Os números da hepatite B no mundo

A grande maioria das pessoas infectadas não recebem o diagnóstico de hepatite B. Tampouco tratamento.

Essa e outras notícias você confere na newsletter de hoje. Ela traz os temas mais importantes dos principais veículos nacionais e internacionais. Espia só.

(Quer se inscrever e receber de manhã cedinho por e-mail? Clique aqui)

Se inscreveu e não recebeu? Dá uma olhada na sua caixa de e-mail. A news tem ido parar na aba “promoções”.

HEPATITE B

Pesquisadores dos Estados Unidos estimam que quase 300 milhões de pessoas estavam infectadas pelo vírus da hepatite B no mundo em 2016 – sendo que nada menos do que 90% delas não foram diagnosticadas e só 5% receberam o tratamento adequado. O número é pior no caso de grávidas: apenas 1% das gestantes infectadas estavam recebendo tratamento para a doença. O estudo do Observatório Polaris da Fundação Centro para Análise de Doenças foi divulgado ontem e mostrou, ainda, que a prevalência da doença no mundo foi de 3,9%.

Por aqui, essa prevalência em 2016 foi melhor, de 0,4%. Isso significa 760 mil casos no Brasil, dos quais 28% foram diagnosticados e, destes, 12% receberam tratamento. Não há registros oficiais sobre mulheres grávidas que tenham recebido antivirais para evitar transmitir a doença para os fetos.

FEBRE AMARELA

O Parque Independência, endereço do museu do Ipiranga, em São Paulo, ficará fechado por 30 dias. Um sagui, infectado pelo vírus da febre amarela, foi encontrado morto na região. Com esta, já são 29 unidades interditadas na capital paulista por causa da doença.

E o Ministério da Saúde argentino informou na última sexta-feira (23) que sete pessoas importaram a febre amarela do Brasil. Seis moradores do país vizinho foram infectados em Ilha Grande (RJ) e um em Ouro Preto (MG). Duas vítimas morreram. Ninguém estava vacinado.

FALTA DE TRANSPARÊNCIA    

A Coca-Cola deixou de fora da lista em que divulga os artigos científicos financiados pela empresa 471 autores e 128 estudos. A descoberta é de David Stuckler (conhecido por debater os efeitos na saúde das políticas de austeridade) e dois parceiros de pesquisa e foi publicada na semana passada na Public Health Nutrition. João Peres reporta na Carta Capital que a fabricante de refrigerantes está sendo questionada desde 2015 por tentar desviar o foco da epidemia de obesidade para o tema da atividade física, através do financiamento de uma iniciativa científica chamada Rede Global de Balanço Energético. Depois disso, a empresa passou a divulgar uma lista de cientistas ligados a ela. “Demonstramos que mesmo depois de um importante passo adiante em transparência adotado pela empresa, ainda sabemos muito pouco sobre a real escala dos esforços de financiamento da Coca”, alertam os autores.

ESCÂNDALO À VISTA

O valproato, princípio ativo usado contra a epilepsia, pode ser a nova talidomida, diz o portal espanhol Hoy. É que famílias acusam que a falta de informação sobre o medicamento levou mulheres a fazerem uso durante a gravidez, causando má formações e atrasos cognitivos em seus filhos. Reunidos na Associação de Vítimas pela Síndrome do Ácido Valproico, criada na semana passada, asseguram que nem a Sanofi, fabricante do remédio, nem médicos, tampouco a vigilância sanitária do país jamais alertaram para os riscos de se tomar o remédio durante a gestação, conhecidos cientificamente desde os anos 1970. A Associação é inspirada em iniciativas criadas na França e na Grã-Bretanha, que já reúnem milhares de famílias.

MARCO-PASSO PARA EPILEPSIA

Em sua coluna na Folha, a neurocientista Suzana Herculano-Houzel fala sobre um marca-passo capaz de detectar uma crise convulsiva, que vem sendo usado há 10 anos em um estudo científico com bons resultados. A tecnologia, caracterizada como “revolucionária”, é capaz de produzir pulsos de eletricidade que neutralizam as crises. É também capaz de detectar quando a atividade cerebral chegou ‘quase lá’, o que gera modelos matemáticos mais eficientes em prever os ataques epiléticos.

SABER INSALUBRE

A saúde mental na pós-graduação é assunto da reportagem do El País. O último achado foi publicado Nature Biotechnology e mostra que os doutorandos estão seis vezes mais propensos a desenvolverem ansiedade e depressão do que a população em geral. Mas há outros estudos, que revelam, por exemplo, que quando se compara um doutorando com outros profissionais bem-formados em empregos competitivos, os primeiros sofrem com maior frequência com sintomas de deterioração mental. Um terceiro estudo, realizado com 3.659 estudantes belgas, trouxe os seguintes resultados: 41% se sentiam sob pressão constante, 30% estavam deprimidos ou infelizes e 16% se sentiam inúteis.

EM DEFESA DO CROSSFIT

E a prática esportiva campeã em lesões é o squash, quem diria. A Folha compilou alguns estudos que comparam modalidades com o objetivo de descobrir se o CrossFit, tipo de treino funcional cada vez popular nas cidades brasileiras, é perigoso. E descobriu que, além do squash, o futebol, o judô, o vôlei e até mesmo correr são atividades com mais riscos de lesionar o corpo. E a supervisão é fundamental: a chance de lesão dobra sem um profissional lá para corrigir movimentos errados.

ÚLTIMOS MOMENTOS

Daqui a pouco, Ricardo Barros aproveita seus últimos momentos no comando do Ministério da Saúde para anunciar a construção de um reator nuclear no país. O equipamento será usado para tratar o câncer. Trata-se de uma parceria para o desenvolvimento produtivo (conhecida pela sigla PDP) e, diz a assessoria de imprensa, outras PDPs serão divulgadas. O evento é às 9h e será transmitido ao vivo pelo Twitter e pelo Periscope.

ABORTO EM DEBATE

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, decidiu convocar uma audiência pública para discutir a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação. A interrupção da gravidez até o terceiro mês é tema de ação ajuizada pelo PSOL, que também pede a suspensão de medidas policiais e judiciais para profissionais de saúde que atuem nesses casos. A previsão é que a audiência aconteça em junho. Quem quiser participar, deve entrar em contato pelo e-mail [email protected] até o dia 25 de abril.

ERRATA

Um leitor atento percebeu que ontem, ao divulgar reportagem da Época sobre o pesquisador que forjou o conceito de alimentos ultraprocessados, o Outra Saúde confundiu Carlos Monteiro (USP) com Carlos Nobre – que estuda mudanças climáticas.

HEPATITE B

Pesquisadores dos Estados Unidos estimam que quase 300 milhões de pessoas estavam infectadas pelo vírus da hepatite B no mundo em 2016 – sendo que nada menos do que 90% delas não foram diagnosticadas e só 5% receberam o tratamento adequado. O número é pior no caso de grávidas: apenas 1% das gestantes infectadas estavam recebendo tratamento para a doença. O estudo do Observatório Polaris da Fundação Centro para Análise de Doenças foi divulgado ontem e mostrou, ainda, que a prevalência da doença no mundo foi de 3,9%.

Por aqui, essa prevalência em 2016 foi melhor, de 0,4%. Isso significa 760 mil casos no Brasil, dos quais 28% foram diagnosticados e, destes, 12% receberam tratamento. Não há registros oficiais sobre mulheres grávidas que tenham recebido antivirais para evitar transmitir a doença para os fetos.

FEBRE AMARELA

O Parque Independência, endereço do museu do Ipiranga, em São Paulo, ficará fechado por 30 dias. Um sagui, infectado pelo vírus da febre amarela, foi encontrado morto na região. Com esta, já são 29 unidades interditadas na capital paulista por causa da doença.

E o Ministério da Saúde argentino informou na última sexta-feira (23) que sete pessoas importaram a febre amarela do Brasil. Seis moradores do país vizinho foram infectados em Ilha Grande (RJ) e um em Ouro Preto (MG). Duas vítimas morreram. Ninguém estava vacinado.

FALTA DE TRANSPARÊNCIA    

A Coca-Cola deixou de fora da lista em que divulga os artigos científicos financiados pela empresa 471 autores e 128 estudos. A descoberta é de David Stuckler (conhecido por debater os efeitos na saúde das políticas de austeridade) e dois parceiros de pesquisa e foi publicada na semana passada na Public Health Nutrition. João Peres reporta na Carta Capital que a fabricante de refrigerantes está sendo questionada desde 2015 por tentar desviar o foco da epidemia de obesidade para o tema da atividade física, através do financiamento de uma iniciativa científica chamada Rede Global de Balanço Energético. Depois disso, a empresa passou a divulgar uma lista de cientistas ligados a ela. “Demonstramos que mesmo depois de um importante passo adiante em transparência adotado pela empresa, ainda sabemos muito pouco sobre a real escala dos esforços de financiamento da Coca”, alertam os autores.

ESCÂNDALO À VISTA

O valproato, princípio ativo usado contra a epilepsia, pode ser a nova talidomida, diz o portal espanhol Hoy. É que famílias acusam que a falta de informação sobre o medicamento levou mulheres a fazerem uso durante a gravidez, causando má formações e atrasos cognitivos em seus filhos. Reunidos na Associação de Vítimas pela Síndrome do Ácido Valproico, criada na semana passada, asseguram que nem a Sanofi, fabricante do remédio, nem médicos, tampouco a vigilância sanitária do país jamais alertaram para os riscos de se tomar o remédio durante a gestação, conhecidos cientificamente desde os anos 1970. A Associação é inspirada em iniciativas criadas na França e na Grã-Bretanha, que já reúnem milhares de famílias.

MARCO-PASSO PARA EPILEPSIA

Em sua coluna na Folha, a neurocientista Suzana Herculano-Houzel fala sobre um marca-passo capaz de detectar uma crise convulsiva, que vem sendo usado há 10 anos em um estudo científico com bons resultados. A tecnologia, caracterizada como “revolucionária”, é capaz de produzir pulsos de eletricidade que neutralizam as crises. É também capaz de detectar quando a atividade cerebral chegou ‘quase lá’, o que gera modelos matemáticos mais eficientes em prever os ataques epiléticos.

SABER INSALUBRE

A saúde mental na pós-graduação é assunto da reportagem do El País. O último achado foi publicado Nature Biotechnology e mostra que os doutorandos estão seis vezes mais propensos a desenvolverem ansiedade e depressão do que a população em geral. Mas há outros estudos, que revelam, por exemplo, que quando se compara um doutorando com outros profissionais bem-formados em empregos competitivos, os primeiros sofrem com maior frequência com sintomas de deterioração mental. Um terceiro estudo, realizado com 3.659 estudantes belgas, trouxe os seguintes resultados: 41% se sentiam sob pressão constante, 30% estavam deprimidos ou infelizes e 16% se sentiam inúteis.

EM DEFESA DO CROSSFIT

E a prática esportiva campeã em lesões é o squash, quem diria. A Folha compilou alguns estudos que comparam modalidades com o objetivo de descobrir se o CrossFit, tipo de treino funcional cada vez popular nas cidades brasileiras, é perigoso. E descobriu que, além do squash, o futebol, o judô, o vôlei e até mesmo correr são atividades com mais riscos de lesionar o corpo. E a supervisão é fundamental: a chance de lesão dobra sem um profissional lá para corrigir movimentos errados.

ÚLTIMOS MOMENTOS

Daqui a pouco, Ricardo Barros aproveita seus últimos momentos no comando do Ministério da Saúde para anunciar a construção de um reator nuclear no país. O equipamento será usado para tratar o câncer. Trata-se de uma parceria para o desenvolvimento produtivo (conhecida pela sigla PDP) e, diz a assessoria de imprensa, outras PDPs serão divulgadas. O evento é às 9h e será transmitido ao vivo pelo Twitter e pelo Periscope.

ABORTO EM DEBATE

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, decidiu convocar uma audiência pública para discutir a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação. A interrupção da gravidez até o terceiro mês é tema de ação ajuizada pelo PSOL, que também pede a suspensão de medidas policiais e judiciais para profissionais de saúde que atuem nesses casos. A previsão é que a audiência aconteça em junho. Quem quiser participar, deve entrar em contato pelo e-mail [email protected] até o dia 25 de abril.

ERRATA

Um leitor atento percebeu que ontem, ao divulgar reportagem da Época sobre o pesquisador que forjou o conceito de alimentos ultraprocessados, o Outra Saúde confundiu Carlos Monteiro (USP) com Carlos Nobre – que estuda mudanças climáticas.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos