Ministro da Defesa vai a CPI para constranger antropólogos e defensores de indígenas

Em ato voluntário, Aldo Rebelo voltou a se aliar com ruralistas para colecionar delírios que seriam inadequados para um deputado; quanto mais à sua função no governo

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

No que se refere à questão agrária, tema que acompanho de perto, nenhuma vez fiquei tão constrangido ao ver a fala de um político quanto agora, ao assistir o vídeo de Aldo Rebelo na CPI da Funai, na quarta-feira. E olhem que ele tem sérios concorrentes. Tivemos o deputado Luís Carlos Heinze (PP-RS) chamando índios, gays, quilombolas de “tudo que não presta”. E falas absurdas da ministra Kátia Abreu, principalmente do tempo em que era senadora; ou do líder da milícia UDR, hoje senador, Ronaldo Caiado (DEM-GO).

E por que a fala de Rebelo é pior?

Porque ele é ministro da Defesa. Suas curiosas concepções sobre “antropologia colonial” já seriam particularmente bizarras por ele se declarar comunista – ele é um dos líderes do PCdoB. Mas este é um assunto menor: que esses comunistas específicos se virem com sua consciência e com suas leituras, diante das diatribes do ex-deputado. Que se olhem no espelho e tentem encarar, depois disso, uma liderança indígena, um antropólogo sério, sem passar profunda vergonha. Agora, repito: Rebelo é ministro da Defesa.

E, por isso, sua fala é indefensável. Vejamos.

“Dos três troncos, o indígena é o mais sofrido, o mais esquecido pelo Estado brasileiro. Enquanto os outros troncos alcançaram, de certa forma, seu espaço na construção da sociedade nacional, os índios foram ficando à margem desse processo, e carregando maior as penas e o sofrimento da construção da nossa pátria. Cabe, portanto, esse registro pra que essa injustiça possa ser reparada, para que nós possamos, de forma consequente, socorrer, amparar essa parcela da nossa população. Exatamente para que ela não fique à mercê [eleva a voz] da manipulação de demagogos, da manipulação de interesses espúrios internos e externos, como, lamentavelmente, vem acontecendo.

É preciso que o Estado brasileiro ampare a população indígena do Brasil, para que organizações não-governamentais interesseiras, muitas vezes agentes do próprio Estado, agindo contra o Estado, manipulem o sofrimento e o abandono das populações indígenas. Falo, senhoras e senhores, com a experiência de quem palmilhou, nas fronteiras do Brasil mais remotas da Amazônia, as terras indígenas e quem pôde dialogar com suas populações. E de quem pôde testemunhar, exatamente, aquilo que acabo de dizer. (…)

Nossa tradição, naturalmente, não nega as violências, não nega as brutalidades, não nega as injustiças, não nega tudo que de errado nós fizemos contra as populações indígenas. Mas isso também afirma a natureza da nossa civilização de buscar incorporar, não apenas no sangue, mas na cultura, na história, na literatura, na culinária, no imaginário e na psicologia do nosso povo a presença dos nossos queridos e das nossas queridas irmãs e irmãos indígenas.

Por essa razão, senhores, é inaceitável [eleva novamente a voz] a doutrina esposada por certos setores da antropologia, principalmente da antropologia colonial, antropologia criada na França e na Inglaterra exatamente para melhor realizar o trabalho de dominação das chamadas populações aborígenes. Antropologia que depois foi incorporada pelos exércitos coloniais como parte do esquema de dominação. Essa corrente antropológica neocolonial é que procura apartar da sociedade nacional e da integração à sociedade nacional as populações indígenas. E é preciso que se denuncie com vigor e com coragem, para que o Brasil não se ponha no papel de vítima dos crimes que, de fato, ele não cometeu. Basta aqueles que nós já cometemos.

Essa antropologia que influencia estruturas do próprio Estado brasileiro, que incorpora setores importantes da nossa mídia, que incorpora setores importantes de correntes religiosas trata de estabelecer um abismo entre a sociedade nacional, entre o Brasil e as populações indígenas, contrapondo ao esforço de integração a ideia de segregação. Como se na escala evolutiva da humanidade o índio pudesse ser contido e parado nos estágios anteriores à evolução de toda a humanidade.

Tenho amigos europeus que fazem estudos em populações tribais e que descobriram, aqui na região da Amazônia, como é óbvio, uma população indígena que não sabe contar, que não domina a aritmética como qualquer povo ágrafo. Eu dizia para ele: seus antepassados também não sabiam contar. Contam no máximo 1, 2, 3 e muito. (…) O que eu perguntava para esse amigo antropólogo era o seguinte: as crianças dessa tribo devem ter o direito de aprender matemática? Ou elas devem ter negado esse direito, para que a antropologia continue dispondo de estudo de caso para registrar nas suas teses de mestrado ou doutorado? (…)

A manipulação das causas nobres e justas, como é a causa da proteção dos índios, não é a única no mundo. Ela tem paralelo com a manipulação da causa do meio ambiente. É muito parecido. As potências usam o meio ambiente, as causas indígenas, os direitos humanos, a democracia, a liberdade como usaram o anticomunismo no passado. O que era o anticomunismo? Era o pretexto para se fazer golpes de Estado, para defender interesses econômicos em função da defesa da liberdade e da democracia. Depois que o comunismo deixou de ser o pretexto, porque não era de fato ameaça, eles procuraram outros pretextos: a causa indígena é um deles, o ambientalismo é outro”.   

E assim por diante, como se pode ver no vídeo. De forma voluntária, sem que o ministro Aldo Rebelo tivesse sido convidado ou convocado à CPI, instalada pelos ruralistas para combater direitos indígenas e a reforma agrária. Como porta-voz do governo, portanto?

aldorebelo

Bancada ruralista, comissão ruralista, ministro ruralista (Reprodução/ YouTube)

Note-se que ele chega a combater a demarcação contínua da Raposa Serra do Sol, em Roraima. Em determinado momento, pergunta: “Quem é índio e quem não é índio onde tudo já se misturou?” E cita um estudo de pedologia na Universidade Federal de Viçosa que considera não existir mais ali uma civilização indígena, “mas uma civilização miscigenada”.

E tem mais: ele se declarou à favor da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 215) que transfere ao Congresso o poder de demarcar terras indígenas e quilombolas: “Aldo diz à CPI que é a favor da PEC que muda regras de demarcação de terras“. Uma bandeira de quem? Dos ruralistas.

É como resume o antropólogo Henyo Barretto Filho, do Instituto Internacional de Educação do Brasil: “Se o governo não desautorizar de modo igualmente público e expresso tal depoimento, fica sendo essa a versão do governo sobre os povos indígenas, a política indigenista e o papel da antropologia no reconhecimento dos direitos territoriais”.

8 ideias sobre “Ministro da Defesa vai a CPI para constranger antropólogos e defensores de indígenas

  1. Gente, vamos qualificar o debate. O Aldo não disse que defende a transferência do “Poder” de demarcação de terras para o Congresso, disse que este poder precisa ser dividido. E, outro elemento importante, a crítica não é ao conjunto da antropologia, mas aos que empregam a antropologia como mecanismo de legitimação de políticas que isolam e não permitem o desenvolvimento de comunidades tradicionais. Tenho colegas aqui no programa de pós-grad. da universidade que jamais defenderam colocar as comunidades tradicionais em bolhas no passado; portanto, não vamos vitimizar antropólogos nem demonizar o ministro. A questão indígena no Brasil precisa de debate pois o massacre é contínuo. Se formos humildes e dispostos o suficiente pra enfrentar esta discussão, podemos ter uma oportunidade histórica neste momento.

      • Oi CASTILHO, li a matéria e vi um material sobre a PEC, porque tem representação de todos os partidos??? mesmo o psol e outros estão como titulares ou suplentes, pode estar na comissão para discordar tb???

        • A representação em comissões é proporcional por partidos. Em temas que dizem respeito aos ruralistas, eles compõem rapidamente a maioria, pois, salvo exceções como o PSOL, eles têm poder – número – para isso. Metade da Câmara é ruralista. Em meu livro sobre o tema (Partido da Terra, Editora Contexto, 2012) recomendo que não se pense nas comissões com a lógica midiática, do PT x PSDB. Trata-se de um movimento suprapartidário. Tome-se o PMDB, por exemplo: é um partido ruralista, apoie ou não a presidente Dilma. E continuará sendo.

    • Paulo, pode estar descontextualizada a colocação de Aldo Rebelo mas, a posição dele, pessoal, não ficou clara, nem para que foi, nem o que pretendia. Agora, sei que esta não é a posição do PCdoB, que é declaradamente contrário à PEC 215.
      Temo que “outraspalavras” neste artigo tenha pretendido constranger o ministro, que é da Defesa e comunista. Só que essa prática, de afirmar e descontextualizar, é o que faz o mal jornalismo tipo Veja, Isto é. Então, fica a confusão, sim. Gostaria que o articulista, Alceu, explicasse sua ideia pois, me custa acreditar em má intenção de sua parte.

      • Aldo Rebelo é ruralista, Alice. Um ruralista sem terras. Como deixo claro em meu livro (Partido da Terra, Editora Contexto, 2012). Não há dúvidas em relação a isso, especialmente após ele relatar o Código Florestal. A ida – repito, voluntária – dele à CPI tomada pelos ruralistas, para atacar antropólogos e ambientalistas, também não deveria deixar dúvidas sobre esse fato. O objetivo, no caso do post, foi o de informar o leitor. Duvido muito que um texto meu constrangesse o ministro. O trecho sobre a PEC 215 linka para notícia da Agência Brasil, que, no meu entender, fez uma leitura correta da fala do ministro. Não consigo enxergar descontextualização. Se o PCdoB é contra a emenda, que avise o ministro.

  2. Se os índios querem ou não aprender aritmética o problema é só deles, devolvam suas terras e deixem eles cuidarem de suas vidas em paz.
    PEC 215? O que esse Congresso fez de bom ao Brasil dos pobres?
    E agora um Ministro que se faz de imbecil porque acha que o povo é retardado, como se as grandes fortunas deste país não fosse baseada em grilagem e terras devolutas vendidas ilegalmente depois da expulsão de povos tradicionais.

    • Exatamente, Alexandre. É um escárnio uma pessoa que se declare comunista se alinhar (mais do que se aliar) com os defensores históricos da grilagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *