Brasil: Um novo oásis?

Operação da Polícia Rodoviária Federal evidencia crescimento no fluxo de estrangeiros que entram no país

Por Carolina Mazzi

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu na última segunda-feira (12) um ônibus com 27 estrangeiros que trafegava pela rodovia Rio-Santos (BR-101), na altura de Angra dos Reis. De acordo com os policiais, o veículo foi parado durante uma revista de rotina e os passageiros, com idade entre 15 e 70 anos, não apresentaram documentos que comprovassem estadia regular no Brasil. A PRF ainda informou que as nacionalidades variavam entre americanos, belgas, colombianos, argentinos, ucranianos e equatorianos.

Apesar de um evento isolado, a apreensão rotineira de estrangeiros em situação ilegal no país — principalmente sul-americanos — pode se tornar um evento cada vez mais comum. Com a crise financeira que afeta os países desenvolvidos, o Brasil tem se tornado um pólo atrativo para imigrantes à procura de novas oportunidades. O número de brasileiros que retornam aumenta a cada dia e, com o crescimento econômico, os nativos devem se misturar aos imigrantes que chegam.

Embora não existam ainda estatísticas e números oficiais que demonstrem o movimento, a percepção geral é de uma tendência na mudança dos fluxos migratórios, principalmente àqueles do Sul ao Norte.

TEXTO-FIM

4 ideias sobre “Brasil: Um novo oásis?

  1. Artigo muito raso!! A notícia trazia informações valiosas que deveriam ser aprofundadas. Que faziam esses estrangeiros? Para ondeiiam? O que significa essa diversidade de idade (15 a 70) e de nacionalidades?

    • Interessante que tive a mesma sensação que o José Frid,,,,,,quando me preparava pro melhor, o filme acabou.
      ,,,ficou a sensação que o normal dos turistas estrangeiros no Brasil é a clandestinidade, quando não devota exclusivamente ao turismo sexual, coisa inteiramente desconhecida por nossos supostos orgãos de segurança.
      ,,,o que se supõe ser nossa emergência econômica, é na verdade nossa vulnerabilidade à invasão externa do lixo social global sem que estejamos pronto pra identificar e atacar as causas.

  2. Havia americanos, Ucranianos… qual o nível educacional deles? A que se propunham? Quem sabe, venham contribuir para dar mais impulso a nosso interior desqualificado. Barreiras, na Bahia era um paupérrimo município do sertão baiano antes da migração interna dos agricultores sulistas que o alavancaram, Gurguéia no Piauí idem. hoje, são pólos de desenvolvimento. O próprio Sul/Sudeste, responsável por 80% de tudo que se produz no país, era uma provincia atrasada dominada por oligarquias portuguesas mais atrasadas da Europa cujo único objetivo com os migrantes do final do sec. 19/20 era “substituir a mão-de-obra escrava”.
    Se não fossem os imigrantes com seu trabalho e sua engenhosidade, seríamos ainda feudos improdutivos como o Maranhão e boa parte do Nordeste cujas oligarquias locais só pensam em viver às expensas de Brasília (arrecadação do Sul/Sudeste) e cujas arrecadações locais muitas vezes não cobrem as despesas com funcionalismo e boa parte de sua força de trabalho depende mais da aposentadoria rural de seus pais ou dos bolsas-família.

    • Olá!

      Só faria uma ressalva. Quanto a ideia de que o Norte/Nordeste sobrevive às custas dos impostos pagos no Sul/Sudeste, é uma meia verdade…

      Os últimos indicadores econômicos mostram que enquanto o Brasil “cresceu” algo em torno de 5%, no Nordeste o índice foi de 42%.

      O que ajuda a explicar que algo estava muito errado, e que os “problemas” do Norte/Nordeste eram uma questão de vontade e orientação política, e não uma questão de “qualidade” das pessoas como ficou implícito no seu texto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *