Otimismo em tempos de crise

Em “Le Havre”, o otimismo faz milagres – literalmente. Mas qual espaço para os bons sentimentos em época de crise?


Por Bruno Carmelo, editor do Discurso-Imagem.

Chega aos cinemas um dos filmes mais premiados em festivais durante 2011, o francês Le Havre, realizado no entanto por um finlandês, Aki Kaurismäki. Por um lado, Le Havre apresenta o mesmo estranhamento de todos os filmes anteriores do diretor: luzes artificiais, atores voluntariamente inexpressivos, diálogos entonados como discursos políticos, ações mínimas, música onipresente. Para os fãs de um cinema de estranhamento, esta obra apresenta o reconforto de se encontrar exatamente as escolhas típicas do diretor – e a possível frustração de não se encontrar nada além disso.

Por outro lado, este filme é um conto, algo curioso em pleno contexto de crise econômica, pessimismo social (os franceses acabaram de ser classificados como os mais pessimistas do mundo em relação ao futuro do país) e durante a época de Natal. Le Havre talvez não possa ser considerado como um conto de Natal propriamente dito, pela ausência deste período do ano na história, mas está presente o tradicional otimismo exagerado e ingênuo.

Nesta história simples, um garoto negro tenta passar ilegalmente da cidade do Havre, na França, a Londres. A polícia descobre seus planos a passa a persegui-lo – pelo menos em princípio. A diferença é que, contra a dicotomia maldade-bondade, neste filme todos são solidários: Marcel Marx, pobre engraxador de sapatos, aceita acolher o garoto, os vizinhos não hesitam em ajudar, mesmo o policial de aparência soturna (capa preta, chapéu preto) colabora a esconder o garoto. E a esposa de Marcel, doente, se recupera.

“Com o passar dos anos, eu fico cada vez mais pessimista, e meus filmes mais otimistas”, havia explicado aos jornais franceses o diretor finlandês. De fato, Le Havre é um filme sem obstáculos, formado por um ideal de comunidade solidária e humanista digno dos sonhos socialistas mais doces. Não há política nem sociedade neste filme que usa, mesmo assim, a voz off do Ministro da Imigração francês da época, Eric Besson, lançando discursos xenofóbicos contra a “delinquência estrangeira”.

Ora, esta voz está distante, parece vir de um mundo sem conexão com a pequena cidade-título onde se passa a ação. Se existe de fato a sociedade islamofóbica e paranoica da França atual, Le Havre (“o porto”, em português) parece não fazer parte dela. O filme cria precisamente um porto de solidariedade, de caridade e fraternidade, isolado num país fantasma. Estranha maneira de se retratar a sociedade: não pelo que o diretor acredita que ela é, mas pelo que ele julga que ela poderia ser.

TEXTO-MEIO

No final, críticos e espectadores acabaram defendendo ou atacando a obra pelas mesmas razões: seu otimismo liso, ideal, cor de rosa. Uns disseram que é exatamente disso que o povo precisa em época de crise: que o cinema de autor faça “bons filmes com bons sentimentos”, ao invés de deixar a tarefa aos estúdios americanos conservadores. Outros defenderam que tal ingenuidade seria avessa ao “cinema de autor”, cuja tarefa seria a de suscitar a reflexão, e não se limitar a trazer pouco de reconforto nos períodos difíceis. Resta ao espectador decidir se ele busca, no cinema atual, uma voz que acalenta ou uma voz que interpela.

——–

Le Havre (2011)
Filme franco-alemão-finlandês dirigido por Aki Kaurismäki.
Com André Wilms, Kati Outinen, Blondin Miguel, Jean-Pierre Darroussin, Evelyne Didi, Pierre Étaix, Roberto Piazza.

TEXTO-FIM

Sobre o mesmo tema:

The following two tabs change content below.

Bruno Carmelo

Mestre em teoria do cinema pela Universidade Sorbonne Nouvelle - Paris III, e autor de duas dissertações sobre a crítica de cinema. Trabalha como editor e crítico de cinema no site AdoroCinema.