Os donos do saber não sabem ser donos

Músicos, artistas, escritores, blogueiros, cientistas: quem cria quer dialogar e difundir saber. Já quem detém a “propriedade intelectual”

Da Redação

A transformação tecnológica vem há tempos reforçando relevantes transformações políticas, culturais, sociais e econômicas, provocando o rompimento com antigos paradigmas. Em 2011 não foi diferente, e Outras Palavras acompanhou alguns temas que se destacaram no decorrer do ano: a transformação pela qual se passa o jornalismo, os desdobramentos dos avanços tecnológicos no software livre, na cultura digital e na blogosfera, a restrição da liberdade na rede com o aumento da vigilância e a corrida da industria farmacêutica atrás de doenças que dão lucro.

No campo midiático, a consolidação das redes, o ciberativismo, hackerativismo e a luta pela transparência nos negócios públicos mudaram as regras do jogo para os jornais. Em algumas ocasiões, o poder se meteu em saias justas. Nunca os cidadãos contribuíram tanto para a informação uns dos outros — e isso ameaça os antigos conglomerado midiáticos e os poderes que neles se apoiam. Aqui, o Wikileaks pôde introduzir-se e desenvolver-se, colaborando com a exposição de suculentos documentos que ameaçaram o submundo dos sigilosos segredos da diplomacia internacional.

Em contrapartida, tendo em vista o perigo da “ameaça terrorista” e a obsessiva pressão em manter o sigilo, o presidente Barack Obama, prorrogou o Patriot Act — o que seria “a mais recente cortina inventada contra a transparência”, segundo David Bromwich. Tudo leva a crer que Obama, hoje, partilha com seu antecessor a inabalável crença segundo a qual a transparência pública é inimiga do Estado. A internet sofre do mesmo mal. Outras Palavras recordou como a internet foi sendo vampirizadas pelas corporações, que, ao perceberem o valor da colaboração em rede, não tardaram em cravar seus tentáculos para saborear o lucro. Nesse mecanismo, os usuários — essenciais para a construção dessa riqueza — não são remunerados. Pelo contrário, têm suas informações roubadas.

Applemania, lado B
Steve Jobs teria “mudado o mundo”? Ensaio sobre os hábitos de consumo e condições de trabalho que sua empresa reforçou

TEXTO-MEIO

Não é hora de sair do Facebook
É preciso assumir nosso tempo em todos seus paradoxos, contradições e perplexidades. Ao capitalismo cognitivo, corresponde um movimento em enxame

Pela pirataria na internet
Winton Cardoso defende direito irrestrito ao conhecimento e informação e afirma: esta postura pode criar a biblioteca total gratuita

Ignacio Ramonet descreve explosão do jornalismo
Velha mídia já não pode, nem deseja, separar-se do poder. É possível superá-la articulando redes com publicações profundas e inovadoras

Vigilância, agora sob gestão Obama
Como o presidente prorrogou Patriot Act, que multiplica espionagem sobre cidadãos. Que isso revela acerca de sua relação com poder

As doenças que mais venderão em 2012
“Se há um remédio capaz de gerar lucros, deve haver consumidores”. O que as corporações querem que você compre agora

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.