Prendam-se os que enxergam nossa tragédia

Na condenação política de 23 ativistas participantes das jornadas de 2013 está a tentativa de calar os que denunciam a crise de um velho mundo e anunciam possíveis saídas

Por Ivana Bentes

As ruas de junho anunciaram o pântano em que estamos. Uma tragédia sem tamanho essa sentença de sete anos de prisão para 23 participantes das Jornadas de Junho de 2013. Mas quem eram os vândalos? 2013 terá 23 condenados políticos, além de Rafael Braga, preso injustamente. Junto com a prisão de Lula configura-se a tragédia completa de uma justiça injusta, de um quadro de anomia e de doença social.

Os 23 condenados de junho são pessoas comuns como eu e você, estudantes, ativistas, advogada, uma professora da UERJ. Podia ser qualquer um de nós!

Estão condenando os anunciadores da crise, da falência da democracia em que entramos. Condenam os mensageiros! Sérgio Cabral foi preso por causa de 2013, um empresário mafioso, Jacob Barata, foi preso por causa de 2013: a corrupção, desvios, superfaturamentos das obras da Copa no Rio, as remoções ilegais passaram a ser investigados por causa de 2013. A falência do Rio foi antecipada e denunciada em 2013.

As ruas de junho anunciaram a tragédia em que estamos. O fim, a impossibilidade, o horror diante dessa velha política. E a resposta da justiça é a restauração de um mundo ainda mais necrosado! Judiciário desmoralizado, golpe, prisão de Lula, fascismos e um candidato-necrose, Bolsonaro. Eles não são resultado de 2013 eles são o CONTRA-ATAQUE. É muito diferente. São os estertores de um mundo que se vai acabar.

TEXTO-MEIO

Querem condenar e prender os anunciadores da crise de um velho mundo, que anunciaram também as saídas e outros horizontes. Quem estava nas ruas em 2013 sabe que essa sentença e essa justiça é uma fraude: “Penas variam entre 5 e 7 anos de prisão em regime fechado por crimes como formação de quadrilha, dano qualificado e corrupção de menores.”

Senhores da justiça necrosada, da velha política, ajudem-nos, extingam-se!

Só uma outra convulsão para tirar o país dessa inércia em que estamos todos. #Junho2013

P.S. Foi preciso torturarem jovens da classe média branca, filhos de intelectuais, estudantes para se iniciar uma revolta e insurreição no Brasil de 64. Os 23 condenados de Junho colocam de novo a classe média no alvo da repressão e de um horror vivido cotidianamente pelos mais pobres.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Ivana Bentes

Ensaísta, professora, curadora e pesquisadora acadêmica brasileira, atuante na área de comunicação e cultura, com ênfase nas questões relativas ao papel da comunicação, da produção audiovisual e das novas tecnologias na cultura contemporânea. Foi diretora da Escola de Comunicação da UFRJ de 2006 a 2013.