Para debater, em S.Paulo, o futuro da Internet

3500

Outras Palavras convida para encontro com Julia Powles, que pesquisa Internet das Coisas e o Capitalismo de Vigilância com a profundidade inquieta de quem busca uma alternativa

Por Rafael Zanatta e Bruno Bioni

Evento: “Internet das Coisas ou das pessoas? Encontro com Julia Powles”
Quando? Sexta-feira (26/08/2016) às 19:00 hs;
Onde? Outras Palavras, localizada na Rua Conselheiro Ramalho, 945, Bela Vista, São Paulo;
Quanto? Contribuição para cachaça e drinks;

“Nós somos cidadãos, não massas físicas de dados para colheita”. É com esse título que Julia Powles inicia um de seus textos no jornal inglês The Guardian, onde a pesquisadora de Cambridge escreve com frequência sobre temas de fronteira sobre tecnologia e direito. Com mais de trinta ensaios e artigos em um dos principais veículos da mídia progressista britânica, Powles tem fomentado os debates públicos sobre o direito ao esquecimento, o conflito entre a Google e as cortes europeias, as lutas por neutralidade de rede, a desconfiança da população com relação à vigilância privada e governamental, o potencial de vigilantismo na Internet das Coisas e as táticas de “jogar areia” nos mecanismos de coleta de dados, confundindo sistemas.

Essa semana, Powles está em São Paulo para o VI Seminário de Privacidade do Comitê Gestor da Internet e se reunirá com ativistas brasileiros para discutir a relação entre Internet das Coisas, domínio dos algoritmos e privacidade.

Um percurso entre ética, propriedade intelectual e privacidade

Powles, hoje pesquisadora de pós-doutorado no Laboratório de Computação da Universidade de Cambridge, nem sempre teve como ponto focal da sua atividade a privacidade e a proteção de dados pessoais. Talvez seja justamente essa a razão pela qual a pesquisadora sempre nos surpreende com análises sob diferentes ângulos de vista que encara transversalmente tais temas.

TEXTO-MEIO

Julia é bacharel em Ciências e em Direito pela Universidade Nacional e Ocidental da Austrália. Após estar envolvida em projetos de pesquisa sobre genética, riscos ambientais e até mesmo psicologia, ela foi assessora no Tribunal Federal e na Corte de Recursos Administrativos Australiana, onde trabalhou com com questões ligadas a direito administrativo, segurança nacional e propriedade intelectual. Esse último tópico acompanhou Júlia intensamente e até muito recentemente. Desde os tempos em que advogou em um dos maiores escritórios australianos (Minter Ellison, 2008), durante o seu mestrado na Universidade de Oxford (2009), quando foi redatora de discursos na Organização Mundial de Propriedade Intelectual (2010) e quando obteve doutorado em Filosofia do Direito na Universidade de Cambridge (2016), propriedade intelectual sempre esteve no seu raio de ação.

Meu foco central são os dados: o aspecto digital da vida”

Por conta dessa formação multifacetada, Júlia Powles consegue navegar com facilidade por diferentes rotas nesse enorme oceano que é investigar uma sociedade cada vez mais datificada (“the digital stuff of life”, como ela própria rotula). Lembrando os tempos em que trabalhou com segurança nacional no tribunal australiano, Julia faz parte atualmente do time do Centro de Pesquisa sobre Cibercrimes da Universidade de Cambridge que pretende, com uma abordagem multidisciplinar, analisar diversas base de dados sobre crimes cibernéticos de diferentes organizações, a fim de produzir evidências empíricas, algo ainda escasso, nessa agenda de pesquisa.

Além disso, Júlia está envolvida em um projeto de pesquisa sobre Internet das Coisas. Alguns resultados já podem ser encontrados em três artigos seus publicados no The Guardian. Neles, a pesquisadora de Cambridge questiona se a Internet das Coisas não seria uma janela de oportunidade para nós termos um controle mais significativo sobre nossos dados pessoais. O ensaio Internet das Coisas ou das Pessoas?, publicado por Outras Palavras [“Forget the internet of things: we need an internet of people”], traz essa crítica e propõe a remodelagem dos dispositivos, de modo a explicitar os modos de controle (assim como prédios explicitam sua arquitetura).

Nesses dois projetos de pesquisa e em seus artigos, a palavra ética aparece recorrentemente. Talvez muito influenciada pela sua formação em ciências; de quando atuou em projetos de pesquisa sobre genética e riscos ambientais; e, por mais recentemente, integrar o conselho de dois Comitês sobre ética em Big Data e de Mídia Multilíngue, essa é uma narrativa constante encabeçada por Júlia. É constante, também, o diálogo com Helen Nissembaum – intelectual que tem produzido as teorizações mais interessantes sobre tecnologia e ética.

Nas palavras de Powles, ética é o “antídoto de um determinismo tecnológico” que trará mais “claridade e riqueza nessa discussão”, indo além de uma “discussão genérica” e binária do que é “certo ou errado”. Diz Powles que o debate sobre privacidade é “claramente um debate que está no coração da democracia” e, portanto, o capitalismo de vigilância deve estar sujeito a uma regulação mais incisiva que é própria de um estado democrático. É preciso enfrentar gigantes como Google, Facebook e Microsoft.

Uma oportunidade de debate em São Paulo

Ao saber que Powles estaria livre na sexta-feira (26/08) após a realização do Seminário de Privacidade do CGI.br, a convidamos para um encontro com cara de festa no Outras Palavras para discutirmos Internet das Coisas, algoritmos e privacidade. Powles aceitou e estará conosco a partir das 19h para um bate-papo com ativistas e estudiosos brasileiros.

Fortelecer esse diálogo e construir redes de ativismo em direitos digitais em nível internacional é uma das estratégias para combater os retrocessos que se anunciam no Brasil em 2016. Contamos com a presença de vocês.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Rafael A. F. Zanatta

Doutorando pelo Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo. Mestre em Direito pela Universidade de São Paulo. Mestre em Direito e Economia Política pela Universidade de Turim. Líder do programa de Direitos Digitais do Idec -- Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor