Crise: o rugido da aristocracia financeira

Mudar o mundo não é um passeio: 2011 viveu radicalização do velho—ataque aos direitos e serviços públicos em benefício do 1%

Da Redação | Imagem: Antoon Van Dyck

O historiador Eric Hobsbawn enxerga a década de 1910 como um período raro em que o futuro estava “em aberto”. Muitas alternativas eram possíveis (e nenhuma certa…) num mundo marcado pelo declínio da hegemonia britânica, ascenso dos movimentos operários e do marxismo, emergência dos Estados Unidos e primeiros sinais do fascismo. É provável que, cem anos depois, uma nova época de incertezas esteja começando.

Porque, infelizmente, 2011 não foi apenas o ano em que se espalharam esperanças de humanização. Num contraponto, a oligarquia financeira exigiu, com radicalidade inédita, a conservação e ampliação de seus privilégios. Alguns governos – principalmente na Europa – tornaram-se ainda mais insensíveis aos direitos e desejos da maioria. No ambiente de exasperação, manifestaram-se sinais de xenofobia e fascismo.

A expressão concentrada dessa tendência foi uma crise financeira cujo epicentro é a Europa, mas que tem potencial de se espalhar pelo planeta. Sua causa básica é um conflito pela apropriação da riqueza coletiva. Uma minúscula minoria, suficientemente rica e poderosa para ditar o ritmo dos mercados financeiros, tornou-se capaz de exigir dos Estados o pagamento de juros trilionários. Como os governos (e a mídia) são cúmplices desta captura, as sociedades estão sendo forçadas a pagar a conta. Para arcar com os juros, cortam-se direitos (em especial, previdenciários), demite-se, desmantelam-se serviços públicos.

A sangria é grave a ponto de colocar países como Grécia, Irlanda, Portugal, Espanha e Itália à beira da insolvência. Se consumada, esta hipótese poderá levar, também, à quebra dos bancos credores e espalhar, em dominó, pânico e falências num sistema financeiro cada vez mais interligado. Este risco, que afetaria a produção em vastas partes do planeta, é um dos assuntos a acompanhar com atenção especial, em 2012.

TEXTO-MEIO

“Deem uma chance a Karl Marx!”
Consultor especial do maior banco suíço defende interpretações marxistas sobre a crise e propõe reversão completa das políticas de “austeridade”

Os banqueiros são os ditadores do Ocidente
Robert Fisk: jornalismo compactua com elite financeira—por quê? Primavera árabe, Occupy e indignados se assemelham pela luta contra as ditaduras

“Parem de mimar os super-ricos”
Mega-milionário global alerta: ao não tributarem grandes fortunas, em meio à crise, governos e parlamentos estão à beira da desmoralização

O custo intangível do fracasso europeu
Junto com trilhões de euros, desaparecerá o projeto coletivo de um continente que foi decisivo para criação dos estados nacionais e do capitalismo

Crise e o Brasil: as duas saídas de Dilma
A presidente fez um discurso corajoso em São Paulo. Mas o governo (ainda?) não caminha na direção de suas palavras

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.