Riocorrente, Pauliceia incendiada

007

Paulo Sacramento condensa horror e maravilha da metrópole, em obra com personagem feminina incomum. Pode ser filme brasileiro da temporada

Por José Geraldo Couto, no blog do IMS

O Festival de Brasília, que terminou em 24 de setembro, premiou como melhor longa de ficção Exilados do vulcão, de Paula Gaitán. O júri da crítica, do qual fiz parte, escolheu Avanti popolo, de Michael Wahrmann, e o voto popular foi para Os pobres diabos, de Rosemberg Cariry. Três ótimos filmes, sem dúvida, mas o que mais me impressionou foi outro: Riocorrente, de Paulo Sacramento, premiado “apenas” por fotografia e montagem.

A exemplo de O som ao redor, de Kleber Mendonça, Riocorrente é um filme perfeitamente sintonizado com sua época e lugar. Mais que isso: é uma obra que expressa uma leitura dessa época e desse lugar numa narrativa audiovisual potente e original.

Paulistano até a medula, o filme de Paulo Sacramento condensa a pulsação da metrópole, seu horror e maravilha, no drama de três personagens: o ex-ladrão de automóveis Carlos (Lee Taylor), o jornalista cultural Marcelo (Roberto Audio) e a inquieta Renata (Simone Iliescu), que oscila entre os dois e incita ambos a saírem do mecanismo viciado de seu cotidiano.

Há um quarto personagem, o menino negro Exu (Vinicius dos Anjos), uma espécie de filho adotivo de Carlos. São dele o primeiro e o último atos do filme: um, aparentemente gratuito (o risco feito com estilete na lataria de um carro); o outro, pleno de significação (que não vou antecipar aqui para não prejudicar seu impacto).

TEXTO-MEIO

Impacto sensorial

Riocorrente se ancora, por um lado, numa sólida construção dramática, em que a libido da personagem feminina é uma força catalisadora que humaniza a brutalidade de Carlos e espicaça a passividade intelectual e moral de Marcelo. Essa estrutura firme permite que a imaginação audiovisual do diretor possa se expressar livremente, em metáforas cruas e impactantes, em sua maioria ligadas ao fogo: uma cabeça que explode, um carro que se incendeia em alta velocidade, o Tietê que se transforma num rio em chamas.

Há nessas imagens uma qualidade de cultura pop, de comunicação imediata, sensorial, a enfatizar o sentimento de urgência que permeia o filme.

Violência e ternura

A própria cidade de São Paulo é personagem central de Riocorrente, não apenas porque sua caótica geografia é o labirinto por onde erram os protagonistas, não apenas porque seus ruídos onipresentes são exacerbados na trilha sonora, não apenas porque se contrastam na tela a elegância moderna dos prédios da Paulista e os becos sórdidos da periferia, mas também pela presença de figuras icônicas da cultura paulistana, como a Patife Band de Paulo Barnabé, o artista plástico Marcelo Grassmann (que morreu antes de ver o filme pronto) e o músico Arnaldo Baptista. Este último, cantando ao piano num show presenciado por Renata, sintetiza num momento sublime a violência e a ternura amalgamadas de forma inextricável na cidade. O cosmo sangrento e a alma pura, como no verso de Mario Faustino.

Essas aparições/homenagens, assim como as referências ao jornal O Estado de S. Paulo, não são nada forçadas, exteriores, mas integram-se organicamente à narrativa, acrescentando-lhe espessura. Por fim, cabe lembrar que foi esse o último filme fotografado por Aloysio Raulino (1947-2013), que amou, viveu e retratou essa cidade como poucos.

Há muito a ser dito ainda sobre Riocorrente, à medida que seu impacto for sendo assimilado e seus sentidos, decifrados. Desde já, arrisco dizer que se trata do grande filme brasileiro da temporada.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

José Geraldo Couto

*José Gerado Couto é crítico de cinema e tradutor. Publica suas criticas no blog do IMS. Para ler as edições anteriores da coluna, clique aqui.