A partir do tema de um panelaço

Em tempos de coronavírus, uma Pasárgada teria saúde pública de qualidade e leitos para todos. Numa releitura do famoso poema de Manuel Bandeira, uma possível vida onde governantes não zombam da ameaça…

Vou-me embora para Cuba —
Seguirei o seu conselho–
Lá sou amiga do rei
Lá terei tratamento
No leito que escolherei

Aqui eu não sou feliz
A existência é uma aventura
o governo tão inconsequente
Que Joana a Louca da Espanha
Rainha e falsa demente
Fugiria em burro brabo
Se visse falar Eduardo
E outros tão celerados

Em Cuba se não tem tudo
Não tem a louca Damares
Obrigando à procriação
É outra civilização:
Não tem médico à direita
Tem pesquisa a dar com pau
Todo preto vai à escola
A ninguém falta mais dente
E o mar não tem como aqui
Tubarão petróleo e iate
Vou-me embora para lá

E quando eu estiver doente
Mas doente de não ter jeito
Lá sou amiga do rei
Você é amigo do rei
Sempre tem ventilador
Pra todo mundo há um leito
Vou-me embora para Cuba

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Um comentario para "A partir do tema de um panelaço"

  1. Woh I love your articles, saved to fav! .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *