Uma imagem suja da política

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0Email this to someone

“A Dama de Ferro”, retrato de Margaret Thatcher, destina-se a um público que não se interessa absolutamente por política.

 

Por Bruno Carmelo, do Discurso-Imagem.

topo-posts-margem

 

A Dama de Ferro é o típico filme de forma sem fundo. Para representar Margaret Thatcher, personalidade facilmente reconhecível mas de quem se conhece pouco, a diretora deste drama teve que nivelar por baixo: falar da personalidade política sem falar de política, ou seja, destacar as intenções sem julgar as ações.

 

1) “O bom político é aquele que se impõe contra todos”

O filme poderia ser divido em duas metades: a história da protagonista até sua ascensão ao poder, e a descrição de seu governo. A primeira parte apresenta de maneira romanceada a trajetória da jovem Margaret, loira tímida numa cidade em que todas as moças são morenas e maliciosas; mulher num território de homens; filha de comerciantes num território de aristocratas. Todos os fatores estão contra a protagonista, e por isso sua ascensão parece ainda mais espetacular.

Phyllida Lloyd, diretora do nada sutil Mamma Mia!, mostra novamente seu olhar preto e branco para os contrastes sociais, raciais e políticos. Sua Margaret Thatcher é menos uma mulher política do que um símbolo: as pérolas, o chapéu, os sapatos, duas ou três frases de efeito. Na primeira metade de seu filme, as imagens mostram os sapatos de salto de Thatcher cercados por sapatos sociais pretos, suas unhas pintadas sobre a mesa, ao lado de mãos cobertas de pelos. Ou seja, o primeiro item aqui é simples: ela é mulher, de origem humilde. Ela é uma minoria, e sua vitória social (mais do que política) se apresenta como um fator louvável e democrático em si.

O problema é que Margaret Thatcher não entrou na História por ser uma rara mulher num território tradicionalmente masculino, e sim pelo conservadorismo e por sua visão social particularmente repressora. Thatcher sem suas ideias é uma mulher a mais, uma pessoa humilde a mais, e sua conquista do poder não seria diferente daquela de outras minorais, como Lula, “filho do Brasil” ou Barack Obama.

Pior do que isso, louvá-la apenas por sua grande persistência e força de vontade faria de Thatcher alguém não muito diferente de, digamos, Hitler, Mussolini, Gandhi, Lênin, Madre Teresa ou Osama Bin Laden, que todas foram pessoas inegavelmente perseverantes, com muita força de vontade e crença cega em suas ideias. Uma biografia da Dama de Ferro que não a responsabiliza por sua ideologia nem suas ações ignora o fator principal pelo qual esta mulher é importe historicamente, e a razão pela qual cogitou-se, para começo de conversa, que ela poderia servir de material a um filme.

 

2) “O bom político é aquele que faz alguma coisa

A maioria das pessoas que diz que tal personalidade política “nunca fez nada” durante seu mandato é justamente porque não conhece nada do que foi feito. A lógica vem uma indução simples: “Se eu não conheço nada bom que X tenha feito, é porque X nada fez de bom”. Frequentemente, trata-se também de pessoas que não se interessam muito pela política, que não buscam informações a respeito. Políticos fazem sempre muitas coisas, boas ou ruins, que vão de grandes reformas tributárias a mudanças de nomes de ruas. O fato de simplesmente contentar-se de ver um político “fazer alguma coisa” relata o esvaziamento do ato político em si – e todos os adoradores de Paulo Maluf, aquele que “rouba mas faz”, são exemplos perfeitos desta ideia.

Pois a segunda metade de A Dama de Ferro explicita a impressão do início: este é um filme sobre Margaret Thatcher para quem não gosta de política, para quem não conhece os fatos políticos nem tem interesse em conhecê-los. Este é um filme para este espectador médio, conformista, que acha que política é “algo sujo, cheio de corruptos” – justamente este indivíduo que deseja que os políticos “façam alguma coisa”.

A retórica mais comum durante a narrativa é portanto a da ação abstrata: Thatcher diz que “quer fazer algo”, que “precisa mudar as coisas”, que “sempre sonhou em transformar a situação”. Mudar o quê, como? Para pôr o quê no lugar? Estas perguntas essenciais são esquecidas. Embora várias decisões importantes do governo da Primeira-ministra britânica sejam mencionados, elas não são julgados pelo filme. Não que o roteiro seja obrigado a tomar partido, longe disso, mas ele também não explora as contradições e a complexidade de suas decisões.

Assim, num jogo de “ação sem consequência”, Thatcher aparece como uma figura ultra poderosa, porque sem real obstáculo ao seu poder. Muitos personagens reclamam de sua política, mas ela fecha os olhos, respira e – corte para o próximo plano – sua vontade está sendo executada. A onipotência desta personagem também é construída pelo próprio roteiro, que recusa observar a História por um outro ângulo que não seja o da própria biografada. Ela sempre faz como quer, e a tensão crescente que leva ao fim do seu poder aparece como um lapso inexplicável do roteiro. Prefere-se mostrar sua saída do governo como um ato de bravura, de bom senso, uma escolha única e pessoal – como se as manifestações populares sangrentas nada tivessem a ver com isso.

Por fim, A Dama de Ferro é um curioso filme que retira da política seu laço social, seu impacto econômico, e a reduz à força de vontade individual de Margaret Thatcher. Como um “American Dream” britânico, parece que qualquer um pode se tornar Primeiro-ministro, “basta querer e persistir, e querer mudar as coisas”. Este filme é uma mostra do que ocorre quando tenta-se tornar a política agradável, digerível aos olhos de um público que considera o ato de governar como algo sujo e deplorável.

PS: Os pôsteres promocionais de A Dama de Ferro parecem ter ido muito mais longe na mensagem do que o próprio filme. Clique na imagem abaixo para visualizar em tamanho maior.

A Dama de Ferro (2011)
Filme britânico-francês dirigido por Phyllida Lloyd.
Com Meryl Streep, Jim Broadbent, Phoebe Waller-Bridge, Alexandra Roach.

rodapé-posts-margem
Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0Email this to someone
The following two tabs change content below.

Bruno Carmelo

Bruno Carmelo é editor do site Discurso-Imagem