Desnudando o 1% brasileiro — que não paga impostos

Desigualdade é maior que se calculava. Super-ricos ganham 964 vezes mais que média da população. Reforma Tributária, cada vez mais indispensável

Roberto Irineu Marinho (centro), José Roberto Marinho (à esquerda) e João Roberto Marinho, três dos homens mais ricos do Brasil, segundo a Forbes

José Roberto Marinho, Roberto Irineu Marinho e João Roberto Marinho, acionistas do Grupo Globo. Três dos homens mais ricos do Brasil, segundo a Revista Forbes (2015)

Nova pesquisa revela: desigualdade brasileira é maior do que se calculava. Super-ricos ganham 964 vezes mais que média da população. Reforma Tributária é cada vez mais indispensável

Por Róber Iturriet Avila

Somente a partir do final de 2014 a Receita Federal do Brasil passou a disponibilizar mais dados brutos das declarações de imposto de renda pessoa física. À medida que essas informações vêm à tona, é possível estabelecer algumas conclusões. Uma delas é que a Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio (PNAD) não é precisa no que tange à renda dos estratos superiores da sociedade brasileira. Outra conclusão é que a concentração de renda é superior ao que as surveys (pesquisas) transmitem.

Marc Morgan Milá é um dos autores que trouxe mais luz sobre os dados das declarações de imposto de renda ao concluir seu trabalho na Paris School of Economics, ao final de 2015. O Trabalho de Milá (2015) estabelece estimativas do topo da renda diferentes daquelas presentes na PNAD.  No Brasil, no ano de 2013, a preços de fevereiro de 2016, os cortes dos estratos superiores eram os seguintes:

  • 10 % mais ricos: renda mensal superior a R$ 4.191,88
  • 5% mais ricos: renda mensal superior a R$ 7.536,61
  • 1% mais ricos: renda mensal superior a R$ 23.128,71
  • 0,1% mais ricos: renda mensal superior a R$ 89.971,47
  • 0,05% mais ricos: renda mensal superior a R$ 428.849,47
  • 0,01% mais ricos: renda mensal superior a R$ 690.829,25

Cabe destacar que a renda média do grupo que figura o topo é bastante superior ao corte limiar. Dentre os 0,1% mais ricos, a renda média mensal é de R$ 161.146,38 (valores atualizados). Já dentre os 0,01% mais ricos, a renda média mensal é de R$ 2.213.187,12 mensais (atualizados), ou seja, 964,5 vezes superior à média brasileira.

Em 2013, o 1% mais rico apropriou-se de 26,6% da renda nacional, já o 0,01% mais rico absorveu 4,8% do total. Trata-se do maior nível de desigualdade já registrado a partir dos dados tributários, os quais são mais confiáveis do que os de surveys…  A concentração existente no Brasil só encontra paralelo com os 0,01% mais ricos dos Estados Unidos.

Cumpre ressaltar que esses dados são apenas de renda, uma variável fluxo, e não de riqueza, uma variável estoque. A riqueza é sempre mais concentrada, em qualquer país. Os 51,4 mil brasileiros mais ricos possuíam, em 2013, uma média patrimonial de R$ 24,8 milhões (a preços de 2016).

Ao longo do século XX, os países corrigiram as sabidas disparidades geradas pelo sistema capitalista através da tributação e de políticas públicas. Na esteira dessas transformações, o Brasil passou a cobrar imposto de renda a partir de 1923. Entretanto, a tributação sobre renda e propriedade no Brasil são sensivelmente baixas em um comparativo internacional. Nos países mais desenvolvidos, a principal fonte de receita tributária é o imposto sobre a renda. Mesmo o México, o Chile e a Argentina possuem um sistema tributário mais justo em termos sociais do que o brasileiro. Os dois primeiros por cobrarem mais impostos sobre a renda e o último por cobrar mais impostos sobre o patrimônio.

Nas décadas de 1980 e 1990, as alíquotas máximas de imposto de renda no Brasil foram reduzidas de maneira expressiva… Atualmente a taxa máxima é de 27,5%, porém chegou a ser de 65% no Governo João Goulart.

Uma das principais distorções do sistema tributário brasileiro é a isenção de imposto de renda dos lucros e dividendos, vigente desde 1995.  A maior parte da renda do 1% mais rico advém de lucros e dividendos. Em 2013, as receitas ISENTAS dos 71,4 mil (aproximadamente 0,05%) brasileiros mais ricos foram de R$ 233,7 bilhões, a preços de 2016…

Referências

MILÁ, Marc Morgan.  Income concentration in a context of late development: an investigation of top incomes in Brazil using tax records, 1933-2013.  2015.165f. Dissertação (Mestrado) ― Paris School of Economics, Paris, 2015.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

5 comentários para "Desnudando o 1% brasileiro — que não paga impostos"

  1. Leonardo disse:

    Isso é um fato visível. Cristalino. O que me preocupa é que a sociedade, em sua maioria, não consegue ou não quer ou não pode (ou tudo junto) colocar em pauta esse tema tão imprescindível à construção de uma sociedade minimamente decente. Somente essa realidade em si é digna de ser traduzida em passeatas e desobediência civil. Mas a grande maioria das pessoas – enganando a si mesmas – caem na armadilha de descarregar todos males presentes num ator político, que é o mais bombardeado midiaticamente e judicialmente (muitas vezes sem motivo sério).
    O que está em jogo no Brasil (e no mundo) é o esgotamento de um sistema, sustentado por um modo de pensar, que se iniciou com o Renascimento, se desenvolveu na Revolução Industrial (1a, 2a e agora 3a), gerou um hiato de tranquilidade (Estado de Bem-estar social…apenas em alguns países…) até 1980 e desde então voltou a se desenvolver de forma global, interior e plasmável. Falo do neoliberalismo.

  2. Leonardo disse:

    Mercantilizar tudo é o clímax do ego luciférico. É colocar o humano – ou melhor, sua ganância – num pedestal e afirmar que tudo deve ser feito estimulando-a. O que vemos é corrosão interior cada vez mais evidente…por mais que os artificialismos midiáticos, tecnológicos e de especialistas nos iludam por um tempo.
    Precisamos superar uma forma mental que se esgotou simultaneamente a um sistema que não mais consegue nos fazer evoluir. Transcender paradigmas. Mas para isso exige-se uma visão da complexidade da situação. E com isso um olhar interior, para nós mesmos. Nos vendo como responsáveis e co-participantes de tudo.

  3. Leonardo disse:

    É preciso sentir o transformismo que rege todos fenômenos e compreender a razão de tudo que está ocorrendo. É preciso “perder tempo” com questões que vão além do que conhecemos – sem no entanto ignorá-las. É preciso criar uma ordem mais vasta, antes na mente, depois no discurso e finalmente na ação, de modo que possamos começar a resolver (efetivamente !) os problemas multimilenares. Problemas que não são mais suportados por seres cada vez mais sensibilizados e conscientes.

  4. HELBER disse:

    Parabéns pela matéria: nossos olhos cada vez mais abertos!

  5. Arthur disse:

    Sem uma reforma tributária que crie o imposto progressivo sobre agrandes fortunas, bem como a reaqliozação de uma auditoria sobre a a dívida pública, será difícil construirmos um país justo .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *