Caranguejo Overdrive atualiza Estética da Lama

150721_Caranguejo-Overdrive-25,medium_large.1421082351
Inspirada tanto em Josué de Castro quanto no Mangue Beat, peça da nova dramaturgia carioca expressa tragédia das vítimas da História — os que “acachapam-se como caranguejos para poder sobreviver”

Por Wagner Correa de Araujo | Imagem Elisa Mendes


MAIS:
Caranguejo Overdrive está em cartaz no Rio de Janeiro apenas até 16/8
De sexta a domingo, às 21h, no Espaço Sesc Mezanino.
Rua Domingos Ferreira, 160 — Copacabana — Metrô Siqueira Campos (mapa) — Fone: 2547.0156

No prólogo de seu único livro de ficção, o cientista Josué de Castro afirma, convicto – “No mangue, tudo é, foi ou será caranguejo, inclusive o homem e a lama”. Tais palavras, de dolorosa acidez, inspirariam um dos mais surpreendentes textos da nova dramaturgia carioca – Caranguejo Overdrive, de Pedro Kosovsky.

A partir desse mote de carga metonímica, o enredo teatral faz uma incisiva incursão histórica, social e política, num tema com transmutação conceitual em duas épocas. O engajamento não voluntário na Guerra do Paraguai de um miserável habitante do Mangue, decadente zona do Rio capital imperial, acaba conduzindo-o ao delírio mental.

Sujeito a toda insensatez da precária e cruel realidade do front brasileiro, de sanguinária justificativa no polêmico ideário de guerra patriótica, o soldado Cosme (Matheus Macena) retorna, doente, à sua cidade de origem. E o seu reencontro com o Mangue, em obras, acelera seu estado psicótico, da lama para a lama, atolado de corpo e alma.

TEXTO-MEIO

A multiplicidade de elementos estéticos que confluem na arquitetura cênica e dramatúrgica dessa montagem alcança, na impactante concepção cênica e comando de Marco André Nunes, uma enérgica densidade performática capaz de não deixar incólumes corações e mentes, palco e plateia.

Aqui convergem efusivas declamações poéticas, amplificadas na narrativa comportamental de uma cidade violentada. Com a plasticidade visual da instalação realística (areia, lama e caranguejos), ressaltada por uma luz de sombras (Renato Machado) e pela visceralidade da trilha/tributo ao Mangue Beat (executada ao vivo por Felipe Storino, Maurício Chiari e P. Kosovski).

A alternância dos personagens impressiona pela coesão expressiva e vitalidade física do desempenho (Matheus Macena, Eduardo Speroni, Alex Nader, Felippe Marques, Carolina Virguez), atingindo sua culminância no desafio dos limites da resistência corporal, na simbológica escultura, viva e enlameada, do homem/caranguejo.

Na pluralidade de suas linguagens artísticas, Caranguejo Overdrive deixa, ao final, com sua estética da lama, entre a sujeira e a miséria, o consistente dimensionamento de um “work in progress”, capaz de reflexiva e fértil provocação.

Desdobrando-se, ainda, no referencial filosófico e ideológico do metafórico conceito de Josué de Castro:

“Cedo me dei conta desse estranho mimetismo: os homens se assemelhando em tudo aos caranguejos. Arrastando-se, acachapando-se como caranguejos para poderem sobreviver”.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Wagner Correa de Araújo

Jornalista especializado em cultura, roteirista, diretor de televisão, crítico de artes cênicas. Dirigiu os documentários "O Grande Circo Místico" e "Balé Teatro Guaíra 30 Anos" . Participou como critico e jurado de festivais de dança e cinema, no Brasil e na Europa.