Literaturas da periferia: o desafio da estética

 

Como Cultura ressignificou, em dez anos, os subúrbios. Por que movimento precisa mostrar que sua importância vai muito além do social

Por Antonio Eleilson Leite, na coluna Literatura Periférica

Desde a década de 1990, quando o Movimento Hip Hop consolidou-se na periferia de São Paulo e na maioria das cidades da Região Metropolitana, surgiu uma cultura com características próprias. Sua expressão traduz este espaço social suburbano, com toda a complexidade de suas comunidades. Uma cultura que afirma positivamente uma região ainda hoje estigmatizada pelo quadro de pobreza e violência. Uma arte que vem ressignificando o próprio conceito de periferia, a partir de uma nova noção de pertencimento. Ela identifica artistas portadores de uma estética original. Seus contornos podem ser observados especialmente na produção literária que se expandiu, nos últimos dez anos, por toda a periferia paulistana. Ao observar a literatura que surge daí, percebe-se de forma nítida a busca de um desenvolvimento estético para as criações.

TEXTO-MEIO

Essa atenção com os aspectos estéticos, tão evidente na literatura, é fundamental e necessária. A cultura da periferia goza de um reconhecimento que se apoia principalmente na dimensão ética. É valorizada como resistência, dadas as condições adversas que assolam os bairros mais afastados do centro. Isso confere uma visibilidade importante, mas confina a produção artística no campo unicamente ideológico, retirando-lhe a possibilidade de ser apreciada também por sua qualidade artística.

Abordar a literatura com rigoroso foco na produção estética permitirá identificar alguns parâmetros de análise necessários para entender uma cultura emergente, em um contexto social de pobreza, conflitos e disputas. O estudo de livros publicados por autores da periferia, em comparação com uma linhagem de autores reconhecidos, pertencentes às tradições literárias das quais a literatura periférica é tributária será o caminho que percorrerei por meio dos textos que publicarei nesta coluna.

Os livros aqui observados não serão tratados como objetos desvinculados da realidade e sim como produto de práticas culturais. Porém, as criações literárias estarão no centro da reflexão, até para não correr o risco de a prática cultural da qual são originárias, diluir sua importância como produto artístico.

O literatura periférica na tradição do hip hop

A visão sobre periferia que prevaleceu até a década de 1990 caracterizava-a como área urbana homogênea, marcada por alta densidade populacional, baixa renda, elevados índices de violência e precariedade urbana. Este olhar criou um estigma, resultado de segregação não apenas geográfica, econômica e social – mas também cultural. Nas bordas da metrópole reside o abandono. Em um lugar onde os serviços básicos como saneamento, saúde, educação, moradia e transporte são escassos, equipamentos e políticas culturais eram (e ainda são em muitas regiões) praticamente inexistentes.

Porém, foi no campo da cultura que surgiu, na última década do século XX, uma afirmação positiva da condição periférica. O Movimento Hip Hop que despontou na década de 1980, tendo o centro da cidade como ponto de encontro, se espraiou na década seguinte para as áreas suburbanas, de onde boa parte de seus adeptos era oriunda1. Invocava, nas letras de rap, uma afirmação de pertencimento à periferia que veio ressignificar o sentido da expressão, até então marcadamente pejorativa. A partir do hip hop, uma forte cena cultural surgiu nos extremos da metrópole.

Inspirados no rap, que é ritmo e poesia (rythm and poetry), surgiram poetas e poetisas que transpuseram para a escrita a palavra rimada e cantada dos MC’s. Sem perder a força da oralidade, motivadora dos saraus que se proliferam por toda a periferia, passaram a publicar seus poemas em fanzines, abrindo caminho para a narrativa ficcional que inaugurou a literatura da periferia. O marco fundador desta produção literária – ainda que não seja a obra pioneira – foi o livro Capão Pecado, do escritor Ferréz, publicado em 2000, marco fundador desta produção literária, ainda que não seja a pioneira2.

Ferréz e o surgimento de uma literatura das periferias

Resultado de vários fatores, porém tendo o hip hop como manancial, a cena cultural que hoje exibe uma grande diversidade de linguagens artísticas, começa a se formar em 2000. Emblematicamente, é o começo de década, de um novo século e um novo milênio. Os Racionais MC’s haviam alcançado a consagração e viviam do êxito avassalador do CD Sobrevivendo no Inferno, lançado em 1997. Coerentes com sua postura arredia à mídia, venderam mais de um milhão de discos sem aparecer na TV, nem fazer qualquer tipo de promoção que não fosse seus shows. O mito estava consolidado e o Capão Redondo (na foto), reduto de Mano Brown virou uma espécie de símbolo maior de uma identidade periférica. O orgulho de se afirmar morador daquele bairro da zona sul de São Paulo passou a ter enorme valor simbólico. Marcou uma geração de artistas e ativistas culturais que surgiram neste distrito com mais de 200 mil habitantes e, em seguida, em toda a periferia sul e demais quebradas da cidade.

Um jovem de vinte e poucos anos, morador do Capão Redondo, foi afetado profundamente por este sentimento de orgulho periférico. Reginaldo Ferreira da Silva, conhecido como o Ferréz (junção de Virgulino Ferreira e Zumbi) já havia publicado um livro de poesias em 1997, ano do lançamento do clássico CD dos Racionas MC’s. O aspirante a poeta abandonou sua veia lírica e dedicou-se à narrativa de ficção em prosa. Escreveu e lançou em 2000 o romance Capão Pecado. Editado pela hoje inativa Labortexto Editorial, a obra, com “orelha” de Mano Brown, teve grande repercussão3 e abriu espaço para outros autores, ditos marginais naquela Editora4.

Ferréz, àquela altura, já se dedicava ao comércio de roupas. Havia criado a 1daSul, grife de moda e acessórios, cujos produtos tiveram grande aceitação, expandindo-se rapidamente pela capital, Grande São Paulo e outros Estados. O escritor abriu lojas no Capão Redondo e em Santo Amaro, ampliou os negócios, mostrou-se um empresário de visão e grande capacidade de gestão. Seu empreendimento, embora com fins lucrativos, segue preceitos de comercio justo e economia solidária. Parte de seus ganhos são revertidos em projetos sociais na comunidade onde mora e investimentos culturais como Selo Povo5.

Dado seu sucesso literário e empresarial, Ferréz tornou-se uma referência na periferia de São Paulo. Passou a dar palestras e participar de diversos eventos. Tornou-se colunista da revista Caros Amigos. Esta condição permitiu-lhe publicar três volumes da edição especial Caros Amigos: Literatura Marginal no começo da década. Venderam cerca de 50 mil exemplares lançando dezenas de escritores e escritoras das periferias de São Paulo e de várias partes do Brasil6. Em 2005, Ferréz lançou a coletânea Literatura Marginal – Talentos da escrita Periférica, pela Editora Agir. Mais um passo para o fortalecimento da cena literária da periferia.

Por essas razões, considero Ferréz, a partir da publicação de Capão Pecado, fundador de um movimento literário na periferia de São Paulo. Um marco político e estético: sua escrita exerce importante influência em diversos autores que, a partir da segunda metade da primeira década do século, fizeram surgir inequivocamente uma cena cultural na periferia paulistana.

A estética no centro do debate

A efervescência da cultura produzida se dá principalmente depois de 2005. Essa nova etapa passa a impor ao movimento outras exigências. Não se trata mais, apenas, de afirmar a condição periférica pela exclusão social a que estão submetidos seus protagonistas e precariedade dos meios que lhe são acessíveis para seu desenvolvimento cultural. Daí para frente o que será observado (pela mídia e pela universidade, espaços maiores de legitimação, embora não únicos) é a produção artística que emerge dessa cultura suburbana. Se não for assim, a arte produzida na periferia ficará relegada a um fenômeno de grande impacto social, porém pouca repercussão estética. Para Heloísa Buarque de Hollanda “o que está agora em jogo é a construção da legitimidade e da visibilidade do intelectual e do artista da periferia7”. A coluna Literaturas Periféricas buscará evidenciar a estética – ou estéticas – que surgem dessa arte. Terá foco na produção literária, observando-a num contexto mais amplo das linguagens artísticas desenvolvidas na periferia.

Tomando por base as premissas de Raymond Willams sobre a cultura comum, Maria Elisa Cevasco argumenta que, “a questão é dar condições para que todos sejam produtores de cultura, não apenas consumidores de uma versão escolhida por uma minoria”8. Sendo assim, a ampla produção cultural que se vê na periferia, notadamente na literatura, revela: parte de escritores oriundos das classes trabalhadoras pobres residentes nessas regiões apropriou-se dos meios para produzir um tipo de arte historicamente dominada pela elite ligada às classes dominantes.

Entender os mecanismos dessa apropriação e o processo criativo da elaboração de textos literários dará condições para perceber uma estética original, portadora de sentidos que subvertem os padrões estabelecidos dos cânones. Uma estética que é ruptura, mas que se alimenta de uma tradição literária, reconhecida e marcadamente classista. Refiro-me a uma corrente literária que vem de Carolina Maria de Jesus e Solano Trindade nos anos 1950 e 1960; passa por João Antonio e Plínio Marcos, também dos anos 1960; e se estende pela década seguinte, chegando aos anos 1990 com Paulo Lins9.

A importância estética da literatura

De toda as expressões presentes na cultura periféria, é nas letras que um padrão estético está mais desenvolvido. Isso pode ser verificado pela vasta produção literária existente10. De tão significativa, a literatura feita na periferia, mais do que qualquer outra linguagem, apresenta ramificações. São designadas como: periférica, marginal, dissidente, literarua, literatura hip hop, poesia das ruas. O que explica tais nomenclaturas, acredito, são concepções e visões estéticas sobre a arte da palavra escrita. Uma estética que tem as ruas como inspiração.

Como vimos, essa produção literária, com todo a sua originalidade, filia-se a uma linhagem de autores que marcaram a recente literatura urbana brasileira, especialmente paulistana11. A inserção da literatura periférica nessa tradição dá-se pela obra do escritor Ferréz que com seus dois primeiros livros, Capão Pecado (2000) e Manual Prático do Ódio (2003) já alcança reconhecimento como romancista. O êxito literário de Ferréz, somado a suas iniciativas de promoção de novos autores por meio de várias coletâneas e um selo editorial, conferem-lhe uma condição de maior influência entre escritores que surgiram depois, na periferia de São Paulo. Formou-se assim uma corrente literária nova, porém tributária da tradição iniciada por Carolina de Jesus e Solano Trindade. Contribui assim, a um só tempo, para sua própria afirmação e para a valorização dessa linhagem de escritores no panorama da literatura brasileira.

Por uma estética da periferia

É necessário que os artistas da periferia, disputem e se apropriem do conceito de estética para afirmarem a qualidade artística de seus trabalhos. Caso contrário, ficarão restritos à afirmação pela condição social, um argumento que tem um poderoso sentido político, porém é limitado em termos artísticos. Chega um momento que se esgota, quando deixa de ser novidade. Este esgotamento está próximo.

Só o desenvolvimento estético permite à produção artística extrapolar o contexto social da periferia, atingindo um universo mais amplo. Isso aconteceu com Ferréz na literatura e, mais recentemente, com o poeta Sergio Vaz. No momento, são os únicos autores nessa a condição. Mas na música, Racionais, Rappin Hood, Emicida, Criolo e o Quinteto em Branco e Preto já demonstraram que é possível transpor essa barreira.

De qualquer forma, já é possível falar de uma estética própria da periferia expressa na produção artística em todas as linguagens: do teatro às artes visuais, passando pela música dança, cinema e literatura. Uma estética que evidencia a origem de classe de seus autores e um sentido libertário presente nas cores, tons, letras, imagens, melodias, dramaturgias e todo o universo de criação artística existente. Mas para alcançar o reconhecimento artístico, é necessário que esta arte seja submetida à crítica.

Não estão em discussão os propósitos políticos do movimento, tão bem expostos nos manifestos da Semana de Arte Moderna da Periferia12. A questão é analisar que arte está sendo produzida a partir desses propósitos. O bordão de Alessandro Buzo, que diz: “Pensavam que não sabíamos ler e agora estamos escrevendo livros”, já não dá conta da cena atual. É hora de discutir a qualidade literária desses escritos.

1Ver documentário em vídeo Nos tempos da São Bento, de Guilherme Botelho, São Paulo, VAI, 2010.

2O poeta Sergio Vaz publicou, entre 1986 e 1999, três livros: Subindo a ladeira mora a noite;A margem do vento e Pensamentos vadios, todos independentes, ver: Vaz, Sergio. Cooperifa: Antropofagia periférica, Editora Aeroplano, Rio de Janeiro, 2008. O próprio Ferréz, publicou em 1997 seu primeiro livro, uma obra de poesia chamada Fortaleza da Desilusão.

3 Sobre a trajetória do escritor Ferréz, ver Nascimento, Erica Peçanha do, Vozes Marginais na Literatura, Editora Aeroplano, Rio de Janeiro, 2009, dissertação de mestrado em antropologia que faz um dos mais importantes estudos sobre a produção literária na periferia de São Paulo.

4Além de Capão Pecado, foram publicados pela Labortexto, entre 2000 e 2002, Diário de um detento: o livro, de Jocenir; Sobrevivente André Du Rap (do Massacre do Carandiru) de Andre Du Rap e Quatrocentos contra um: uma história do comando vermelho, de Willam da Silva Lima, entre outros títulos. A editora, porém, interrompeu suas atividades depois de uma rescisão de contrato litigiosa com Ferréz que veio reeditar seu Capão Pecado em 2005 pela Editora Objetiva, após o lançamento, pela mesma editora, do seu segundo e também bem sucedido romance, Manual Prático do Ódio.

5Selo editorial criado em parceria com a ONG Ação Educativa e o Centro Cultural da Espanha. Publicou três livros entre novembro de 2009 e abril de 2011: Cronista de Um tempo Ruim, de Ferréz; Amazônia em Chama, deCatia Cernov e Sob o Azul do Ceu, de Marcos Teles.

6Nascimento, Erica Peçanha do, Idem, ibidem

7Buarque de Hollanda, Heloisa, Escolhas, uma autobiografia intelectual, Lingua Geral/Carpe Diem, Rio de Janeiro, 2009.

8Cevasco, Maria Elisa. Dez Lições sobre Estudos Culturais, Boitempo Editorial, São Paulo, 2003

9 Esses autores são os mais citados pelos escritores das periferias seja nos saraus, seja nas obras publicadas.

10, Erica Peçanha, em sua tese de doutorado: É Tudo Nosso – produção Cultural na Periferia, defendida em março de 2012, levantou 72 títulos. Consegui reunir, em minha coleção particular, tenho mais de 80.

11Carolina Maria de Jesus (1914 – 1977), Solano Trindade (1908 – 1974), João Antonio (1937 – 1996), Plínio Marcos (1935 – 1999) e o contemporâneo Paulo Lins (1958).

12Refiro-me especialmente ao Manifesto da Antropofagia periférica, de Sergio Vaz.

 

Antonio Eleilson Leite é historiador, programador cultural e coordenador do Programa de Cultura da ONG Ação Educativa

 

 

Edições anteriores da coluna:

O Ex-excluído: manifesto de um poeta suburbano
Livro de Germano Gonçalves revela escrita visceral e urgente de autor que, influenciado por Raul e Leminski, canta periferia pré-hip-pop


> Leia também as 35 edições de Cultura Periférica, a seção que Antonio Eleilson Leite publicou, entre outubro de 2007 e dezembro de 2008, no Caderno Brasil do Le Monde Diplomatique.

 

Jardim Santo André na Galeria Vermelho
Um espaço badalado das artes de São Paulo reproduz os grafites que estão mudando a paisagem de um dos bairros mais violentos do ABC. Retrato de um país secularmente desigual — onde, no entanto, a periferia cobra seus direitos, e se expressa cada vez mais por meio da criação simbólica
22 de dezembro de 2008

 

A nova arte da Cooperifa
Ela veio para ficar. A primeira Mostra Cultural da Cooperifa reunirá guerreiros e guerreiras fortemente armados com canetas, cadernos e livros. Trava-se uma luta incansável contra a ignorância,mediocridade, conformismo, tristeza e as pobrezas material e espiritual que insistem em saquear a quebrada
14 de novembro de 2008

Na Primavera, a leitura supera o marketing
Alternativa à Bienal, mostra de editoras independentes relembra que livros são, acima de tudo, espaço para idéias, inteligência e utopia. Evento abre espaço para iniciativas que não se submetem ao mercado, e combina exposição de obras com programação cultural – onde tem espaço a arte periférica
27 de setembro de 2008

Linha de Passe: um gol de letra e um gol-contra
Em seu novo filme, Walter Salles e Daniela Thomas constroem uma história brasileira que debate, com profundidade e sutileza, a existência e os dramas humanos. Mas o cacoete de associar periferia a infelicidade dá à obra um tom de chavão e frustra a própria intenção de esperança do diretor
22 de setembro de 2008

Cooperifa: leia o livro, veja o filme e ouça o disco
Série de obras artísticas celebra os saraus que ajudaram a construir o conceito de cultura periférica — e o mundo de iniciativas que está surgindo a partir deles. Trabalhos ressaltam opinião da jornalista Eliane Brum: “A Cooperifa é um abalo sísmico a partir de uma esquina de quebrada”
11 de setembro de 2008

Na Bienal do Livro, um roteiro alternativo
Debate sobre literatura periférica e um punhado de editoras, universitárias e semi-artesanais, valem a visita. Aí persiste o encanto de uma feira que foi indispensável — mas chega aos 40 anos um tanto decadente e deselegante. Talvez por apostar no gigantismo, e se render à lógica de mercado
22 de agosto de 2008

Gilberto Gil: LadoA e LadoB
Único artista a dirigir o ministério da Cultura até hoje, ele foi também o primeiro ministro a traçar políticas públicas efetivas para a produção simbólica. Valorizou a diversidade e a autonomia. Faltou assegurar recursos condizentes, e evitar que fossem canalizados para o marketing empresarial
6 de agosto de 2008

O Hip Hop nunca foi tão pop
Vinte e cinco anos depois de despontar no Brasil, a cultura hip-hop está bombando como nunca. Ligou-se ao showbizz, mas é capaz de manter, mesmo assim, seus princípios e essência. É claramente periférica. Dez eventos a celebram, a partir deste fim de semana, em São Paulo
26 de julho de 2008

“Meu bairro era pobre, mas ficava bem bonito metido num luar”
Mídia tradicional multiplica referências a Machado e a Rosa, rendendo-lhes homenagens previsíveis e banais. Coluna destaca outro centenário: o de Solano Trindade. Poeta, dramaturgo, ator e artista plástico, ele cantou a dignidade, as lutas, amores e dores dos negros e dos que vivem do trabalho
8 de julho de 2008

Um passo à frente e você já não está mais no mesmo lugar
Escola Pernambucana de Circo organiza, em festa, seu centro de arte-educação. Ao invés de adotar postura “profissionalizante”, iniciativa busca emancipar. Por isso, aposta na qualidade artística, técnica e cultural de seu trabalho, e foge do conceito de “arte para pobre”
17 de junho de 2008

Plano Nacional de Cultura: realidade ou ficção?
Ministério lança documento ousado, que estabelece, pela primeira vez, política cultural para o país. Dúvida: a iniciativa será capaz de driblar a falta de recursos e a cegueira histórica do Estado em relação à produção simbólica? Coluna convida os leitores a debate e mobilização sobre o tema
7 de junho de 2008

Semeando asas na quebrada paulistana
De como a trupe teatral Pombas Urbanas, criada por um peruano, chegou a mudar o nome do Brasil, trocou os palcos pelas ruas, sofreu a perda trágica de seu criador mas reviveu, animada pela gente forte da periferia — para onde regressou e de onde não pretende se afastar
2 de junho de 2008

Humildade, dignidade e proceder
Agenda da Periferia completa um ano de publicação. Como diria Sergio Vaz, não praticamos jornalismo — “jogamos futebol de várzea no papel”. Fazê-la é exercício de persistência, crença e doação. O maior sinal de êxito é o respeito que o projeto adquriu no movimento cultural das quebradas
24 de maio de 2008

A revolução cultural dos motoboys
Um evento em São Paulo, um site inusitado e dois filmes ajudam a revelar a vida e cultura destes personagens de nossas metrópoles. Sempre oprimidos, por vezes violentos, eles vivem quase todos na periferia, são a própria metáfora do caos urbano e estão construindo uma cultura peculiar
17 de maio de 2008

Manos e Minas no horário nobre
Estréia na TV Cultura programa que aborda cena cultural da periferia com criatividade, sem espetacularização e a partir do olhar dos artistas do subúrbio. Iniciativa lembra o históricoFábrica do Som, mas revela que universo social da juventunde já não é dominado pelos brancos, nem pela classe média
10 de maio de 2008

Pequenas revoluções
Em São Paulo, mais de cem projetos culturais passam a ter financiamento público, por meio do VAI. Quase sempre propostos por jovens, e a partir das quebradas, eles revelam as raízes e o amadurecimento rápido da arte nas periferias. Também indicam uma interessante preferência pela literatura
3 de maio de 2008

A periferia na Virada e a virada da periferia
Em São Paulo, a arte vibrante das quebradas dribla o preconceito e aparece com força num dos maiores eventos culturais do país. Roteiro para o hip-hop, rap, DJs, bambas, rodas de samba, rock, punk e festivais independentes. Idéias para que uma iniciativa inovadora perdure e supere limites
26 de abril de 2008

Retratos da São Paulo indígena
Em torno de 1.500 guaranis, reunidos em quatro aldeias, habitam a maior cidade do país. A grande maioria dos que defendem os povos indígenas, na metrópole, jamais teve contato com eles. Estão na perferia, que vêem como lugar sagrado.
20 de abril de 2008

Cultura, consciência e transformação
A cada dia fica mais claro que a produção simbólica articula comunidades, produz movimento, desperta rebeldias e inventa futuros. Mas a relação entre cultura e transformação social é muito mais profunda que a vã filosofia dos que se apressam a “politizar as rodas de samba”…
12 de abril de 2008

É tudo nosso!
Quase ausente em É tudo Verdade, audiovisual produzido nas periferias brasileiras reúne obras densas, criativas e inovadoras. Festival alternativo exibe, em São Paulo, parte destes filmes e vídeos, que já começam a ser recolhidos num acervo específico
5 de abril de 2008

Arte de rua, democracia e protesto
São Paulo saúda, a partir de 27/3, o grafite. Surgido nos anos 70, e adotado pela periferia no rastro do movimento hip-hop, ele tornou-se parte da paisagem e da vida cultural da cidade. As celebrações terão colorido, humor e barulho: contra a prefeitura, que resolveu reprimir os grafiteiros
28 de março de 2008

As festas deles e as nossas
Num texto preconceituoso, jornal de São Paulo “denuncia” agito na periferia e revela: para parte da elite, papel dos pobres é trabalhar pesado. Duas festas são, no feriado, opção para quem quer celebrar direito de todos ao ócio, à cultura, à criação e aos prazeres da mente e do corpo
21 de março de 2008

Arte independente também se produz
Às margens da represa de Guarapiranga, Varal Cultural é grande mostra de arte da metrópole. Organizado todos os meses, revela rapaziada que é crítica, autogestionária, cooperativista e solidária — mas acredita em seu trabalho e não aceita receber migalhas por ele
15 de março de 2008

Nas quebradas, toca Raul
Um bairro da Zona Sul de São Paulo vive a 1ª Mostra Cultural Arte dos Hippies. Na periferia, a pregação do amor e liberdade faz sentido. É lá que Raul Seixas continua bombando em shows imaginários, animando coros regados a vinho barato nas portas do metrô, evocando memórias e tramando futuros
8 de março de 2008

No mundo da cultura, o centro está em toda parte
Estamos dispostos a discutir a cultura dos subúrbios; indagar se ela, além de afirmação política, está produzindo inovações estéticas. Mas não aceitamos fazê-lo a partir de uma visão hierarquizada de cultura: popular-erudita, alta-baixa. Alguns espetáculos em cartaz ajudam a abrir o bom debate
23 de fevereiro de 2008

Do tambor ao toca-discos
No momento de maior prestígio dos DJs, evento hip-hop comandado por Erry-G resgata o elo entre as pick-ups, a batida Dub da Jamaica e a percussão africana. Apresentação ressalta importância dos discos de vinil e a luta para manter única fábrica brasileira que os produz
16 de fevereiro de 2008

Pirapora, onde pulsa o samba paulista
Aqui, romeiros e sambistas, devotos e profanos lançaram sementes para o carnaval de rua, num fenômeno que entusiasmou Mário de Andrade. Aqui, o samba dos mestres (como Osvaldinho da Cuíca) vibra, e animará quatro dias de folia. Aqui, a 45 minutos do centro da metrópole
2 de fevereiro de 2008

São Paulo, 454: a periferia toma conta
Em vez de voltar ao Mercadão, conheça este ano, na festa da cidade, Espaço Maloca, Biblioteca Suburbano Convicto, Buteco do Timaia. Delicie-se no Panelafro, Saboeiro, Bar do Binho. Ignorada pela mídia, a parte de Sampa onde estão 63% dos habitantes é um mundo cultural rico, diverso e vibrante
24 de janeiro de 2008

Faça você mesmo!
Por meio da cultura, jovens das periferias brasileiras fazem uma revolução. Um panorama da produção independente nas quebradas das metrópoles: como a arte criada fora da indústria cultural subverte a mercantilização e controle do conhecimento, marca do capitalismo
14 de janeiro de 2008

2007: a profecia se fez como previsto
Há uma década, os Racionais lançavam Sobrevivendo no Inferno, seu CD-Manifesto. O rap vale mais que uma metralhadora. Os quatro pretos periféricos demarcaram um território, mostrando que as quebradas são capazes de inverter o jogo, e o ácido da poesia pode corroer o sistema
29 de dezembro de 2007

No meio de uma gente tão modesta
Milhares de pessoas reúnem-se todas as semanas nas quebradas, em torno das rodas de samba. Filho da dor, mas pai do prazer, o ritmo é o manto simbólico que anima as comunidades a valorizar o que são, multiplica pertencimentos e sugere ser livre como uma pipa nos céus da perifa
30 de novembro de 2007

A dor e a delícia de ser negro
Dia da Consciência Negra desencadeia, em São Paulo, semana completa de manifestações artísticas. Nosso roteiro destaca parte da programação, que se repete em muitas outras cidades e volta a realçar emergência, diversidade e brilho da cultura periférica
19 de novembro de 2007

Onde mora a poesia
Invariavelmente realizados em botecos, os saraus da periferia são despojados de requintes. Mas são muito rigorosos quanto aos rituais de pertencimento e ao acolhimento. Enganam-se aqueles que vêem esses encontros como algo furtivo e desprovido de rigores
13 de novembro de 2007

Todos os dias da Semana
Programação completa da Semana de Arte Moderna da Periferia
2 de novembro de 2007

O biscoito fino das quebradas
Semana de Arte Moderna da Periferia começa dia 4, em São Paulo. Programa desmente estereótipos que reduzem favela a violência, e revela produção cultural refinada, não-panfletária, capaz questionar a injustiça com a arma aguda da criação
2 de novembro de 2007

A arte que liberta não pode vir da mão que escraviza
Vem aí Semana de Arte Moderna da Periferia. Iniciativa recupera radicalidade de 1922 e da Tropicália, mas afirma, além disso, Brasil que já não se espelha nas elites, nem aceita ser subalterno a elas. Diplô abre coluna quinzenal sobre cultura periférica
17 de outubro de 2007

 

 

 

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Antonio Eleilson Leite

Antonio Eleilson Leite é historiador, programador cultural, mestrando no Programa Estudos Culturais da EACH/USP, coordenador do Programa de Cultura da ONG Ação Educativa, diretor editorial da Coleção Literatura Periférica, da Global Editora. É coordenador geral do Encontro Estéticas das Periferias e da Agenda Cultural da Periferia.