Stranger Things nos bastidores da ciência da alimentação

Da pé pra Netflix: coisas estranhas rolam no universo científico até que a comida chegue ao seu prato

Entre 2015 e 2018, Alex Malaspina troca várias mensagens com interlocutores de universidades e de uma entidade “sem fins lucrativos” para combinar a “melhor forma” de abordar a médica chinesa Margaret Chan Fung Fu-chun, diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), na intenção de que ela mude a posição crítica em relação a produtos ultraprocessados altamente açucarados. Ele chega a sugerir táticas, tudo baseado em experiência própria, e nos abre o mapa das relações que correm soltas nas salas de jantar que recebem representantes da indústria, organizações de lobby e políticos profissionais quando o assunto é (deveria ser) saúde pública.

“Precisamos encontrar alguém, como um famoso cientista, e arranjar-lhe uma visita (a Margaret Chan). Jim Hill (James Hill) ou alguém de estatura semelhante, ou um cientista do governo dos EUA. Como presidente do ILSI, tive um almoço especial e produtivo com o ex-diretor-geral da OMS, Dr. Nakajima (o japonês Hiroshi Nakjima, morto em 2013), em 1995, em sua sala de jantar privada, na sede da OMS, em Genebra, para falar sobre o ILSI e como as duas organizações poderiam trabalhar uma com a outra. Em 1999, eu visitei a nova diretora-geral, Sra Brundtland (a norueguesa Gro Harlem Brundtland), em Genebra, quando a convidei, em nome do Fórum Econômico Mundial, para ir à reunião de Davos, de 1999, e ser a oradora principal do jantar especial Food Governors O então futuro presidente da Coca-Cola, Neville Isdell, compareceu ao jantar comigo. Em resumo, estou sugerindo que, coletivamente, devemos encontrar uma maneira de iniciar um diálogo com a Dra. Chen [SIC]. Se não, ela continuará a nos atacar com consequências negativas significativas em uma base global. Essa ameaça ao nosso negócio é séria”, alerta Malaspina.

É fato: hoje, Margaret Chan nem é mais a diretora-geral da OMS. Ela deixou o cargo em 2017, sendo substituída pelo etíope Tedros Adhanom. Mas não somos nós que queremos uma máquina do tempo para voltar ao passado. O homem que gostaria de imitar os truques de Tony Stark (alter ego do Homem de Ferro e personagem de Robert Downey Jr. em Vingadores: Ultimato, da Marvel/Disney) ou pegar um portal direto para o mundo invertido de Stranger Things, série da Netflix, é um influente personagem do mundo dos negócios.

Malaspina, grego de nascimento, mas morador dos Estados Unidos desde os 17 anos, atualmente está com bem vividos 87. Foi vice-presidente mundial da Coca-Cola e fundador do International Life Science Institute (Instituto Internacional de Ciências da Vida), em 1978, organização mantida atualmente por corporações transnacionais que vão da própria Coca, passando por Nestlé e Pfizer, até Bayer/Monsanto (é isso mesmo, açúcar, gordura, remédio e agrotóxico). Além disso, temos que reconhecer:  como o homem manda e-mails!

Que o digam Sarah Steele , Gary Ruskin, Lejla Sarcevic, Martin McKee e David Stuckler, que tiveram muita paciência. Leram dezessete mil cento e sessenta e três páginas de e-mails para limpar de vez o embaço de um antigo microscópio e enxergar dentre um emaranhado de conversas virtuais que objetivavam influenciar políticas públicas de saúde e fazer lobby disfarçado de ciência. Esse papo rolou solto entre acadêmicos de universidades dos Estados Unidos e membros da direção do International Life Science Institute. E Alex Malaspina era o cara. O mais ativo.

Todo esse esforço dos pesquisadores foi premiado: no último dia 2 de junho, um estudo saiu na revista Globalization and Health, com a análise desses milhares de conversas.

“Com pesquisas financiadas pelo ILSI que aparecem em muitos periódicos médicos de saúde pública, nutrição e de ciências gerais, acreditamos ser fundamental que nossos colegas possam avaliar rigorosamente essas realizações e financiamento de pesquisas, e se estão ou não engajados em lobby”, dizem os autores do estudo “Are industry-funded charities promoting advocacy-led studies or evidence-based science?: A case study of the International Life Sciences Institute” (em tradução livre, “As instituições sem fins lucrativos financiadas pela indústria promovem estudos guiados por lobby ou  ciência baseada em evidências? Um estudo de caso sobre o Instituto Internacional de Ciências da Vida”).

esmiuçamos as origens desse velho conhecido aqui do Joio, o ILSI. Porém, como eu disse, isso a gente já contou. Valorizemos quem merece. Afinal, analisar mais de 17 mil e-mails envolvendo esse assunto não é para qualquer um.

Convenhamos: a organização “sem fins lucrativos” é praticamente uma potência geopolítica. São dezoito as unidades espalhadas pelo planeta, ou com objetivos específicos ligados a temáticas na área da saúde, ou ocupando espaços geográficos estratégicos. Sim, é bom lembrar que o ILSI Brasil existe e trabalha forte, pertinho de você.

Pois é, o que a turma que se debruçou sobre os e-mails fez tem tudo a ver com o nosso quintal e, principalmente, com a nossa cozinha. Pesquisadores da Universidade de Cambridge, em Londres, Inglaterra, da Universidade de Bocconi, na Itália, e do US Right to Know (algo como Os Estados Unidos têm o Direito de Saber), dos EUA, Sarah, Gary, Lejla, Martin e David analisaram conversas feitas entre os anos de 2015 e 2018 e encontraram uma rede de nomes de peso ligados a empresas de comida-porcaria e a universidades estadunidenses, todos conversando afinadinhos para desenvolver globalmente “táticas para combater as políticas públicas de saúde relacionadas à redução do açúcar”.

Alex Malaspina range os dentes sempre que pode. Num dos e-mails flagrados, ele entrega que o lance do ILSI é mesmo proteger a indústria. Reagindo às novas diretrizes dietéticas dos EUA, ele escreveu à diretoria da entidade, incluindo a então diretora-executiva, Suzana Harris, em 2016:

“Caros Amigos, Essas diretrizes são um verdadeiro desastre! Elas poderiam eventualmente nos afetar significativamente, de várias maneiras. Tributação de refrigerantes, programas modificados de almoço escolar, um forte esforço educativo para educar crianças e adultos a limitar significativamente a ingestão de açúcar, restringir a publicidade de alimentos e bebidas açucaradas e, eventualmente, uma grande pressão para forçar a indústria a começar a reduzir drasticamente o açúcar que adicionamos a alimentos processados”.

Calma, que a coisa só piora.

“Oponentes” 

Sem titubear, os amigões das caixas de e-mails deixam claro que têm inimigos comuns a serem batidos. James Hill (aquele, considerado de “grande estatura” por Malaspina), diretor do Centro de Nutrição Humana da Universidade do Colorado, é um dos que não pensam duas vezes em botar lenha na fogueira. Na conversa, ele pede à indústria maior financiamento ao ILSI para “lidar agressivamente com essa questão” e avalia que, se as empresas mantiverem “a guarda baixa”, “nossos oponentes vencerão, e todos perderemos”, numa óbvia referência aos cientistas e instituições que trabalham para pesquisar e apontar os perigos das dietas baseadas em alimentos ultraprocessados.

Um autêntico leão atrás do teclado, Malaspina, em 2016, troca e-mails com Barbara Bowman, na época diretora da Divisão de Doenças Cardíacas e Prevenção de Derrames dos Estados Unidos, um braço do governo. Ele escancara a “necessidade” (da indústria) de fazer com que a OMS “comece a trabalhar novamente com o ILSI” (a OMS, ainda que discretamente, rompeu relações com o ILSI em 2015) e leve mais em consideração “mudanças no estilo de vida da população” do que alimentos açucarados no discurso e nas ações de combate à obesidade e às doenças crônicas não transmissíveis.

De quebra, ainda cita um dos homens mais ricos do mundo no rolo.

“Cara Barbara, você me deu algumas boas pistas. Eu gosto de especialmente ter o Sr. Bill Gates ajudando. Vou explorar essa ideia com Clyde (Clyde Tuggle, vice-presidente sênior da Coca-Cola à época)”.

Bill Gates, além do trilhardário dono da Microsoft é também criador da Fundação Bill e Melinda Gates e tem lá seus interesses em negócios de alimentação.

Nesse sentido, outra mensagem encontra apoio no professor Adam Drewnowski, diretor do Centro de Nutrição em Saúde Pública da Universidade de Washington, que respondeu: “Devemos começar com alguma questão em que o ILSI e a OMS estejam de acordo para ajudar a levá-la à mesa”, enfatizou o acadêmico.

Tem “família” e briga de “parentes”

As conversas digitais indicam que o ILSI segue trabalhando ativa e estrategicamente com outras entidades “sem fins lucrativos” financiadas pela indústria. Inclua-se aí o International Food Information Council (IFIC), uma “organização   de comunicação científica”.

“O IFIC é uma espécie de entidade irmã do ILSI”, explica o próprio Malaspina, noutro e-mail. “O ILSI gera os fatos científicos e o IFIC os comunica à mídia e ao público”, prossegue.

O “irmão” do ILSI, portanto, é parceiraço (não da sua saúde, leitor ou leitora, mas das finanças da indústria, para deixar bem claro). O conteúdo das mensagens reforça que o ILSI e o IFIC atuam combinados para combater políticas e posições consideradas desfavoráveis pelas corporações.

“Isso, enquanto promovem ciência favorável ao setor, sob uma fachada disfarçada, inclusive para a mídia”, enfatiza Sarah.

E até aquela briga escondida com parente, de que só a família sabe, rola nos e-mails. Num dos trechos das conversas, Malaspina considera, em 2015, a possibilidade de punir os próprios “filhos”, ou seja, as subsidiárias regionais do ILSI, se elas não promoverem o discurso favorável ao setor.

A correspondência eletrônica revela a intenção de suspender a filial no México, depois que a tributação específica de refrigerantes – em prática no país desde 2014 – foi debatida em uma conferência patrocinada pelo ILSI Research Foundation. Pouco depois das mensagens, a filial mexicana foi realmente suspensa, só sendo reconduzida ao “panteão” do ILSI em 2016, após “ajustes” na direção.

“Torna-se claro, a partir dos e-mails e encaminhamentos, que o ILSI é visto como fundamental para levar o conteúdo pró-indústria a organizações internacionais para apoiar abordagens que separem alimentos açucarados da obesidade”, acrescenta Sarah Steele.

Ao fim do trabalho, os cinco pesquisadores que se fartaram com as dezessete mil cento e sessenta e três páginas de e-mails (essa quantidade tinha que aparecer de novo antes do fim) ,concordam:

“A análise do ILSI serve como uma precaução para os envolvidos na governança de saúde global, para ter cuidado com grupos de pesquisa supostamente independentes e para praticar a devida diligência antes de confiar em estudos financiados”, concluem.

Como o estudo define o lobby?

Os pesquisadores demarcam bem a definição de lobby: “Entendemos como um grupo, organização, associação ou pessoa que tenta influenciar a ação governamental (incluindo ações executivas, legislativas, judiciais e regulatórias) para alcançar um resultado favorável. à sua agenda. Enquanto a Comissão Europeia prefere o termo “representação de interesses”, capturando um conjunto mais amplo de atividades destinadas a influenciar os decisores políticos e os processos de tomada de decisão, outras jurisdições, como os EUA, empregam frequentemente um conceito mais restrito de atividades diretas. Assim, a legislação dos EUA a respeito define como ‘relações de lobby e esforços em apoio a tais contatos, incluindo atividades de preparação e planejamento, pesquisa e outros trabalhos de fundo que pretende, no momento em que é realizado, o uso de contatos e a coordenação com as atividades de lobby de terceiros’”, destacam.

Para ficar de orelha em pé

As dezoito unidades do ILSI que, em coro, dizem promover “parcerias globais para um mundo mais saudável”, são: ILSI Research Foundation, ILSI – Instituto de Saúde e Meio Ambiente, ILSI Europa, ILSI América do Norte, ILSI México, ILSI Mesoamérica, ILSI Norte Andino, ILSI Brasil, ILSI Argentina, ILSI Sul Andino, ILSI Oriente Médio, ILSI África do Sul, ILSI Região Sudeste da Ásia, ILSI Taiwan, ILSI Coreia, ILSI Índia, ILSI Japão e Ponto Focal ILSI na China.

O que diz o “papai”

A matriz do ILSi rebateu o estudo com uma nota que destaca alguns pontos-chave considerados pela organização. Vamos aos principais.

“O ILSI é uma organização mundial, sem fins lucrativos, cuja missão é fornecer ciência que melhore a saúde e o bem-estar humanos e proteja o meio ambiente. As entidades do ILSI promovem parcerias científicas público-privadas para abordar as lacunas de conhecimento para beneficiar o bem público”.

“O ILSI não faz lobby nem procura influenciar indivíduos, posições e/ou políticas específicas. Além disso, o ILSI proíbe explicitamente que suas entidades membros defendam os interesses comerciais de suas empresas-membro ou de outras partes. O ILSI apresenta ciência pré-competitiva que informa ações de indústrias, governo, universidades e /ou outros pesquisadores”.

“Alex Malaspina deixou de ser um administrador do ILSI, oficial ou representante de qualquer tipo em 2001. Ele não tem posição no ILSI e quaisquer comentários que tenha feito subsequentemente são como um cidadão privado aposentado”.

Se você quiser ler a íntegra do texto, é só clicar aqui.

Foto em destaque: I ask – Ideas 

Cientistas discutem ética patrocinados por empresas de alimentação


Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Sobre o autor

    Moriti Neto

    Moriti Neto

    É editor e repórter. De preferência, repórter.

    COMENTÁRIOS

    Opte por Disqus ou Facebook

    Deixe uma resposta