Ucrânia: como o blefe do Ocidente fracassou

140320-ObamaB

Sob influência dos “falcões” neoconservadores, Obama lançou-se a nova aventura arrogante. Nem toda histeria da mídia ocultará sua derrota

Por Pepe Escobar, no Znet | Tradução: Antonio Martins

Vamos aos fatos, rápido e rasteiro:

1. O jogada “estratégica” do governo Obama para subcontratar, junto ao “Khaganato de Nulands1” do Departamento de Estado, e exclusão da Ucrânia da esfera de influência Russa e sua anexação subsequente à NATO está arruinada. Ela baseava-se em instrumentalizar uma coalizão de neonazistas e fascistas, pintada com verniz de banqueiro (o primeiro ministro Arseniy Yatsenyuk).

2. O contra-ataque de Moscou consistiu em evitar, na Crimeia, um repetição programada do putsch de Kiev. O referendo na Crimeia (85% de comparecimento, em torno de 93% dos eleitores a favor da reincorporação à Rússia) é fato consumado, ainda que a “tão democrática…” União Europeia continue ameaçando punir o povo por exercitar seus direitos democráticos.

TEXTO-MEIO

3. A principal razão para todo o movimento “estratégico” dos EUA – levar seus aliados, os putschistas de Kiev, a cancelar o acordo que permite a presença de uma base naval russa em Sebastopol – virou fumaça. Moscou continua presente no Mar Negro, com pleno acesso ao Mediterrâneo Oriental.

O resto é blablablá.

Nos últimos dias, o Departamento de Estado dos EUA praticamente concordou com uma Ucrânia federativa e, em termos práticos, finlandizada2. Por sinal, é a solução proposta pelo ministro das Relações Exteriores russo, Sergey Lavrov desde o início, com atesta um documento russo. O secretário de Estado dos EUA, John Kerry vai tentar roubar todo o crédito dos russos, assim como fez na crise síria. A mídia corporativa norte-americana comprará a versão docilmente, mas não publicações independentes, como Moon of Alabama3.

Esta solução inteligente implica, entre outros pontos cruciais: forte autonomia para as regiões, na Ucrânia; a reintrodução do russo como língua oficial, ao lado do ucraniano; e, principalmente, neutralidade política e militar do país – ou seja, a “finlandização”. Construir o entendimento será a missão de um grupo de apoio – igualmente proposto por Moscou desde o início – em que estarão presentes Estados Unidos, União Europeia e Rússia..

E tudo será santificado por uma resolução do Conselho de Segurança da ONU (ressalve-se que tudo pode dar errado, espetaculosamente, caso o “Ocidente” continue em posição de sabotagem). E tudo isso, também, sem que Moscou obrigue-se a reconhecer os putschistas de Kiev. Trocando tudo em miúdos: diante do blefe de Washington, Moscou pagou para ver – e ganhou.

Portanto, após toda a interminável série de ameaças, que envolveu desde Obama, Kerry e os falcões neoconservadores até parceiros menores, como o primeiro-ministro britânico David Cameron, seu chanceler William Hague e o premiê francês Franços Hollande, o essencial é: o governo Obama concluiu que não valia a pena arriscar um conflito nuclear com a Rússia pelo Khaganto de Nulands. Especialmente depois que Moscou fez saber, discretamente, que poderá criar condições para que o Leste e o Sul da Ucrânia também se separem da Ucrânia.

A Suécia, por exemplo, propôs um embargo à venda de armas para Moscou. Paris voltou os olhos rapidamente para os interesses de seu complexo industrial-militar e disse não. Só os decerebrados cultivam a noção de que Paris e Berlim desejarão arriscar suas relações comerciais com a Rússia. Ou pensarão que Beijing aderiria a sanções contra a Rússia – sua companheira no G-20, no BRICS e na Organização de Cooperação de Shangai – apenas porque Washington, vista na China como cada vez mais irracional, recomentou o gesto.

Ainda assim, a histeria ocidental prosseguirá invicta. Nos Estados Unidos, onde importa, a pergunta posterior será, inevitavelmente, “quem perdeu a Síria?” e “quem perdeu a Ucrânia?”

Eis o placar: George Bush lançou-se em duas guerras – e perdeu miseravelmente ambas. Obama tentou lançar duas guerras (Síria e Ucrânia). Por sua própria sorte, perdeu ambas ainda na fase de “tentativa”. Os neoconservadores e toda a brigada de excepcionalistas4 estão previsivelmente lívidos. Aguarde: a página de editoriais do Wall Street Journal vai tornar-se “balística”. E a embaixadora dos EUA na ONU, Samantha Power desejará ser Sinead O’Conner, cantando Nothing Compares to You.

Os putschistas de Kiev já estão anunciando suas intenções. O capo do grupo neonazista Right Sector, Dmytro Yarosh afirma: “A Rússia ganha dinheiro enviando petróleo para o Ocidente por meio de nossos oleodutos. Destruiremos estes oleodutos para privar nosso inimigo de sua fonte de renda”.

É a estratégia brilhante de um playboy do Khaganato de Nulands. As famílias e toda a base fabril da Ucrânia ficariam sem gás (vendido barato, com desconto), para não falar das grandes indústrias alemãs, para que os neonazistas cantem “vitória”. Com amigos como estes…

Os executivos da Gazprom não estão exatamente franzindo as sobrancelhas. Cerca de metade do gás que a Rússia envia à Europa já não passa pela Ucrânia, e em 2015, quando o gasoduto South Stream ficar pronto, este percentual crescerá (as “sanções” da União Europeia contra o South Stream são pura retórica).

Os putschistas vão tentar armar confusão também em outros fronts. O novo parlamento ucraniano decidiu constituir uma Guarda Nacional de 60 mil membros, coalhada de “ativistas”. Adivinhe quem a dirigirá: o novo chefe de segurança, Andriy Parubiy, um dos fundadores do Partido Nacional-Social, neonazista. Seu vice não é outro senão Yarosh, líder dos paramilitares do Right Sector. Que fiquem à vontade para criar suas próprias metáforas hitlerianas, mesmo que cresça o risco de a Ucrânia quebrar. Não é necessariamente má ideia. Vamos deixar que a “democrática” União Europeia pague as contas de gás de Kiev…

-
1
. Referência à presença crescente da extrema-direita norte-americana (os “neoconservadores”) no Departamento de Estado, no governo Obama. “Nulands” é Victoria Nuland, a subsecretária de Estado para assuntos da Eurásia. Radicalmente anti-Rússia, ficou conhecida há semanas, quando vazou um telefonema que manteve com o embaixador dos EUA na Ucrânia. Recomendava-lhe ampliar a disputa com Moscou, ignorando a postura, mais conciliadora, da União Europeia. “Foda-se a UE”, disse então. “Khaganato” refere-se a Robert Kagan, seu marido, um dos principais expoentes dos neoconservadores, defensor de que os EUA imponham, por meios militares, sua hegemonia global. [Nota do Tradutor]

2. “Finlandizar” a Ucrânia significa assegurar que ela assuma neutralidade entre Estados Unidos e Rússia. O termo origina-se do papel semelhantes que a Finlândia cumpriu, durante a Guerra Fria, como “tampão” entre Estados Unidos e União Soviética. A “finlandização” tem sido defendida mesmo por analistas norte-americanos conservadores, como Henry Kyssinger e Zbigney Brezinsky [Nota do Tradutor]. A notícia das negociações de bastidores em curso, entre EUA e Rússia, para “finlandizar” a Ucrânia pode ser lida em  Lavrov, Kerry agree to work on constitutional reform in Ukraine: Russian ministry, Reuters, March 16, 2014.

3Ukraine: U.S. Takes Off-Ramp, Agrees To Russian Demands, Moon of Alabama, March 16, 2014.

4. Corrente de pensamento na política segundo a qual os EUA são uma nação “excepcional”, imprescindível, por seu poder e suposta sabedoria, à segurança do mundo. [Nota do Tradutor]

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Pepe Escobar

Jornalista brasileiro, correspondente internacional desde 1985, morou em Paris, Los Angeles, Milão, Singapura, Bangkok e Hong Kong. Escreve sobre Asia central e Oriente Médio para as revistas Asia Times Online, Al Jazeera, The Nation e The Huffington Post.