ūüéôÔłŹ Renda B√°sica: as pr√≥ximas batalhas

Pandemia abriu caminho para primeiro passo, o aux√≠lio emergencial de R$ 600 — mas ampli√°-lo exigir√° intensa mobiliza√ß√£o. Porque ela amea√ßa, em √ļltima inst√Ęncia, o trabalho assalariado obrigat√≥rio, pilar da domina√ß√£o capitalista

[Acompanhe o Tibungo em seu tocador de podcast preferido]

David Deccache e Tatiana Roque em entrevista a Gabriela Leite, no Tibungo

Ontem de manh√£, Paulo Guedes confirmou que o Aux√≠lio Emergencial — os 600 reais destinados a trabalhadores informais para enfrentar a crise causada pela pandemia — ser√° prorrogado por mais dois meses. Uma vit√≥ria? Ainda √© cedo para saber. Como √© de costume no governo, n√ļmeros concretos n√£o foram divulgados, mas estima-se que ser√° de metade do valor inicial: 300 reais.

O Aux√≠lio Emergencial foi resultado de forte disputa, nas primeiras semanas ap√≥s a chegada da pandemia no Brasil. Com a crise econ√īmica iminente, uma ideia poderosa, que at√© ent√£o parecia ut√≥pica demais, ganhou grande for√ßa: a Renda B√°sica Cidad√£. Trata-se de um pagamento peri√≥dico em dinheiro entregue √† popula√ß√£o sem qualquer rela√ß√£o com emprego.

√Č preciso diferenciar: o Aux√≠lio Emergencial, feito apenas para a crise, n√£o √© a Renda B√°sica. A ideia desta √© remunerar permanentemente todos os cidad√£os, independente de terem ou n√£o trabalho, para garantir um m√≠nimo de dignidade de vida comum.

No entanto, a pandemia abriu espa√ßo para o debate sobre Renda B√°sica, e o Aux√≠lio Emergencial pode ser um primeiro passo nesse caminho. O debate ainda est√° em disputa, pois a crise sanit√°ria continua em curva ascendente, e cortar ou diminuir o aux√≠lio a essa altura poder√° ser catastr√≥fico. 

Para essa primeira parte do epis√≥dio de hoje, David Deccache, economista, assessor econ√īmico legislativo na C√Ęmara dos Deputados e autor de Outras Palavras, conta como come√ßou a disputa pelo Aux√≠lio Emergencial e em que p√© est√° o debate hoje, no Congresso.

E para discutir os aspectos políticos e práticos da Renda Básica, conversamos com Tatiana Roque, vice-presidente da Rede Brasileira de Renda Básica.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: