Rio encena literatura de Augusto Boal

150613-Boal

Adaptada ao palco, “Crônicas de Nuestra America” revela outra faceta do inventor do Teatro do Oprimido: a do criador literário, envolvido no esforço estético-político que marcou continente nos anos 1970

Por Wagner Correa de Araújo | Fotos Marina Andrade

__

MAIS:

CRÔNICAS DE NUESTRA AMÉRICA está em cartaz no Rio de Janeiro, em curta temporada: de 12 a 28 de junho, de sexta a domingo, às 20 horas. A peça é exibida no Teatro I do Sesc Tijuca: Rua Barão de Mesquita, 539. Fone: (21) 3238.2167. Outras Palavras orgulha-se de participar da divulgação. Participantes de Outros Quinhentos, nosso programa de sustentação autônoma têm direito a ingressos gratuitos. Saiba como.
__

Nos anos 1970, diante do surto de regimes ditatoriais na América Latina, o artifício da oportuna utilização da palavra literária, por trás de seus múltiplos segredos de significados mágicos, promovia uma guerra invisível a todas as formas de censura e coerção.

Desenvolveu-se assim uma literatura de arroubos estilísticos, em que a simbologia narrativa transformava a então opressiva realidade cotidiana num fantástico universo onde, só assim, todas as coisas podiam ser ditas.

TEXTO-MEIO

Era o realismo mágico com predominância argentina (Julio Cortazar / J.L.Borges) e colombiana (García Márquez), com ecos no Peru (Manuel Scorza), em Cuba (Alejo Carpentier) e na Venezuela (Arturo Uslar Pietri).

Mas com importantes nomes no Brasil, no texto absolutamente ficcional (Murilo Rubião / J. J.Veiga) e, também, mostrando seus reflexos nas criações dramatúrgicas e nas crônicas da imprensa alternativa, como foi o caso do escritor e dramaturgo Augusto Boal.

De seu exílio na Argentina, enviava para O Pasquim, irônicos relatos ficcionais de caprichada estética linguística que, mais tarde, viraram o livro Crônicas de Nuestra América (1977).

E que acabou, quase quatro décadas depois, servindo de inspiração para o envolvente espetáculo com o mesmo nome, em adaptação de Theotonio de Paiva e dirigido, com maestria, por Gustavo Guenzburger.

O marinheiro inglês John Sutherland (Henrique Manoel Pinho / Lucas Oradovschi), nas Ilhas Falklands, supre a nostalgia de seu exílio com a aventurosa trajetória de desocupado em terra estrangeira, entre amigos de botequim, amores ciumentos e traiçoeiros galanteadores.

Aqui, num equilibrado elenco (incluindo ainda no naipe feminino Adriana Schneider, Clara de Andrade, Carmen Luz e Larissa Siqueira), todos se destacam com seu dinâmico gestual cênico.
150609_Cronicas de nuestra américa_foto Marina Andrade
Essa acurada performance ocupa ainda um inventivo cenário quase suspenso no ar (Dani Vidal / Ney Madeira) – que remete ao cinema surrealista, anos 20, de René Clair, com uma climática luz (Paulo César Medeiros) e sugestivo score musical (João Gabriel Souto).

Tudo, enfim, num saboroso roteiro dramatúrgico, com ferino e inteligente humor que cria empatia com a plateia, provocando uma saudável reflexão político/filosófica por detrás do transcendente silêncio da palavra literária transmutada em ruidoso e significante clamor teatral.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Wagner Correa de Araújo

Jornalista especializado em cultura, roteirista, diretor de televisão, crítico de artes cênicas. Dirigiu os documentários "O Grande Circo Místico" e "Balé Teatro Guaíra 30 Anos" . Participou como critico e jurado de festivais de dança e cinema, no Brasil e na Europa.