Dossiê: a Grécia ensaia ser rebelde

Quatro textos sobre país que assombra oligarquia financeira. No primeiro, raio-X da eleição que pode mudar futuro da União Europeia

Por Antonio Barbosa Filho, correspondente na Europa

DELFT (Holanda) – Os meios políticos e financeiros da Europa respiram ao ritmo das pesquisas pré-eleitorais na Grécia. Prendem o fôlego quando as preferências favorecem a coalizão de esquerda Syriza. Voltam a respirar quando os levantamentos dão o favoritismo para a centro-diretista Nova Democracia, seguida do centro-esquerdista Pasok – os dois grandes partidos que desejam o cumprimento do doloroso acordo de “ajuda” ao país pela União Europeia, Banco Central Europeu e FMI, com o consequente corte de direitos sociais e serviços públicos.

Cinco pesquisas realizadas no domingo, 26 de maio, davam vantagem à Nova Democracia, e com isso as bolsas europeias tiveram ligeira euforia. Porém, as diferenças apontadas são muito estreitas para tranquilizar os “mercados” e os políticos responsáveis pela gestão da crise. Segundo os cinco institutos indicaram em diferentes levantamentos, a Nova Democracia teria, caso a eleição fosse agora, entre 25.6 e 27.7% dos votos; o Syriza ficaria entre 20.1 e 26%. Ou seja, muita coisa pode acontecer nas três semanas que restam de campanha até o pleito de 17 de junho.

A conservadora Nova Democracia usa a tática de assustar o eleitorado grego: se o novo governo romper unilateralmente os acordos com a troika “A Grécia ficará muitos anos isolada… Não haverá comida, nem remédios, nem combustíveis. Vamos conviver com frequentes cortes de energia”, ameaça o líder Antonio Samaras. A Syriza responde que a manutenção dos termos draconianos dos acordos é que traz a miséria, o desemprego, cortes nas aposentadorias e salários, degradação dos serviços públicos e fechamento de empresas. Grupo que mais cresceu nas eleições de 6 de maio, a Syriza acha que o país deve continuar no euro (82% dos gregos pensam o mesmo, variando as opiniões sobre os custos toleráveis desta opção), mas deve “negociar duro” com a UE para revisar os termos da mal-chamada “austeridade”.

TEXTO-MEIO

O eleitorado grego não sofre apenas as pressões dos partidos que defendem o cumprimento dos compromissos assumidos com a troika – o que significa arcar com sacrifícios que já duram dois anos e não têm prazo para terminar. Há também as pressões e humilhações que partem do resto da Europa, especialmente da Alemanha, país mais rico e cuja população considera que já “ajudou” demais a Grécia.

O governo da primeira-ministra Angela Merkel não deixa escapar as oportunidades de cobrar da Grécia a obediência às implacáveis regras impostas pela troika. Num dia, o ministro do interior afirma que os alemães “não estamos dispostos a por mais dinheiro num saco sem fundo”. Noutro, a imprensa obtém um plano “secreto” de Merkel para aplicar na Grécia o mesmo programa que foi imposto à Alemanha Oriental na reunificação dos anos 90: privatização de tudo que seja estatal, menor proteção ao trabalhador e abertura total ao investidor estrangeiro por meio de isenções e facilidades de todo tipo. O que este plano esconde é que ao mesmo tempo em que se aplicavam tais medidas de liberalização da economia, na parte Leste da Alemanha, a parte Oeste destinava recursos a fundo perdido sob a forma de um “imposto de solidariedade” pago pela metade mais rica. Foi isso que permitiu a elevação do padrão de vida e da economia ex-comunista aos níveis da Alemanha capitalista. A unificação custou caro para ambos os lados do antigo Muro.

Estaria a Alemanha de hoje disposta a enviar recursos para a Grécia e outros países endividados da Europa, como fez com a sua metade mais pobre? É claro que não, segundo repete o governo Merkel e constatam dezenas de pesquisas de opinião pública. Portanto, do seu “plano” para salvar a Grécia só restam as medidas punitivas e liberalizantes – e a dose que já foi aplicada levou  à redução da economia grega em 20%, só no último ano.

Um artigo na revista inglesa The Observer, de 27 de maio último, resume a questão: “A Alemanha esteve tranquilamente auferindo lucros de sua participação na moeda-comum na última década, e agora terá que decidir se vale a pena pagar um ‘imposto-solidariedade’ em escala continental. Com mais três semanas até a eleição na Grécia, e com algumas pesquisas de opinião sugerindo que a anti-austeridade Syriza pode vencer no voto popular, é tempo de decisão em Berlim, tanto quanto em Atenas”.

A Alemanha não pode esquecer que sua economia é pujante porque teve o mercado europeu aberto às suas exportações. Caso os países em crise (como Irlanda, Grécia, Portugal, Espanha e, quem sabe, até a Itália) deixassem o euro e voltassem a suas moedas, estas seriam muito desvalorizadas em relação à moeda-única. Com isso, esses países teriam muito menos dinheiro para importar bens alemães. Ao mesmo tempo, poderiam exportar seus produtos a um preço menor, concorrendo com a Alemanha em mercados importantes como os Estados Unidos e os países emergentes da Ásia. Em síntese: a arrogância da senhora Merkel implica grandes riscos para sua hoje rica Alemanha, numa eventual Europa esvaziada de alguns parceiros no euro.

Às pressões da Alemanha, somam-se as do FMI, cuja diretora-geral teve que pedir desculpas pelo tom agressivo que usou em recente entrevista ao Guardian, de Londres, quando afirmou  que os gregos podem ajudar a si mesmos “se pagarem seus impostos”. Perguntada sobre como vê o sofrimento de mães gregas diante do sacrifício de seus filhos e a falta de medicamentos de uso constante nos hospitais, a burocrata respondeu: “Penso mais nas crianças de uma escola numa pequena aldeia da Nigéria, que têm duas horas de aula por dia, precisam dividir uma carteira escolar entre três alunos, e  lutam para obter Educação. Eu as tenho na minha mente o tempo todo. Porque elas precisam muito mais de ajuda do que o povo de Atenas”.

Depois de dizer que os gregos não devem esperar “simpatia” do FMI, e que na Grécia há muita gente tentando se evadir dos impostos, Lagarde recebeu inúmeras respostas indignadas pelo Facebook e redes sociais. Uma delas indagava: “Já passou pela sua cabeça que (não pagamos impostos porque) simplesmente não temos mais dinheiro?” A arrecadação de impostos na Grécia caiu em um terço no período de apenas um ano.

A infeliz declaração da diretora-geral do FMI mereceu outra resposta dura do líder da Syriza, Alexis Tsipras: “A última coisa que buscamos para a Grécia é a simpatia do FMI. Os trabalhadores gregos pagam impostos insuportáveis. Sobre a sonegação fiscal, ela deveria pedir ao Pasok e à Nova Democracia que lhe explicassem porque não tocaram nas grandes fortunas, e apenas arrocharam os trabalhadores mais simples por dois anos”.

Antonio Barbosa Filho é jornalista e escritor, autor de A Bolívia de Evo Morales e A Imprensa x Lula – golpe ou sangramento? (All Print Editora). Em viagem pela Europa, acompanha as consequências da crise financeira pós-2008 e da onda corte de direitos sociais (‘políticas de austeridade’) iniciada em 2010

> Edições anteriores da coluna:

A Europa evitará o abismo?
Nova reunião do Conselho Europeu pode rever, nesta quarta-feira, políticas que estão devastando continente. Mas François Hollande enfrentará Angela Merkel?

Um recuo na trajetória de Angela Merkel?
Humilhada nas eleições do Estado alemão mais populoso, chanceler saberá rever pressão por corte dos direitos sociais em toda Europa?

Estranha “democracia” onde povo não decide
Em Portugal, cresce amarga sensação de que sonho europeu vai desfazer-se e “modernidade” revelou-se ficção tolhida pelas finanças

Portugal: a “austeridade” faz mal à Saúde
Atingido por corte de verbas, cobrança por serviços e redução dos salários dos servidores, setor enfrenta revolta da população desassistida

Festa num país dividido
Comemoração da Revolução dos Cravos, em Portugal, escancarou o descompasso entre discurso oficial e sentimento popular: tensão está no ar

Portugal lembra os cravos com saudades
Há 38 anos, revolução varria ditadura salazarista prometendo liberdade e vida digna. Agora, crise e decadência reacendem desejo de mudanças

O que foi a Revolução Portuguesa
Disparada por uma canção, liderada por jovens militares, ela conquistou sociedade, radicalizou-se e depois sucumbiu, em quatro décadas de diluição

Europa: a face desumana da crise
Em Portugal, aumentam suicídios e criminalidade. Tecnocrata descobre que culpados pelo desemprego são… os demitidos. Polícia alarma-se com protestos

Portugal, um ano nas mãos da troika
Direita no poder, demissões, restaurantes vazios, moradores de rua. Retratos de um país rendido (por enquanto…) à ditadura das finanças

Da Grécia à América Latina: as dívidas
Seria benéfico à Europa entender como Argentina e Equador enfrentaram seus credores em passado recente. Existem alternativas aos “pacotes de austeridade”

Europa: até a prostituição em crise
Empobrecimento no Leste multiplica casos de tráfico de mulheres, levando violência até a países onde profissão foi regulamentada, como Holanda

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Antonio Barbosa Filho

Jornalista e escritor, autor de A Bolívia de Evo Morales e A Imprensa x Lula – golpe ou sangramento? (All Print Editora). Em viagem pela Europa, acompanha as consequências da crise financeira pós-2008 e da onda corte de direitos sociais (‘políticas de austeridade’) iniciada em 2010