Cristina e a mídia: uma relação permanente de conflitos

Veículos de comunicação privados, como o Clarín, encaram a esposa do falecido Nestor Kirchner como franca inimiga; mas as urnas confirmam a confiança do povo

Com uma marca expressiva de 54% dos votos, Cristina Kirchner foi reeleita presidente da Argentina no dia 23 de outubro. O resultado percentual é o maior desde a redemocratização do país. Alem disso, é a primeira mulher da América Latina a ser escolhida duas vezes para governar um país.

Os números surpreenderam oposição e analistas políticos, que agora tentam encontrar respostas teóricas ao fenômeno de popularidade da líder peronista. Nas análises, é recorrente um alerta: Cristina pode intensificar a ofensiva contra os meios de comunicação. Mas o que significa exatamente essa afirmação? Em que contexto ela pode ser compreendida de maneira mais clara? Quais são os filtros pelos quais recebemos essas opiniões?

Em programa da Globo News dedicado ao tema, a narração do jornalista Ariel Palácios é a seguinte: “Os meios de comunicação independentes estão preocupados, já que o governo Kirchner poderia radicalizar sua ofensiva contra a mídia não alinhada”. De fato, a relação entre governo e grande imprensa é marcada por conflitos, especialmente com o Clarín. Um exemplo é o caso do projeto de lei que visa limitar a participação acionária desse jornal na empresa Papel Prensa devido à suspeita de contratos ilícitos.

Por outro lado, assim como em países vizinhos, a Argentina vem incentivando iniciativas de comunicação alternativas aos interesses de mercado. O Canal Encuentro, criado em 2007 com vínculo ao Ministério da Educação, é uma delas. A emissora tem premissas distintas daquelas das redes comerciais, incluindo aqui uma programação a favor da cidadania, educação e reflexão crítica acerca dos problemas sociais. Produz 40% do que veicula, o restante vem de TVs públicas estrangeiras.

Para o cientista político Sergio Fausto, em entrevista a Globo News, “há um propósito firme do governo de fazer um enfrentamento com o que eles chamam de ‘os poderes monopólicos’ nessa área (mídia)”. Vamos aos números. O Clarín é um dos sete grupos empresariais e detém ações em aproximadamente 200 veículos argentinos. De 2008 para 2009, sua rentabilidade cresceu 16,4% com faturamento de US$ 1,7 bilhão. E controla 31% da circulação dos jornais.

É difícil contestar a existência de uma concentração. Justamente para contrabalancear esse quadro de forças, o governo aprovou a Lei de Serviços de Comunicação Audiovisual em 2009, que prevê, entre vários pontos, o seguinte: a prestação de serviços de radiofusão feita pelo Estado, sociedade civil sem fins lucrativos e sociedade civil empresarial; o impedimento de propriedade cruzada dos meios; a obrigatoriedade de veiculação de conteúdo regional.

Entender o contexto que a Argentina vive no que diz respeito às políticas de comunicação é, portanto, tarefa complexa — e que provavelmente não será propiciada pelos meios de comunicação tradicionais, que reduzem a possibilidade de uma discussão mais aprofundada. Resta optar por outras fontes.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Um comentario para "Cristina e a mídia: uma relação permanente de conflitos"

  1. Luiz Fernando Resende disse:

    Os “defensores da liberdade e da democracia” sempre se insurgem quando o modelo, ou o modo de proceder não reflete a sua imagem,ou seja, é o modelo ” do Narciso Fascista” e sua reação é sempre “dar de vítima”, pois sua história é toda ela contada através de martires e herois melodramaticos. O noticiario de seus veiculos nem se envergonham de noticiar, como legitimo, as ações de seus iguais mundo afora, vide; USA contra Unesco, porque foi contrariada, então ,não tem mais verba! Todo o grupinho dos coitadinhos dos banqueiros e governantes encabrestados, se irritaram todos com a “audácia do povinho grego ser chamado para decidir seu destino! Como/!Pronto!Adeus plebiscito…democratico ha,ha.ha! e mais! Alguém me localize Israel no mapa da Europa! pois é! A UEFA a colocou e não ví nenhum veiculo “livre e democratico” que se indignasse com tamanho disparate: Ah! mas os times foram convidados para participar…tudo bem!…mas, não tem time árabe ou palestino jogando futebol!?…e Cuba, porque não convidam Cuba? ha.ha.ha …Fascistas narcisistas que fazem beicinho quando lhes atrapalham a sua brincadeira preferida:Qual guerra vamos fazer agora? Que país vamos quebrar hoje? É o divertido “Banco imobiliário”…só que brincam com vidas humanas e aí daqueles que contestar: São populistas,revanchistas,ultrapassados,terroristas etc,etc.Cuidado!Não ousem desafiar a ” Grande Religião Da Verdade Universal,Livre Democratica”!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *