Do Comum a uma rede global de “comuneiros”

Comunes02

Equipe e convidados do Comunes na abertura do evento. Foto: Divulgação Comunes

Conhecimento livre. Segurança alimentar. Casas coletivas. Economias futuras. Encontro em Buenos Aires expõe difusão, na América Latina, da produção baseda em lógicas pós-capitalistas

Por Rodrigo Savazoni

Cheguei em Buenos Aires no dia da abertura do segundo Comunes – Encontro Internacional de Economias Colaborativas e Cultura Livre. Queria ter participado da edição do ano passado mas por problemas de agenda não foi possível. Este ano cheguei como convidado da organização, para falar em várias mesas, inclusive na abertura. Comunes é uma construção especial, uma iniciativa do Instituto Goethe de Buenos Aires com Adriana Benzaquen, produtora e articuladora cultural da Cultura Senda, a mais portenha das venezuelas, e Marcela Basch, jornalista da produtora de economia colaborativa El Plan C, em parceria com o Centro Cultural de la Cooperación Floreal Gorini e o Club Cultural Matienzo.

Obviamente, no entanto, para ser realizado, conta com uma vasta equipe de colaboradores, de todo o continente sul-americano. Pessoas e iniciativas que são um sopro de renovação no cenário político-cultural atual e que nos enchem de esperança.

Poucas vezes estive em um espaço tão potente e coerente com sua proposta, como neste Comunes. Vejamos os motivos dessa minha afirmação. O encontro ocorre no CCC e no Club Cultural Matienzo. O CCC é um centro cultural criado pelos cooperativistas argentinos, que administram um banco cooperativo que é uma potência que estimula a economia a partir dos trabalhadores. Esse centro cultural também mantém uma equipe de pesquisadores independentes e estímula inúmeros projetos alternativos. O Matienzo é um centro cultural independente, com espaço para shows, festas, uma rádio comunitária e ambientes que promovem a colaboração e a partilha de conhecimento. Hoje, é um verdadeiro epicentro de quem está buscando viver e produzir de outras maneiras em Buenos Aires. Sobretudo para os grupos artísticos e culturais.

A hospedagem ficou a cargo do Bauen, um hotel nas imediações da Avenida Corrientes que desde a crise de 2001 na Argentina é administrado pelos próprios trabalhadores. O Bauen já teve períodos melhores. Atualmente, a cooperativa luta contra uma ordem de despejo movida pelos antigos proprietários, que querem reassumir o imóvel mesmo tendo sido ele financiado por meio de crédito público jamais pago – não à toa foi à falẽncia. Estar ali, porém, hospedado por uma cooperativa, tem um valor enorme quando pensamos em alternativas econômicas e culturais para o mundo atual. Mais uma medida coerente da organização e que muito me agradou.

Participei de várias atividades ao longo dos dias. A maior parte delas como palestrante. Comecei minhas intervenções na noite de abertura, quando sete pessoas se apresentaram. Valentin Thurn, documentarista alemão, falou sobre segurança alimentar, a partir de seu trabalho como documentarista. Ele tem um filme que investiga como alimentar a população de 10 bilhões de bocas que o planeta logo logo terá.

TEXTO-MEIO

Sophie Bloemen, holandesa que vive em Berlim, apresentou a The Commons Network, um think thank que tem atuado, sobretudo, para incidir sobre as políticas públicas da União Europeia e levar a pauta dos comuns até essa instância transnacional. Eles realizaram no ano passado a primeira assembleia dos comuns europeia, em Bruxelas, e este ano realizarão, em outubro, a segunda, em Madri. Um trabalho essencial, que vale conhecer.

Imagem de intervenção de Banksy, do parking ao parque, do estacionamento ao parque para nos divertirmos.

Claudio Ruiz, chileno, responsável internacional pelo Creative Commons, falou sobre a questão do conhecimento livre e da propriedade intelectual em uma internet cada vez mais concentrada, onde 85% da publicidade alimenta dois monopólios: Google e Facebook. Como levar nossas lutas adiante, neste contexto? Ele também compartilhou um pouco as novas perspectivas de atuação do Creative Commons em defesa da cultura livre.

Victoria Verrastro, da ProDerechos do Uruguai, compartilhou conosco um modelo de commons muito bacana: os clubes de plantio de maconha que estão surgindo a partir da lei de legalização aprovada há alguns anos. Esses clubes estão previstos na lei, e permitem a associação de pessoas para produzirem e compartilharem o resultado dessa produção. Uma iniciativa que ajuda não só a desmontar o modelo apenas privado de exploração desse enorme mercado, mas também alterar a cultura sobre o uso de psicoativos em nossa sociedade.

Marielle Ramires, do Fora do Eixo, compartilhou a experiência da rede político-cultural na articulação das Casas Coletivas e também na gestão da Mídia NINJA. Falou sobre a década ganhada, o período de construção de políticas públicas inclusivas no Brasil que se inicia com Lula e que de acordo com ela é a régua para as disputas vindouras.

Encontro NAVE vai ocorrer em Caracás em setembro de 2017

 

Maria Claudia Rossell, da Códigos Libres e Economias por Venir, tocou, a meu ver, em um dos temas mais importantes que temos a enfrentar nos próximos tempos, que é a mudança do paradigma econômico dominante. Ela está organizando, em Caracas, para setembro, um evento chamado NAVE: Nuevas Alternativas de Vida e Economia. A equipe do Comunalizar el Poder, formada exclusivamente por mulheres, está difundindo essa proposta e em busca de apoio para realizá-la. Vale ficar de olho e levar adiante, porque parece muito legal.

Eu encerrei as apresentações falando sobre Laboratórios Cidadãos e sobre a importância de repensarmos os conceitos que balizam nossa ação. Onde, afinal, estamos, no contexto atual. Minha defesa é que o comum é um caminho da transformação, mas não é uma seta em direção ao futuro. Ele é a nossa possibilidade de um outro presente, em que preservação e inovação se articulem para construir possibilidades alternativas de viver e produzir. Precisamos disputar o conceito de empreendedorismo e de criatividade, que hoje está na boca daqueles que querem seguir permanentemente renovando a carranca neoliberal do capitalismo.

Nos outros dois dias, tivemos uma vasta programação no CCC. E muitas conversas excelentes.

Para mim, foi muito bom conhecer pessoalmente Mariana Fossatti e Jorge Gemetto, uruguaios que tocam o Artica, centro cultural online. Sou um admirador do trabalho deles, e pudemos compartilhar nossas impressões sobre o momento atual. Não estamos em uma época fácil, obviamente, mas há de se ter esperança e seguir trabalhando pela transformação que queremos. Com Gemetto, participei de uma mesa sobre direitos de autor que basicamente demonstrou como este debate deixou de ser central nos últimos anos. Um debate que foi muito relevante – e que no caso do Brasil quase nos permitiu ter uma lei extremamente avançada de copyright. Mas não conseguimos.

Um encontro inesperado, mas muito produtivo foi com Soledad Giannetti, uma pesquisadora argentina que realizou uma oficina com o título de Micro Sistemas de Economia Colaborativa. Marília Guarita vai narrar melhor a experiência da oficina, em seu relato, mas o que me encantou escutar em minha reunião com Sole foi sua percepção clara de que precisamos entender a transição entre a forma de viver baseada na competição, esta que temos, para uma vida realmente colaborativa como algo pessoal. Ou seja, que a transição passa essencialmente pelas pessoas e suas escolhas. Assim, aprender a partilhar começa em nós, em nossos corpos e atitudes. Esse é um tema que muito me interessa e que pretendemos explorar muito mais dentro do Instituto Procomum.

Quero também destacar os diálogos contínuos com Mariano Fressolli, que é Doutor em Ciências Sociais pela Universidade de Buenos Aires e um dos grandes especialistas de nossa geração na temática de ciência e conhecimento aberto. Fressolli foi um dos editores de um dossiê sobre laboratórios cidadãos, ao lado do espanhol Antonio Lafuente, coordenador do Laboratorio del Procomún do MediaLab-Prado, e do pesquisador brasileiro e professor da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Henrique Parra. Com Fressolli, começamos um diálogo para pensar a realização de um laboratório cidadão em Buenos Aires no ano que vem, totalmente independente e baseado na produção de tecnologias do e para o comum.

A delegação brasileira contou com mais duas pessoas: Fernanda Danelon, do Instituto Guandu, que vem trabalhando com o reuso do lixo orgânico que se produz em São Paulo. O trabalho de Fernanda propõe um ciclo completo do “prato ao prato” e é extremamente inovador; e Tatjana Lorenz, assistente da diretora do Instituto Goethe, em São Paulo, que esteve compartilhando suas percepções sobre o tema dos comuns a partir do Brasil.

Foram mais de 40 atividades ao todo. Nelas se discutiu, entre outros temas, consumo, produção colaborativa, moedas sociais e criptomoedas (como a MonedaPAR), direitos autorais, cultura digital, financiamento de projetos com e sem dinheiro, mobilidade urbana compartilhada, livro e leitura, dados abertos, big data e o controle do conhecimento, ciência aberta, cultura livre, alimentação, socialismo, capitalismo, hortas urbanas, jardins coletivos, remix, reuso, economia circular, meio ambiente, empreendedorismo social, o papel dos governos em tudo isso, o papel das empresas em tudo isso, feminismo, bricolagem, fabricação digital, reparo de equipamentos, ao fim e ao cabo, como viver com todo esse barulho e neste mundo tão louco.

Uma das críticas que costumeiramente ouvimos é que os comuns são uma pauta muito ampla e abstrata. De fato, não é simples explicar o que estamos fazendo e querendo por meio da fragmentação. Porque quando falamos de comuns, estamos falando de um outro jeito de viver a vida, onde a hibridização é regra, o que consequentemente nos leva a atravessar o deserto da complexidade. Daí a importância de eventos como Comunes, que nos permitem nos ver e nos reconhecer como parte de um movimento – o movimento dos comuneiros. Eventos assim, vale destacar, também nos permitem dar concretude a ações e projetos que individualmente têm sua importância, mas quando vistos em conjunto apresentam um possível novo mundo. E desse possível novo mundo que nós queremos fazer parte.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Rodrigo Savazoni

Ativista da comunicação livre e distribuída, gosta de falar sério, do palmeiras, do mundo civilizado e da noite indisciplinada. Faz tudo o que faz com a certeza de que está escrevendo um poema.