Boaventura: vários modos de resistir à ditadura financeira

150305_austeridade Portugal4

Na Grécia e Espanha, surgiram partidos-movimento. Em Portugal, socialistas rebelados podem vencer eleições. Como o sistema procura cooptá-los? Qual o antídoto?

Por Boaventura de Sousa Santos

Os países do sul da Europa sofrem ameaças semelhantes e enfrentam desafios comuns, mas os contextos em que terão de lidar com umas e com outros variam de país para país. A maior ameaça é a “austeridade” sem fim, o bem-estar convertido em luxo de poucos, a indignidade e a precariedade impostas a maiorias cada vez maiores, a corrupção como modo normal de fazer política, a financeirização da vida, a democracia transformada num espantalho vazio agitado pelas bolsas de valores para intimidar cidadãos ainda não resignados. O desafio maior é encontrar uma saída que não seja um precipício.

Este é o maior desafio que as esquerdas enfrentam desde 1919. A grande dificuldade é esta: há um século, as esquerdas dividiram-se entre a opção socialista/comunista e a opção social-democrática; hoje, continuam divididas, apesar de não haver condições para nenhuma das opções. O que sempre as uniu foi a luta por uma sociedade mais justa e uma vida digna para as grandes maiorias. Sendo mais do que nunca urgente o objetivo que as une, será possível atenuar o que as divide?

Debruço-me sobre a opção que na Europa resistiu mais, a social-democracia proposta pelos partidos socialistas. Sendo certo que os partidos socialistas participam em cerca de metade dos governos da União Europeia (UE), como se explica que a ortodoxia neoliberal, ferozmente anti-social-democrática, domine tão amplamente? Sem dar demasiado peso ao atoleiro de mediocridade e de corrupção em que a política corrente se converteu, a razão reside em que há partidos social- democratas mas não há condições social-democráticas.

O drama é que a ausência de tais condições afeta tanto os partidos socialistas como os partidos à sua esquerda que aspiram a ser governo. Ou seja, todos estes partidos põem na agenda o ideário social-democrático: direitos sociais baseados em políticas públicas bem financiadas, na saúde, na educação e na segurança social; justiça fiscal, Estado democraticamente forte, justiça acessível, independente e eficaz. Assim sendo, o que une as esquerdas a curto prazo é a luta pela refundação das condições social-democráticas. Para isso, é urgente trazer o social e o popular para dentro do político como forma de defender este do assalto à mão armada pelos mercados por parte do capital financeiro. É aqui que os contextos divergem.

TEXTO-MEIO

Na Grécia, o Pasok está ferido de morte. O Syriza e o povo grego têm um crédito moral impressionante sobre os europeus do sul: um país periférico ousou negociar, em nome de um povo que não quer morrer de “austeridade”, em condições chocantemente desiguais. E prepara-se para fazê-lo sozinho durante meses e ainda por cima servindo de vacina contra o Podemos em Espanha e o Sinn Fein na Irlanda, os países onde a hidra financeira está focada. Na Espanha, o Podemos põe em causa a própria distinção convencional entre esquerda e direita, como forma de fazer emergir uma esquerda digna do nome. E provavelmente vai ter êxito.

Em Portugal, o PS pode ganhar as próximas eleições. Ao contrário do que acontece na Grécia e na Espanha, a esquerda não pode prescindir do PS nem o PS pode prescindir da esquerda. O secretário-geral do partido, António Costa apresentou na recente cúpula de The Economist em Cascais um documento importante sobre a criação das condições social-democráticas. Não surpreende que não tenha tido eco. A direita já pressentiu o perigo e aposta em neutralizar o PS em tudo o que o afaste dela. A estratégia é clara: converter a devastação social dos últimos anos num sucesso digno dos alemães; só dar visibilidade a António Costa em tudo o que faça do PS uma não alternativa. E o mais grave é que a direita está bem instalada dentro do PS, pronta para boicotar o secretário-geral.

Se este se der conta a tempo, deverá trazer o social para dentro do político; dizer sem equívocos que não quer homens dos mesmos negócios de sempre na presidência da República; não ter medo das palavras pátria e soberania quando o país é já um protetorado; dar espaço às esquerdas, para que todos lutem pelos votos dos portugueses ofendidos e maltratados por este governo, em vez de se comerem uns aos outros; mostrar com veemência que, ao contrário de muitos que ocupam altos cargos, é um político honesto.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos é doutor em sociologia do direito pela Universidade de Yale, professor catedrático da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, diretor dos Centro de Estudos Sociais e do Centro de Documentação 25 de Abril, e Coordenador Científico do Observatório Permanente da Justiça Portuguesa - todos da Universidade de Coimbra. Sua trajetória recente é marcada pela proximidade com os movimentos organizadores e participantes do Fórum Social Mundial e pela participação na coordenação de uma obra coletiva de pesquisa denominada Reinventar a Emancipação Social: Para Novos Manifestos.