No teatro, os burocratas sombrios

150911-burocracia

Peça de Sílvia Gomes, uma expoente do surrealismo e absurdidade, tem Débora Falabella no papel de mulher atolada na burocracia e atormentada por uma inquisidora, ao tentar adotar um bebê

Por Wagner Correa de Araujo | Imagem: George Tooker, Escritório do Governo, 1956


MAIS:
Mantenha fora do alcance do bebê
De 11 de setembro a 4 de outubro. Sextas (21h) e sábados (18h)

No Sesc Ipiranga | Rua Bom Pastor, 822 – Ipiranga — São Paulo/SP
Fone: (11) 3340.2000. Duração: 80 minutos.

TEXTO-MEIO

Para o sociólogo Max Weber, “burocracia e burocratização são processos inexoráveis, ou seja, inevitáveis e crescentes, presentes em qualquer tipo de organização, seja pública ou privada”. Ainda que a rigidez administrativa e o exagero de regulamentos tornem-se, na maioria das vezes, inadequados e quase ilegítimos na sua opressividade.

Palavras que podem ser um referencial para a conceituação e apreensão do surpreendente fluxo progressivo que esta forma de dominação social legitimada exerce no desenvolvimento da trama dramatúrgica de Mantenha fora do alcance do bebê. O texto, o segundo de um promissor talento da nova geração de autores do teatro brasileiro, faz de Silvia Gomez uma expoente das vertentes do surrealismo e da absurdidade. Através de uma proposta temática,aparentemente ingênua, contida na singularidade da própria expressão popular que titula a peça, mostra uma mulher (Débora Falabella) diante de uma assistente social (Anapaula Csernik) postulando um bebê. Nada poderia ser mais cotidianamente trivial.

O que não se espera jamais é como o mero preenchimento de um questionário, para atender aos requisitos técnicos/administrativos de uma instituição assistencial, será capaz de provocar um estado de pânico total, nos planos físico e psicológico. Numa situação insustentável de pressionamento da própria liberdade de escolha da entrevistada, escondida na mediocridade postural de uma inquisidora “burocrata”, a legalidade do procedimento conduz a uma caótica exposição de corações e mentes desequilibrados, entre a humanização e a animalização. Neste ultimo aspecto, com a estranha mas significante presença de um funcionário literalmente travestido de lobo (Diego Darc). E que acaba levando à convocação emergencial de Rubens (Jorge Emil), marido da proponente à adoção filial, e único personagem nominalizado na narrativa cênica.

Completa-se, assim, a enérgica sintonização de performances, na ignara mordacidade moral de Anapaula Csernik, na superlativa imprevisibilidade comportamental de Débora Falabella, na instabilidade emocional de Jorge Emil e na irônica reticência de Diego Dac. Com adequados figurinos (Rosangela Ribeiro), ambiental iluminação (Aline Santini) e precisas interferências sonoras (L.P.Daniel).

Numa delirante arquitetura cênica habilmente conduzida por Eric Lenate, dublê de cenógrafo (numa contrastante estética “clean”), há uma exponencial exploração da verbalização insana e de uma delinquente corporificação à beira de um atentado terrorista. Transmutando esta sombria atmosfera à la Thomas Hobbes de homens que são lobos dos homens, a possibilidade da saída pela filosofia hippie de Hair (I Got Life) no coreográfico e libertário epílogo:

“Eu tenho vida, mãe / Eu tenho risos, irmã / Eu tenho liberdade, irmão / Eu tenho bons momentos, cara / (…) Eu tenho vida / Vida / VIDA!!!”

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Wagner Correa de Araújo

Jornalista especializado em cultura, roteirista, diretor de televisão, crítico de artes cênicas. Dirigiu os documentários "O Grande Circo Místico" e "Balé Teatro Guaíra 30 Anos" . Participou como critico e jurado de festivais de dança e cinema, no Brasil e na Europa.