Intervenção no Rio de Janeiro: como a violência urbana num mundo globalizado pode ser compreendida a partir das Relações Internacionais

In Sem categoria
intervecao rj

Intervenções militares do poder estatal em situações de conflito urbano, como a observada na cidade do Rio de Janeiro desde a última sexta-feira 16, não são novidade e tampouco exclusividade brasileira. A utilização das Forças Armadas em episódios de crise interna estão se tornando cada vez mais comuns em diferentes locais do mundo, do Egito aos EUA, onde os militares tem atuado na repressão a manifestações populares, como foi no caso da revolta na cidade estadunidense de Ferguson, em 2014.

A militarização é, na realidade, um fenômeno que abrange diversos aspectos da vida contemporânea, indo da segurança pública ao comércio de automóveis, instrumentos de vigilância, jogos de videogame e a circulação nas cidades. Este é um fenômeno que possui diversas ramificações transnacionais, sendo capaz de conectar os eventos no Rio de Janeiro a conflitos no Haiti, Palestina, no Iraque e em Londres.

Aparentemente local, o engajamento militar no Rio de Janeiro tem sido acompanhado de importantes referências às dinâmicas internacionais. Em entrevista, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, comparou as ações com a intervenção feita pelos diversos atores de segurança no Haiti e com as guerras assimétricas, aprofundadas pelos EUA no contexto de combate ao terrorismo.

“Essa guerra moderna não é mais aquela de 1945, com inimigos uniformizados, terreno definido e batalhão organizado”, observa o ministro da Justiça. “Não sabe que arma virá, não sabe quantos virão. O seu inimigo não tem linha de comando longamente estabelecida. Não tem um centro nevrálgico para atacar. Pior, no caso do narcotráfico e do crime organizado, está também nas fronteiras com outros países.”

Independentemente, de concordar ou não como ministro, esse tipo de avaliação passou a ser elaborada por think tanks nos EUA ja na década de 1990 e ganhou alcance global nas últimas décadas, influenciando a tomada de decisão de diversos atores estatais e não-estatais. 

Compreender essa dinâmica internacional dos conflitos sociais é parte fundamental para entender o xadrez geopolítico global. Com o objetivo de discutir este e demais assuntos relacionados, a PUC-SP oferece neste semestre o curso de extensão “Conflitos Internacionais em Tempos de Globalização: a Presença de Atores Não Estatais”. Clique aqui para se inscrever.

Military industry. Special forces or anti-terrorist police soldier, private military contractor armed with weapon during clean-up operation, mission

Mercenário de corporação de segurança privada em atuação em conflito no Oriente Médio

Os estudantes terão a oportunidade de entrar em contato com professores especializados na interpretação e na investigação dos conflitos armados internacionais de forma que, ao término do semestre, deverão estar capacitados a elaborar uma avaliação crítica sobre a conjuntura internacional. Esta é uma grande oportunidade para aqueles interessados tanto em iniciar uma carreira acadêmica como engajar-se em ações na sociedade. Para saber mais sobre o curso, clique aqui.

O programa, os professores, o investimento e demais informações podem ser encontradas na página da Cogeae (Coordenadoria Geral de Especialização, Aperfeiçoamento e Extensão) da PUC-SP.

Serviço:

Período do curso: de 3 de março a 23 de junho

Dia e horário: aos sábados, das 8h30 e 12h30

Para inscrever-se, clique aqui.

Matriculas de 23/01/18 até 22/02/18

Matrícula de R$ 520,00 + 4 mensalidades de R$ 520,00 (Março a Junho)

Matriculas de 23/02/18 até 22/03/18

Matrícula de R$ 650,00 + 3 mensalidades de R$ 650,00 (Abril a Junho)

Matriculas de 23/03/18 até 22/04/18

Matrícula de R$ 866,67 + 2 mensalidades de R$ 866,67 (Maio a Junho)

Matriculas de 23/04/18 até 22/05/18

Matrícula de R$ 1.300,00 + 1 mensalidade de R$ 1.300,00 (Junho)

Matriculas de 23/05/18 até 22/06/18

Matrícula de R$ 2.600,00

Join Our Newsletter!

Love Daynight? We love to tell you about our new stuff. Subscribe to newsletter!

You may also read!

Men walk past a graffiti reading: ''Because there is no turning back from here'', in the ethnically divided town of Mitrovica, March 19, 2013. Serbia does not recognise Kosovo's 2008 secession, but is under pressure from the European Union to improve ties and help overcome a split between Kosovo's Albanians and a Serb enclave in the north over which Belgrade retained de facto control. Picture taken March 19, 2013. To match story KOSOVO-SERBIA/   REUTERS/Marko Djurica (KOSOVO  - Tags: POLITICS)

A Sérvia e a controvérsia da partilha territorial do Kosovo

Com a estagnação no processo de “normalização” das relações entre a Sérvia e o Kosovo, debates sobre uma partilha

Read More...
41632337_1070042599844072_6264235648329187328_n

Indicadores econômicos recentes demonstram a realidade da ocupação Israelense sobre a Palestina

Por Paulo Barata Gondim* Tendo em conta os últimos acontecimentos referentes à questão Palestina – a mudança da embaixada

Read More...
Mandatory Credit: Photo by Dieu Nalio Chery/AP/Shutterstock (9745267a)
A police officer walks past burned cars in the parking area of Delimart supermarket after two days of protests against a planned hike in fuel prices in Port-au-Prince, Haiti, . Government officials had agreed to reduce subsidies for fuel as part of an assistance package with the International Monetary Fund, but the government suspended the fuel hike after widespread violence broke out
Fuel Protests, Port-au-Prince, Haiti - 08 Jul 2018

O global e o local no Haiti: as revoltas de julho em perspectiva internacional

Os últimos acontecimentos em Porto Príncipe expõem as limitações dos processos de intervenção militar para a estabilização e pacificação.

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu