A semana em que se brincou de Guerra Fria no Brasil

Era previsível: velha mídia instrumentalizou visita da cubana Yaoni Sanchez. Era previsível: pequenos grupos caíram na provocação…

Por Luís Nassif, em seu blog

130223-Escher

Era previsível: velha mídia instrumentalizou visita da cubana Yaoni Sanchez. Era previsível: pequenos grupos caíram na provocação…

Por Luís Nassif, em seu blog | Imagem: Maurits Escher

A visita da blogueira cubana Yoani Sanchéz ao Brasil, comprova: somos um país fantástico, o único do mundo livre que preserva suas tradições, sem medo do ridículo!

Parte do país está no século 21; há algumas manchas de século 19, nos rincões mais profundos. Mas a parte mais visível, a parte pública, está em plena… Guerra Fria. É como o japonês do Gordo e do Magro. Que ficou anos na trincheira, por não ter sido informado sobre o fim da Guerra.

É um regalo para os saudosistas, para os que cultivam a memória dos anos 60, o rock, a foto do Che.

***

Em outros tempos, o Departamento de Estado norte-americano bancava Svetlana Alliluyeva, a filha de Stalin que abjurou o comunismo e a Rússia. Vivia-se o auge da guerra fria e da disputa entre dois modelos políticos.

Agora, em pleno 2013 (!), na era da Internet e das comunicações, na era da globalização, vinte e tantos anos após a queda do Muro de Berlim, após o desmanche da União Soviética, o país da saudade e da nostalgia revive… a Guerra Fria. Em vez do patrocínio nobre do Departamento de Estado americano à filha do maior ditador soviético, a fina flor dos exilados cubanos bancando a blogueira cubana Yoani que não quer deixar a ilha.

O grande fantasma comunista são dois velhinhos em final de vida, em uma ilha distante, que não representa ameaça nem aos seus vizinhos de fronteira e só interessa aos cubanos de Miami e – lógico – à fina flor da intelectualidade midiática brasileira.

***

Monta-se um show formidavelmente ridículo, recorrendo a uma fórmula tão velha quanto andar para frente: provoca-se e, como dois e dois são quatro, atrai-se a ira de jovens radicais – sem nenhuma expressão política maior, a não ser colocar sua energia jovem para fora. Vinte jovens na faixa de vinte anos fazendo barulho. E, aí, senadores vetustos, colunistas indignados, comunicadores-humoristas alertam para o perigo da ditadura comunista, do fim da liberdade de expressão. Recria-se a velha guerra sem quartel do bem contra o mal na tenda espírita do Twitter

Daqui a pouco o fantasma do Padre Peyton ressurgirá em um perfil do Facebook, amaldiçoando os corruptos da terra com a fantasma da excomunhão.

***

Como lembrou Jair Fonseca, comentarista do meu blog: “na sociedade do espetáculo (a sociedade capitalista, segundo Debord) estamos em pleno reino do simulacro – a cópia da cópia, segundo Platão. Para Fredric Jameson, o pós-moderno é a lógica cultural do capitalismo tardio, com o retorno de fantasmagorias sob a forma da paródia e do pastiche. E não apenas na arte…”

***

No dia em que um historiador se debruçar sobre esses tempos loucos, não perceberá diferença entre os alucinados do Twitter e a velha mídia. Constatará que o grande personagem desses tempos de realidade virtual é o professor Hariovaldo. Trata-se de um personagem fictício, que tem um blog representante dos “homens de bem”. Comparando com outros colunistas, o historiador terá enorme dificuldade em separar a paródia do parodiado.

 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

8 comentários para "A semana em que se brincou de Guerra Fria no Brasil"

  1. Concordo com o Nassif: essa molecada que quer ser de esquerda não parece ter entrado em contato com a história dos movimentos populares, estudantis principalmente. Tá na cara que haveria provocação. O que fazer nessa hora? Deboche, desbunde, caricatura, sátira. E deixar os velhinhos the direita falando sozinhos. Simples assim. Não dariam tanto cartaz pra essa mistureba de Heloísa Helena com Marina Silva…

  2. Ora… se boa parte de nossa mídia e da direita são caricatos personagens de uma guerra fria, por outro lado, é injusto não considerar boa parte de nossa esquerda como um espectro patético desses mesmos anos.
    Não concordo e nem apóio a patrulha ideológica anti-Cuba, mas tampouco considero correto, um país vigiar e ou perseguir alguém que cometeu o crime de criticar o governo.

  3. Marconde disse:

    …um país vigiar ou perseguir alguém por cometer o crime de criticar o governo.Sintetiza tudo.Por favor, senhores, não defendam o indefensável.

  4. Davidoviski Maiakovski disse:

    …É evidente que a blogueira cubana Yoani Sanchez diz verdades sobre uma Cuba parada no tempo ( cuja vida dos irmãos Castro foram poupadas no fracassado golpe ao quartel de Moncada em 1953, pela igreja e outros grupos dominantes que viam em Fidel, um advogado, melhor administrador p/ os interesses norte-americanos e oligarquias locais, que um sargento pouco inteligente, Fulgêncio Batista, que ironia…), mas também é evidente que Yoani é apoiada por grupos que tem outros interesses na ilha, que não são os de melhorar a qualidade de vida dos habitantes da mesma. Por outro lado, Yoani sabe disso e provavelmente aceita os apoios, pois com eles pode fazer o que deseja sem grandes problemas. Mas pode ser que não, de qq. forma, a direita se aproveita aqui no Brasil para tirar a sua casquinha contra os irmãos Castro ( que já deveriam ter deixado o poder), e a esquerda "jovem", viaja na intolerância, vendo em Yoani um grande perigo ao governo cubano. Esquecem que além de serem usados, querem proibir o que é de mais emblemático em se tratando de liberdade: o direito de expressar a sua opinião, gostem dela ou não. Yoani faz um bom trabalho, tem interesses escusos? Não sabemos ainda, mas alguns grupos que a apoiam, com certeza, tem! De qualquer forma, Yoani tem o direito de se expressar livremente. Além do mais, uma convidada, seja do governo, de ongs, seja do sr. governador Alckmin, que desconhece o significado de Liberdade, democracia, livre expressão ( é só ver como ele trata os professores e pessoal de saúde the rede pública), ela merece todo o nosso respeito e o direito de falar aquilo que pensa e vê. Infelizmente, muito do que ela diz é verdade! E olha que não sou saudosista de uma Cuba Bordel dos Eua, mesmo porque sou realmente um homem de esquerda. Evidentemente, não de uma esquerda idiota e mal informada, além de sectarista e manipulável. Ser de esquerda é pensar em um mundo justo, livre, algo que os manifestantes ainda não entenderam. Davidovski Maiakovski.

  5. MCSP disse:

    Concordo com o Marconde. Manter o Assange preso porque ele mostra as arbitrariedades do governo americano é um absurdo que hoje só acontece no mundo capitalista.

  6. INTELIGENTE, FALA MUITO BEM ARTICULADA E DETERMINADA A SER PROMOVIDA PELOS eua. NADA FALOU SOBRE A OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO DE SEU PAIS PELA TROPAS PROVOCADORAS DOS EUA ao invadir TERRITÓRIOS ALHEIOS, AFIM DE PRATICAR ATROCIDADES HUMANAS COTRA OS "TERRORISTAS" INVENTADOS POR EUA pra exercer NOVO TIPO de COLONIZAÇÃO ideológica sobre o "MUNDO OCIDENTAL CRISTÃO" que hoje AMARGA ENORME CRISE PELOS ERROS COMETIDOS , EM DIFERENTES GESTÕES. bem DERROTADOS PELO VALENTE POVO DO vitnã. Tampouco emitiu opinião contra as guerras GENOCIDAS PRaTICADaS PELOS " VIZINHOS' poderosos e agressores que uasavam CUBA, COMO prostíbulo dos ricos americanos, donos consentidos, na época, da ILHA QUE FOI libertada dessa vergonha, por FIDEL CASTRO e seus bravos lutadores, Nada sobre DESDE O INICIO DA REVOLUÇÃO sobre o O BLOQUEIO ECONÔMICO COTRA O PRAGRESSO DO POVO CUBANO que acredito pagou os seus estudos ( dela) pra trair seu povo.

  7. Tácito disse:

    “O grande fantasma comunista são dois velhinhos em final de vida, em uma ilha distante, que não representa ameaça nem aos seus vizinhos de fronteira (…)” E quem são os “vizinhos de fronteira” de Cuba???!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *