Fragmentos istóricos — sem H

De onde saiu tamanha desgraça? Entre balas e valas, choro e chumbo, de frente ao mito rinchador, estamos sem mar (ou paz) à vista. No mais, nada presta. Quatro peças curtas sobre o horror mal-ajambrado que reina

Por Airton Paschoa, publicado originalmente em A Terra é Redonda | Imagem: Hieronymus Bosch, detalhe de Demônios alados (séc XVI)

Fragmentos X — Quatro peças curtas

paciência

só tamanho
e rebanho
e banho
de sangue

só bala
e vala
e sala
de IML

só chumbo
e choro
e adubo
de negro

só silêncio
e anuência
e ciência
de pá

istória

do herói sem caráter ao mito mau-caráter
do herói simpático ao mito hepático
do herói malandro ao mito miliquiano
do herói macumbeiro ao mito macambúzio
do herói que mente ao mito demente
do herói que brinca ao mito que rincha
do herói que ri ao mito que rói
do herói que preguiça ao mito que diz troça edestroça
do herói que diz graça ao mito que desgraça
do herói que discursa ao mito que desmata e diz mata
do herói de nossa gente ao mito de morta gente

[avesso aos navegantes]

Faço saber, a quantos interessar possa derrota, em glossário náutico-camoniano, que tamanho território (conquanto imenso e imerso) não desenvolveu saída pelo Pacífico.

Presta atenção

O governo não presta.
O país não presta.
A gente não presta.
A vida não presta.
A vista não presta.
O visto não presta.
O ouvido não presta.
O olvido não presta.
O covid-18 não presta.
O covid-16 não presta.
O coveiro não presta.
O vezeiro não presta.
O useiro não presta.
O usineiro não presta.
O açúcar não presta.
A cana não presta.
A caninha presta e não presta.
A cannabis não presta e presta.
A caneta não presta.
O caniço não presta.
O consumo não presta.
A prestação não presta.
O vendido não presta.
O vencido não presta.
O vencedor não presta.
A américa não presta.
O trumpstrume não presta.
O trumpestífero não presta.
O cadavérico não presta.
O cara médico não presta.
O remédio não presta.
O enredo não presta.
O enredor não presta.
A pandemia não presta.
O pão de mio presta.
O pânico não presta.
O tempo não presta.
A rede não presta.
O peixe não presta.
O poema não presta.
O post não presta.
O poste não presta.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Atenção!
A escola não presta.
A escol não presta.
A skol não presta.
Babar com moderação
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . não presta.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *