ocidental (e colonizador) que levará liberdade para as pobres mulheres oprimidas do Oriente. Será o Ocidente, com seus valores calcados no individualismo, que retirará as pessoas de suas hordas bárbaras. E, por fim, será a promessa de progresso, via reconhecimento dos méritos pelo mercado, que fará a vida prosperar.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Berenice Bento

Doutora em Sociologia, professora da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), pesquisadora do CNPQ