Líder do movimento estudantil chileno perde eleição

Gabriel Boric será o novo presidente da Federação de Estudantes do Chile; analista vê sinal de radicalização

Por João Paulo Charleaux, Opera Mundi

Camila Vallejo, o rosto mais conhecido e carismático do movimento estudantil chileno – que nos últimos sete meses abalou o governo de Sebastián Piñera com protestos, choques e greves – foi derrotada nesta terça-feira (06/12) na eleição para presidente da Fech (Federação de Estudantes da Universidade do Chile), a entidade mais importante do setor.

O resultado, publicado na madrugada de hoje, revela um desejo de radicalizar os protestos estudantis em 2012, já que a corrente vencedora, mais radical, rechaça a via parlamentar como espaço de resolução das demandas estudantis, de acordo com analistas ouvidos pelo Opera Mundi. O novo presidente, o estudante de Direito Gabriel Boric, falou em estabelecer alianças com outros movimentos sociais em 2012.

“Nossa proposta é construir novos setores políticos. A atual institucionalidade no Chile não tem largura para conter as demandas do movimento estudantil e nossa proposta será de confluir com diversos atores sociais. Não estamos dispostos a seguir delegando nossa vocação transformadora aos políticos de ontem. Chegamos para ficar”, disse Boric.

Oito listas concorreram na eleição, realizada na segunda e terça-feira. A lista vencedora, F, Criando Esquerda, recebeu 4.053 votos. A lista J, Esquerda Estudantil, de Camila Vallejo, terminou com 3.964, uma diferença de apenas 89 votos.

O sistema eleitoral adotado pela Fech, entretanto, prevê que o candidato mais votado da lista mais votada assuma a presidência. E o segundo candidato mais votado, de qualquer lista, assuma a vice-presidência. Assim, embora Camila tenha perdido a presidência, ficará com a vice-presidência da Fech.

Outros representantes de listas menos votadas também farão parte da direção do movimento, assumindo cargos de secretaria geral e comunicação, por exemplo. Nenhum candidato de direita conseguiu votos suficientes para compor a direção e pelo menos um anarquista, da lista I, conseguiu entrar.

O novo presidente [foto ao lado] expressou sua admiração por Camila e elogiou sua “entrega (à causa) a todo custo”. Boric é da região mais austral do Chile, Magalhães. Ele diz que quer liderar “um movimento que não mude apenas a educação, mas que mude o Chile”.

Comunista, Camila era a menos radical

A derrota de Camila, que é membro da Juventude Comunista, é vista pelo analista político chileno Nibaldo Mosciatti como uma opção dos estudantes pelo radicalismo. “De forma aproximada, podemos dizer que a eleição na Fech reproduziu um movimento parecido com o que ocorreu no Chile com a Unidade Popular (governo do presidente socialista Salvador Allende, deposto por um golpe de Estado em 1973)”, disse ao Opera Mundi. “Naquela época, os comunistas representavam a ala menos radical, a ala que defendia a via parlamentar como foro adequado para a resolução dos conflitos, da mesma forma que acontece agora. Mas os setores mais radicais, neste caso, os anarquistas, os autônomos e mesmo os socialistas não veem o parlamento nem a política formal como instâncias representativas”, completou.

Depois de sete meses de paralização dos estudantes, protestos e choques com a polícia, Camila e seu vice, Giorgio Jackson, vinham privilegiando a opção de trasladar o debate político sobre as demandas estudantis para o Parlamento, especialmente para os trabalhos das comissões de Orçamento e Educação, como forma de pôr um fim ao impasse. Mas os setores mais radicais consideram a opção uma derrota.

“Os mais radicais têm a característica de apostar fortemente no assembleismo permanente, na mobilização social abrangente. Falam muito sobre o descrédito dos partidos políticos e culpam o Partido Comunista, de Camila, por ter se aliado à Concertação (coalizão governista de centro-esquerda que governou o Chile nos últimos 20 anos e, do ponto de vista dos estudantes, não promoveu as mudanças necessárias na educação)”, disse Mosciatti.

O Chile terá eleições locais em 2012 e parlamentares e presidenciais em 2013. Camila é uma das três personalidades políticas mais bem avaliadas do Chile – atrás apenas da ex-presidente chilena, Michelle Bachelet, e do ministro dos Transportes do atual governo, Laurence Golbourne, visto como o responsável pela operação de resgate dos 33 mineiros presos em Atacama, em agosto de 2010, quando então era ministro da Mineração. Para alguns analistas, Camila poderia candidatar-se a deputada em 2013.

The following two tabs change content below.

Redação

O Outras Mídias é uma seleção de textos publicados nas mídias livres, que Outras Palavras republica. Suas sugestões podem ser enviada para [email protected]