Outra Política: Fala Douglas Belchior, candidato a deputado federal

A presença nos movimentos negros. Periferias e Lulismo. Segurança, tema incômodo. Anti-racismo: Igualdade ou Meritocracia? Mudar a política por dentro ou por fora?

Entrevista: Antonio Martins | Vídeo: Gabriela Leite

TEXTO-FIM

Torturra: as diretas-já em SP e as novas formas de política

Criolo, que estará presente no ato de São Paulo. Buscar novas formas é despolitizar?

Criolo, que estará presente no ato de São Paulo. Buscar novas formas é despolitizar?

É grosseiro dizer que as pessoas que estão produzindo o evento são apolíticas. Ou ainda: que um ato protagonizado por músicos e blocos — e não lideranças partidárias ou sindicais — seja uma micareta. Sério mesmo?

Por Bruno Torturra, em sua página no Facebook

Não estarei em SP amanhã. Uma pena. Queria estar presente no ato e shows por Diretas Já. Torço por um grande sucesso no Largo da Batata.

Acompanhei de longe muitas críticas – e alguma desqualificação gratuita – à suposta rejeição aos partidos e sindicatos. No geral não achei justo com os organizadores e artistas envolvidos. Até porque não houve rejeição alguma. Só li declarações de respeito e abertura aos movimentos supostamente “expulsos” do ato (li isso algumas vezes).

Mas achei especialmente injusta a comparação com o antipartidarismo oportunista que contaminou Junho e gerou movimentos sombrios nas ruas a partir de então.
Você pode preferir formas clássicas de organização política. Você pode preferir uma manifestação com o léxico e estética da esquerda. Você pode até não simpatizar com pessoas e grupos puxando esse ato de amanhã. E tudo certo. Mas é forçar a barra dizer que as pessoas que estão produzindo o evento são antipolîticas. Biograficamente isso não é verdade. Ou ainda: que um ato protagonizado por músicos e blocos – e não lideranças políticas ou sindicais – seja uma micareta. Sério mesmo?

Continuar lendo