Copa 2014: rumo ao futebol-mentira?


Em vez de valorizar relação única entre bola, arte e multidões, Brasil arrisca submeter-se a lógica que elitiza e apequena esporte

Por Irlan Simões | Imagem: Francisco Rebolo, Futebol (1936)

O jornalismo brasileiro sempre teve um exército de palpiteiros e comentaristas, que povoam todos os dias rádios, televisões, meios impressos e online. Ainda que pouco se possa esperar dessas “opiniões”, diante do grau de controle editorial dos meios, é cada vez mais surpreendente a incapacidade da mídia esportiva nacional para tratar com profundidade o futuro do futebol.

O Brasil que vive um momento de transformações estruturais em seu esporte mais popular. Os debates mais relevantes passam ao largo da mídia, tomada por analises táticas intermináveis e improdutivas, discussões rasas e geradoras de falsas polêmicas e o curioso “novo jornalismo humorístico-esportivo”, que prolifera em todos os meios.

À medida em que se aproxima a Copa do Mundo de 2014, aprofunda-se, ainda que de forma lenta e sutil, uma política de segurança e “modernização” cada vez mais rígida e segregadora. Ao invés de analisarmos o que acontece no futebol, buscaremos entender o que são as forças policiais no Brasil, o que significam e o que pretenderão, quando esse processo estiver concluído.

Para entendê-lo, é útil ter como parâmetro a realidade europeia, também dominada por uma concepção de combate “aos torcedores violentos”. Alguns setores da imprensa europeia – minoritários, mas fundamentais – vêm cumprindo papel importantíssimo na denúncia de certos absurdos. São iniciativas como o próprio Outras Palavras, que abre aqui esse canal de debates.

TEXTO-MEIO

Quem deseja o “novo futebol”?

O abuso da força e a falta de sintonia da ação policial com a realidade sócio-econômica brasileira nunca foi novidade. No futebol, é histórica a discussão sobre segurança em dias de jogos. Volta e meia, ela se reduz (de forma errônea, mas também proposital) ao controle repressão das torcidas organizadas.

Por isso, é preciso ir além da discussão pura e crua do pragmatismo que envolve a questão da “segurança”. Ainda mais no Brasil, marcado por uma cultura de controle social, imposição do poder e violência do Estado e grupos sociais dominantes. Estes valores são, em grande parte, estimulados, provocados e apoiados pela ampla maioria dos meios midiáticos esportivos.

A falta de uma discussão mais profunda e séria sobre o tema se deve a dois fatores primordiais: a conivência da mídia esportiva com o processo de mercantilização do futebol e, principalmente, a grande despolitização da discussão sobre o esporte.

Futebol-entretenimento e despolitização

O futebol não é mais o mesmo dos anos 1970, que se estruturava com imensos estádios e convidava as massas – incluindo os torcedores mais pobres, que ainda podiam pagar ingressos. Hoje, impera em todo o mundo a ideologia do futebol-entretenimento. Inclui grande promiscuidade entre os interesses dos cartolas, empresários de jogadores, patrocinadores de clubes e os das emissoras de TV – as grande detentoras dos direitos de imagem do futebol nacional (inclusive do seu, que pagou ingresso “prevendo” essas cláusulas). Os estádios já não podem acolher um público que se aproxime de 100 mil pagantes, número atingido diversas vezes no Brasil.

Essa visão “programática” de uma reestruturação do futebol teve na Europa seu pontapé inicial. O Brasil viverá, com a Copa do Mundo, o momento crucial: poderá aceitá-la ou não. A proposta é diminuir os estádios, reduzir sua capacidade e transformar o público assistente em telespectador. Basta ver como se dão as reformas dos estádios brasileiros: redução da capacidade em cerca de 20%; setorização e fim das áreas populares; desenvolvimento de novos serviços alheios ao esporte, como shows e espaços semelhantes aos de shopping centers; aumento do valor dos ingressos, como decorrência final das mudanças.

Tais transformações estruturais são apresentadas pela mídia esportiva como um grande passo para o futebol brasileiro, um avanço rumo à modernização do desporto nacional. Acontece que essa contradição traz requintes de crueldade: os setores populares, aqueles que estarão excluídos ao fim dessa reforma, são os primeiros a ser instigados a comemorar o novo momento.

O “maloqueiro-sofredor” do Corinthians terá, após a Copa do Mundo, a mesma dificuldade de assistir a um jogo no Itaquerão-Odebretch que o “mulambo” do Flamengo enfrentará, no futuro Maracanã-Gutierrez. Mas tais transformações são “naturalizadas”, como se fossem o único caminho possível.

Alguns jornalistas já declaram abertamente seu apoio ao novo modelo. É o caso de Alberto Helena Jr., comentarista do Arena SporTV, que conseguiu irritar inclusive colegas de profissão, ao dizer que : “A tendência natural é a grande massa vendo futebol pela TV e uma elite nos estádios”.

Em nenhum momento, a mídia esportiva brasileira procurou mostrar os efeitos deste retrocesso no futebol na Europa – principalmente em na sua menina-dos-olhos, a Premier League. Na Inglaterra o público assistente tem se limitado a homens com mais de 30 anos renda superior à grande maioria da população local.

Além de ser condicionado a comemorar sua própria exclusão dos estádios, o brasileiro de baixa-renda não é informado de que ele próprio está financiando esse projeto. Em matéria para o portal UOL, o jornalista Vinícius Kochinski reportou que dez estádios, dos doze escolhidos para sedes da Copa do Mundo, já estão cotados para ter administrações privadas. Isso, apesar de 97% dos recursos aplicados nesses estádios provirem do governo federal, através de mega-empréstimos concedidos pelo BNDES.

A “naturalização” dessas mudanças e a confusão entre os interesses dos torcedores e o de quem lucra com esse “novo futebol” são, antes de tudo, consequências da despolitização do tema. Essa dissociação é mais facilmente operada quando, em caso de confronto entre integrantes de torcidas organizadas, o tema é tratado – e repercute intensamente, em todas as seções dos jornais e noticiários – como “caso de polícia”.

A própria concepção de entretenimento já caracteriza os fins desse projeto de futebol. Entretenimento é aquilo que distrai, que espairece e desvia a atenção. O futebol, deslocado do processo de embates políticos, torna-se mero objeto de manipulação.

Na próxima semana, veremos como esta concepção está sendo implantada agora, e quais os possíveis caminhos para resistir a ele e superá-la.

 
*Irlan Simões
 é estudante de Comunicação Social e torcedor do Esporte Clube Vitória. Atua no Movimento Somos Mais Vitória, na Associação Nacional dos Torcedores, na Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social e acha que o futebol deve ser jogador pela ala esquerda.

> Edições anteriores da coluna:

Triste submissão do futebol nordestino
Por que região, com imensas torcidas e passado de grandes torneios, conforma-se com disputas medíocres e submete-se ao eixo Rio-SP

A Frente Parlamentar do futebol-negócio
Enfraquecida após queda de Ricardo Teixeira, “Bancada da Bola” busca reeguer-se. Clubes ainda sustentam farra dos cartolas. Torcedores devem mobilizar-se

Por que o futebol-negócio quer proibir as torcidas
Por trás do “combate à violência” há tentativa de elitizar estádios, afastando torcedores pobre – os novos “indesejáveis”

Futebol, esperança reacesa
Este craque excepcional, talvez o melhor de todos os tempos, sabe: esporte só tem sentido quando vai além da mercadoria

CBF: Para que tudo continue como está
Por trás da renúncia de Ricardo Teixeira há projeto de “afastar” dirigente incômodo e consolidar a mercantilização do futebol brasileiro

Os corvos da primavera árabe e a bola
Para buscar prestígio e lavar dinheiro, governantes de países sem tradição futebolística estão entre os maiores investidores globais no esporte

Seleção, interesses e declínio
Há fatores pouco debatidos por trás da queda do Brasil no ranking da FIFA e insucessos diante de grandes equipes

Em jogo ruim, bola dividida
Clubes europeus de futebol enfrentam FIFA/UEFA, numa disputa que pode mudar campeonatos, mas arrisca reduzi-los ainda mais a mero negócio

O mito do torcedor violento
Pesquisas sustentam: demonizar torcidas organizadas é parte da elitização do futebol e visa limitar pobres à TV

Por trás do jogador-empresa
Atletas-showmen têm conquistado nova relação com os clubes. Mas a nova lógica impõe condições desumanas para 96% dos profissionais

Resistências ao futebol-empresa
Marginalizados pela mercantilização do esporte, torcedores resgatam clubes e criam alternativas em todo o mundo. Tendência chegou ao Brasil

O engodo do futebol-empresa
O Vitória-BA descobriu que entregar seu destino a investidores pode ser mais desastroso que aceitar o domínio dos “cartolas”

Triste futebol da era Ronaldo
Ao encerrar sua carreira nos campos, craque que encantou torcidas vestiu figurino pesado do futebol-mercadoria: mega-lucros para poucos; jogo medíocre

Futebol além da Mercadoria
Para defender o esporte-arte e resgatá-lo do elitismo, manipulação e fetiche dos megaeventos, surge a Associação Nacional dos Torcedores

Por trás do jogador-empresa
Atletas-showmen têm conquistado nova relação com os clubes. Mas a nova lógica impõe condições desumanas para 96% dos profissionais

Resistências ao futebol-empresa
Marginalizados pela mercantilização do esporte, torcedores resgatam clubes e criam alternativas em todo o mundo. Tendência chegou ao Brasil

O engodo do futebol-empresa
O Vitória-BA descobriu que entregar seu destino a investidores pode ser mais desastroso que aceitar o domínio dos “cartolas”…

Triste futebol da era Ronaldo
Ao encerrar sua carreira nos campos, craque que encantou torcidas vestiu figurino pesado do futebol-mercadoria: mega-lucros para poucos; jogo medíocre

Futebol além da Mercadoria
Para defender o esporte-arte e resgatá-lo do elitismo, manipulação e fetiche dos megaeventos, surge a Associação Nacional dos Torcedores

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Irlan Simões

Irlan Simões é jornalista, orgulhosamente nordestino, escreve para a coluna Futebol Além da Mercadoria. Também colabora com a Revista Rever.