Os Condenados: décimo trecho da trilogia de Oswald

140726_o-dia-seguinte-munch

“No toucador, estava junto à botelha de cristal esvaziada a garrafa de absinto, bojuda e aberta. Ela tinha bebido tudo, depois que ele partira”

Por Oswald de Andrade | Imagem Edvard Munch, O dia seguinte (1895)
____

No âmbito da série “Oswald 60″, Outras Palavras publica semanalmente, em formato de folhetim, a trilogia “Os Condenados”, obra perturbadora que Oswald de Andrade escreveu entre 1922 e 1934. Acesse aqui os capítulos já publicados.
____

Na sequência anterior, empregado do hotel informa a Jorge sobre novos hóspedes. O temor de que fosse o cáften o preocupa. Corriam para ali, em Pirapora, gente do Brasil todo. Alma pede a Jorge que vá com ela ao Barracão. No quarto silencioso, Jorge não compreende por que ela o arrastara para aquela a viagem. De volta a São Paulo, Carlos Bairão promove excursão a Santos, que envolve risco de vida. Além de Carlos e Jorge, Mário de Alfenas e seu irmão Bruno. Na viagem, Jorge percebe que a mão de Alma toca em Bruno. Jorge sente ódio torvo. Num gesto, enterra as unhas na carne da jovem: ela não se defende. Reconciliam-se. Jorge recupera o seu antigo vigor de artista e homem. Ele segue a jovem pelas ruas centrais de São Paulo e a descobre numa garçonnière de rapazes. O seu raciocínio emperra numa conclusão tremenda até quando a jovem confessa: Alma o trai. (Theotonio de Paiva, editor de “Oswald 60)

TEXTO-MEIO

____

Meses passaram-se rápidos sobre a desgraça de Jorge d’Alvelos. São Paulo tumultuava na expectativa das festas do Centenário. Artistas brasileiros, recém-chegados da Europa, armavam ateliers ao seu lado, no Palácio das Indústrias, agora em rápido acabamento.

No pavilhão térreo, alinhavam-se as maquetes do concurso para o Monumento do Ipiranga. Havia uma pulsação desconhecida nos meios artísticos da cidade. Fundavam-se revistas, lançavam-se nomes, formavam-se grupos.

Em contraste, a vida de Jorge desnudara-se. Ele destruíra friamente, doidamente, a marteladas implacáveis, o grupo imenso d’As Amazonas e o Cavalo, depois maquetes e torsos; atirara para o fundo uma esguia Vitória alada em mármore branco. E no cemitério de greda partida e gesso espedaçado, deixara apenas ao centro, presa ao gancho recurvo do cavalete, o motivo palpitante que arrancara do corpo de Alma para A Fonte da Vida. Modificara-o, entretanto. Duma espiritualização trágica de linhas, tirara efeitos alucinantes, erguera os braços para cima em paralelas infinitas, imobilizara um ríctus poderoso na maxila, arredondara o crânio sob os cabelos em toalha – e a figura ficara numa exclamativa postura de necrópole. Dela se derramava um isolamento penetrante e gelado.

Jorge cobrira-a totalmente de panos. E apenas, uma manhã, quando Alma apareceu e depois de examinar em silêncio a derrocada do atelier lhe pediu para ver A Fonte da Vida, ele sorrindo descobriu a estátua.

Ela quedou-se uma hora inteira no divã de largas flores.

*-*-*-*-*

Ela levava os seios para o outro. Haviam-se despedido hostilmente e Jorge, à primeira esquina, regressara para segui-la, na noite acesa da cidade. Ela ia voltar decerto à Rua da Boa Morte, por ele ter-se recusado a acompanhá-la. Ia voltar… Qualquer coisa se passaria de tremendo, qualquer coisa que já se consumara e que ele queria, por força, evitar ainda.

Caminhava lépida, levando para o outro o leite elançado e quente de seu corpo. E por tudo que se engrenava dentro dele – ódios luminosos, dores assassinas – coruscava às vezes uma invasão lúbrica e tonta dos sentidos.

Jorge caçava-a com os olhos, na viravolta dos becos, igualando o andar e o porte à marcha dos transeuntes de acaso.

E, durante um quarto de hora, viu-a estacar a um canto escuro da Rua das Flores.

Voltava. Não fora até lá. Uma vitória irreprimível cantava dentro do escultor. Mas a lutuosa memória do que se passara invadiu-lhe o ânimo de canseira. De que servia, se ela estivera outras vezes com o outro.

E lá ia, sozinha, num convite lascivo à gula anônima dos homens que paravam nas calçadas, a contemplá-la, a querê-la.

Retomara o caminho habitual da casa, cortara a Praça João Mendes.

Um rapaz alto e imberbe, de jaquetão, fez passos atrás dela. Depois percebeu Jorge e parou.

Na Rua da Glória, um homenzinho que saía de uma casa, recuara ao vê-la. E logo se pôs a caminhar, acompanhando-a. Tinha um chapéu côco, um guarda-chuva e o andar mole.

Jorge seguia ambos num confiante interesse. Ela não fora ter com o amante, não se deixaria levar assim, agora. Atrás, parecia vir lentamente o rapaz de jaquetão, pela outra calçada.

Mas Jorge só temia o outro, o que a essas horas talvez ainda a esperasse.

O homenzinho de chapéu côco afrouxou os passos a uma esquina, parou, decidiu voltar. Jorge notou que ele tinha os bigodes para cima.

E ele ia tê-la, sua de novo… ela era a sua caça, ele a prendera melhor que todos e era quem lhe construíra o ninho inviolável… ninguém mais subsistia, ela e ele, na terra indiferente.

Mas tocaram-lhe no braço. O rapaz de jaquetão estava parado, indagando dele em que rendez-vous, por favor… Sem compreender, o artista perguntou por que.

– Por nada, eu a conheço.

Ante a revolta que fuzilava no interpelado, o outro angustiou-se na voz e na postura.

– Não, cavalheiro. Porque eu não gosto de empatar ninguém.

Partira. Jorge percebeu que a cidade toda a conhecia, a caçava com indiscutíveis direitos. Quis fugir, deixar tudo…

Mas baixou a cabeça. E caminhou para o ninho quem sabe se dez vezes conspurcado, mas seu aquela noite.

*-*-*-*-*

Ele a princípio quisera esquivar-se, fugir. Mas mil argumentos detiveram-no. Como deixá-la? Para vê-la cair nas mãos do outro? Para vê-la prostituir-se definitivamente, ela, o seu amor, o seu amor?

Seguira-a de novo, semidoido, e não a vira voltar à casa baixa da Rua da Boa Morte. Passara noites inteiras de garoa peneirada nos lampiões, sob beirais, a verificar se alguém surgia para tê-la em casa.

Apenas, uma noite, Camila viera visitá-la. Ela desceu até o portão, em sandálias, para despedir-se.

Um soldado de ronda no Lavapés, espanhol velhusco, de grossos bigodes, entrou a conversar com ele e, interrogado, disse-lhe que da casa vizinha saía às vezes uma moça francesa com um homem e na outra, entrava sempre, tarde, depois dos teatros, um rapaz fardado.

Jorge deu dinheiro e cigarros ao soldado espanhol, pediu-lhe que prestasse toda a atenção ao sobrado de rótulas, voltaria na noite seguinte. E nunca mais voltou.

Alma, entretanto, tratava-o como se nada houvesse acontecido. A experiência escudara-a contra o amor envolvente do artista: tinha por ele um sentimento crescente, de curiosidade, e no começo tivera apenas uma resolução de volúpia. Às vezes, mostrava-se enternecida ante aquele aniquilamento pertinaz.

Certa noite, voltara uma crise da velha anexite e pedira-lhe que arranjasse uma criada. E havia aparecido uma mulher sem idade, vindo como eles, de Areias. Chamava-se Milagre e tinha o corpo como o corpo de Alma.

*-*-*-*-*

O escultor deixara de espioná-la para, numa obsessão delirante, surpreender e descobrir o homem que lhe arrasara a vida. Passou tardes e tardes guardando a casa da Rua da Boa Morte. Era fevereiro, fazia um grande sol. E uma vez ele viu, num passo desprevenido e largo, aproximar-se um rapaz delgado, lenço a flutuar, chapéu-de-palha enterrado exageradamente na testa, a defender o rosto da luz crua. O desconhecido passou sem o ver: tinha a barba azulada à navalha e uma esplêndida boca bem rasgada, sob bigodes negros e curtos. Alma dissera-lhe uma vez sorrindo: – Se soubesses como é bela a boca de Don Juan!

O rapaz parou em frente à casa baixa, tirou um molho de chaves que luziram, deu volta à fechadura, entrou.

E Jorge passou a encontrá-lo quase todos os dias. Era um tipo do Triângulo. Fixava-lhe de longe o porte fino sob chapéu elegante, a gingar sozinho pelas ruas centrais; e acompanhava-o como um paranoico perdido na sua ideia fixa. Disfarçava para não ser visto e seguia-o e andava, procurando dar-se uma grave missão de castigador e súbito achando, num paradoxo infernal, razões para aplaudir a própria derrota.

Um dia, estava no Viaduto de Santa Efigênia quando o desconhecido passou. Dois homens comentavam-no.

– O Artur… do escritório da Brasileira, secretário dos Bandeirantes de Momo

Era esse o homem que lhe infernara a existência – um empregadinho que sabia dançar, um secretário de clube carnavalesco…

E parava sempre nas cercanias da casa baixa a fim de encontrá-lo. O desconhecido saía, arrastava-o como um ímã. Nas ruas cheias de movimento, lá ia Jorge d’Alvelos sonhando, atrás do outro que sonhava. Procurava nos menores detalhes, uma ida ao Correio, um bonde tomado, reconstruir, adivinhar, compor aquela vida errante. Quando o homem parava num encontro de amigos, aproximava-se para escutar-lhe o timbre da voz, para apreender-lhe ideias, frases… Via-o sempre rir muito, rir com a bela boca de belos dentes.

A figura do malandro de grande cidade acabou por seduzir o artista. Uma vez, Jorge surpreendeu-se parado, num burburinho de praça, que o outro atravessara no seu passo de tango, a murmurar:

– É o irmão boêmio dela…

*-*-*-*-*

A corrida das semanas e dos meses acalmara lentamente a dor irritada do escultor. Alma fora se tornando gentil, carinhosa. Ele mostrara-lhe, certa vez, uma fotografia risonha de Mary Beatriz, no cais de pedra do Lungotevere. E com delícia, sentiu-a entristecer.

Uma tarde de prolongado amor sereno em que os dois haviam partido de automóvel até a lagoa cor-de-sangue do Engordador, pelo caminho silvestre e sinuoso, ela lhe disse, mão na mão:

– Quando me surpreendeste aquela tarde, senti que apesar da tua mágoa, esperavas ainda em mim.

E contou-lhe então a modificação que lhe impusera, dia a dia, noite a noite, o seu trágico desalento.

– A destruição das estátuas! A transformação d’A Fonte da Vida… Não imaginas, Jorge, o que foi para mim o teu atelier devastado!

O artista que num esforço colérico tentara reatar o romance deixado em Roma, vira de novo esvair-se, perder-se, a lembrança da artista. Alma empolgava-o numa dominação de sentidos e de cérebro que o levava a um estado de beatitude quase imbecil.

Às vezes, no entanto, reabria-se-lhe de um golpe a íntima ferida. Uma noite, disse-lhe:

– Por que os homens hão de ter sempre as mesmas palavras de espasmo? São grosseiros…

Ele reviu num segundo a posse dela pelo outro e calou-se numa doida revolta.

*-*-*-*-*

Nesses momentos, procurava um pretexto e saía a pé na direção da casa de Mário de Alfenas ou da garçonnière de Carlos Bairão num palacete da Praça da República. Outras vezes, ia até a Avenida São João para fechar-se em seu quarto, sentindo que fugia à vida como a um imenso castigo. Ficava a ler, a fumar, a pensar e passava a noite sem sono. Duas manhãs, Alma viera reconciliar-se no seu manto esbelto de inverno; despira-se e deitara-se com ele até dia alto. Mas outra vez, brigaram rudemente, sem dizer palavras, ela vestiu-se e saiu. À tarde, ele encontrou-a distraída e áspera, irritou-se, perguntou-lhe se tinha visto o homenzinho do Carnaval.

– Encontrei-o ao deixar a tua casa.

A noite esboçou-se insuportável para ambos. Ele convidou-a a ir a um teatro.

Ela enfiou um vestido que ele lhe dera: a blusa justa em cetim negro, sem mangas, a túnica da mesma cor com flores largas de ouro. E nas meias de cinza até em cima, fechou as ligas monogramadas, ficou de pé sobre sapatos de cetim negro com fivelões ardentes.

Súbito uma rusga trágica estourou. Não iriam mais.

Ele pôs o feltro e, antes de sair, pediu-lhe um pouco de Pernod: fazia frio lá fora, ia longe.

Ela atirou para uma cadeira o chapéu imenso, foi buscar a garrafa verde e bojuda que gastavam habitualmente e virou, sobre um copo esguio, a botelha de cristal com água.

Sentia-se lá dentro Milagre arrumar. Jorge pensou ainda em beijar a amante. Ela esbofeteou-o num ímpeto histérico. Ele ia espezinhá-la no vestido, mas preferiu partir.

À saída, escorregou na lama da calçada. A rua, em concertos de iluminação, levantava ao seu longo pedras empilhadas e montes de terra solta; uma lanterna vermelha indicava o começo da escavação urbana.

Ele rodou longamente sem rumo, pelas travessas abandonadas do bairro. Seriam nove horas apenas. Gente desprevenida passava: soldados, midinettes, homens do povo. A uma esquina, Jorge parou, pensando que não tinha destino. Iria para o seu quarto ser de novo roído pela própria desventura. Alma não se corrigia, não perdia as antigas maneiras suspeitas, não compreendia que o seu martírio ia longe demais.

Absorto, fez sem sentir o estirão da Rua da Glória, até o Largo da Sé. Esbarrou num antigo colega de Seminário em Pirapora, sempre muito efusivo e cortês. O rapaz pediu-lhe notícias do avô falecido, e confundindo tudo, informou-se se continuava a estudar pintura em Paris. Jorge desembaraçou-se molestado, cortou pelo lado mais deserto e daí a pouco fazia subir o elevador do sobrado de cômodos da Avenida São João.

Não teve coragem de despir-se. Pôs apenas o paletó grosso do pijama, guarnecido de alamares. Deitou-se com os braços sob a cabeça e mergulhou no seu sonho obcecante. Eram onze horas quando lhe vieram bater à porta, apressou-se em abrir. Entrou Bruno de Alfenas que tinha quarto no mesmo andar. Vira luz e viera visitá-lo.

A conversa rolou fútil e desinteressante, pouco alimentada pela frieza polida do escultor. Bruno obstinava-se em falar da vida frívola da sociedade interlope de que fazia parte: o jazz da Rôtisserie, umas meninas esplêndidas que descobrira com o barão húngaro de Kaseliz numa travessa da Arouche, as últimas piadas do jovialíssimo Barrinhos, o Mendes gordo que trouxera da Europa uma voiturette Mercedes de último modelo.

Depois de um silêncio longo que Jorge procurou manter, Bruno despediu-se com o seu ar desempenado e altaneiro. Jorge rodou de novo sozinho pelo quarto, foi até o seu pequeno bureau, abriu-o. E debruçou-se ali sobre folhas de papel, a escrever uma carta a Alma.

Fumou um cigarro, depois levantou-se. Sentia-se inquieto, incapaz de dormir. Tirou o pijama, vestiu-se de novo, saiu.

Uma força chamava-o para o canto escuro do Lavapés. Que faria Alma a essas horas? Ele não tinha chave, iria entretanto até lá, rondar, perscrutar.

As ruas estavam molhadas. Jorge beirou o Teatro Municipal no asfalto luzente. Deixando o bar, grupos elegantes de noctâmbulos paravam e riam com mulheres de grandes chapéus. Era mais de uma hora da madrugada.

Ele tomou sem pressa pelo velho Viaduto. Um auto passou. No centro, havia o último burburinho dos cafés acesos. Tilburies claudicavam vazios. O Largo da Sé parecia dormir, junto à Catedral, num silêncio de ruínas em folha.

Pela Rua da Glória, caminhavam diante dele dois moços conversando. Ele percebeu que vinham de um teatro, discutiam a Viúva Alegre. Jorge pensou em Roma, nas noites que estivera com Mary Beatriz. Onde estaria ela?

Jorge d’Alvelos parou. Estava na esquina da Rua Scuvero, atravancada pelo movimento de pedras e de terra. Uma valeta longa subia a ladeira até o fim. Nem um soldado, nem um transeunte… Jorge beirou o sobrado, procurando sustar o ruído dos passos na areia molhada do passeio. Pareceu-lhe que havia luz em cima. Depois de um minuto, voltou. A luz era no quarto de Alma, ela talvez estivesse acordada. Ou então… uma lancinante suspeita sufocava. Pensou em fugir para não verificar. Estacou embaixo, no Lava-pés deserto. Longe, cortou a rua uma silhueta encapotada de guarda, com passadas regulares. Jorge juntou-se nervoso a um tronco. Mas, se fosse assim, ele saberia agir, pularia o frágil portão, subiria cautelosamente ao patamar e, surpreendendo-a com o outro, acabá-lo-ia a tiros. Chegou-se ainda, procurando para sempre mais perto. Foi escutar de novo o silêncio da esquina. E impulsivo, resoluto, ágil, subiu as grades velhas, passou uma perna, parou espiando para fora… Apenas a lanterna vermelha fitava-o entre montões de terra.

Deixou-se cair junto a um canteiro de terra. A casa parecia dormir: nenhum ruído vinha dela. Caminhou entre folhas úmidas. E receoso, subiu os degraus carcomidos, estacando, ouvindo.

Estendera a cabeça até a janela. A cortina larga defendia o interior, aceso. Apenas por uma fresta, viu o desalinho do quarto. Sobre um tamborete, ficara sentado, de braços para cima, um macaco caricatural, de pano.

Percebeu num susto que a vidraça estava aberta. Veio-lhe uma momentânea aflição; depois, empurrou devagar.

Soergueu a cortina esticada: ela estava descoberta no leito. Nem sequer se despira. Parecia revolvida no luto do filó, onde transpareciam entre rosáceas as coxas violentas emergindo do monograma das ligas.

Cavalgou o peitoril. Penetrara… Tocou desastradamente num móvel, houve um baque de caixa caída.

Alma suspirou qualquer coisa por entre os dentes cerrados. E ficou tudo quieto de novo.

No toucador, estava junto à botelha de cristal esvaziada, a garrafa de absinto, bojuda e aberta. Ela tinha bebido tudo, depois que ele partira; apenas o copo guardava um resto de droga opalina, fazendo sobrenadar uma mosca morta.

De pálpebras tombadas, ela murmurou de novo alguma coisa, um nome talvez. Então, num movimento, Jorge apagou a luz.

Do escuro, foram saindo, pouco a pouco, as formas dos quadros, das cortinas, da cama.

Alma repetia numa ternura fatigada duas sílabas confusas. Ele passou-lhe a mão pela testa glacial.

Como que aninhada, ela suspirou:

– Sou tua…

Jorge, gelado, inteiriçado, escutava na sombra… Ela entreabriu os lábios grossos e disse:

– Vem!

Tomara-a pelos braços carnudos no escuro do leito. Uma volúpia sinistra enlaçou-os. De seios tesos, a boca ululante, ela absorvia-o todo.

E na noite de corpos unidos, soluçou:

– Artur…

Sugado de gozo até a espinha, ele quis retirar-se, fugir, mas ela atracou-o, cataléptica, soluçante…

Jorge levantara-se atordoado; Alma continuava no filó, estirada, morta. Ele então recompôs nervosamente o leito, galgou de novo a janela descerrada, desceu, espiou por cima do portão, saltou num súbito medo e partiu pela madrugada das ruas.

*-*-*-*-*

Na manhã demorada, Alma apareceu no quarto da Avenida São João, risonha e esbelta. Tinha os olhos enfaixados no luto das olheiras.

– Passaste bem a noite, lindo?

Jorge não respondeu. Ela moveu-se pelos tapetes, foi à janela, sob o cloche de palha rústica, dizendo:

– Não dormi nada.

Sentou-se. O escultor continuava calado, olhando-a, no grosso pijama.

– Passei uma noite de farra…

– Onde?

– Por aí, com Camila.

E depois de um silêncio:

– Preciso de cem mil-réis…

– Para que?

– Para pagar uma dívida de honra.

Jorge espreguiçou-se, ela insistiu:

– Podes dar-me?

– Tens dívida de honra?

– Fiz ontem a primeira.

– Como?

– No jogo.

– Sonhaste…

– Não. Fui à Ponte Grande jogar. Acabou-se o dinheiro que tinha. Camila emprestou-me.

– Onde isso?

– Numa casa…

– Foste à Ponte Grande?

– Fui…

– Quando? A que horas?

– Depois da meia-noite, à hora do jogo.

– Mas onde?

– Numa casa em que ia às vezes, quando era honesta e tomava éter… Aborrece-te? Não encontrei ninguém… Voltei só.

– Andas de novo sozinha pelas ruas, à noite?

– Que mal há nisso? Não te traí… isto é, sabes, traí-te esta noite…

Jorge passara, naquele instante de diálogo, por todos os horrores de que vinha tendo longa reprise. A sua credulidade excessiva, imutável, atávica talvez, talvez voluntária, feita de ânsia de artista, seduzido pelo delírio do absurdo, não opunha argumentos à fantasia perversa de Alma.

Acreditava que de fato ela tivesse saído. Entretanto, tinha a consciência do que fizera às mesmas horas – a escalada, o encontro dela, bêbeda e irrequieta no leito…

– Sei que me traíste…

Levantara-se, andou pelo quarto, depois estirou-se sobre os lençóis, disposto a ficar. Mas a sua imaginação inquietada trabalhava.

Perguntou de repente:

– Com quem me traíste?

Ela sorriu:

– Queres que te conte?

– Quero.

– Com um príncipe. Eu era a bela adormecida no bosque de minha cama… Ele veio…

– E acordou-te?

– Não. Dormiu comigo.

– Quem?

Alma ficou um momento pensativo. Disse:

– Foi um sonho mau.

– Mas com quem sonhaste? Com ele? Com o teu cafajeste?

Ela olhou-o num assomo rápido de ódio, quis levantar-se, mas ele tomara-lhe os braços violentos, tentando derrubá-la sobre os travesseiros.

– Amassas-me o chapéu, bruto.

Insensível, Jorge prosseguiu:

– Conta! Sonhaste com ele?

– Sonhei.

– Foi um sonho?

– Quem sabe?

– Como?

Jorge largara-a, deitara-se de novo. Alma compôs o cloche de palha rústica, retomou a bolsa matinal de miçangas.

– Vens comigo?

– Espera… – disse ele.

Ergueu-se, vestiu-se, enquanto, sentada, Alma olhava sem ver.

*-*-*-*-*

Num regresso de psicose angustiada, Jorge sentira logo um ódio renovado contra a desgraça que lhe fizera a maior humilhação da vida.

Nos encontros com o desconhecido que continuava a gingar e a sorrir pelo Triângulo, numa indiferença natural e bem vestida, o escultor tinha ímpetos de destruí-lo. Chegou a enroscar-se numa premeditação de assassinato, por toda uma semana. Esperá-lo-ia à volta de um baile no deserto escuro da Rua da Boa Morte. Tinha confiança na sua firmeza. Ninguém poderia descobrir, pois ninguém sabia.

Perdia-se horas e horas num círculo vicioso de ideia fixa: queria saber somente do outro, segui-lo, arrasá-lo. Uma vez, viu-o no centro, acompanhando uma menina alta, de luto. Sorriam numa mútua simpatia conversando. Pararam um instante à vitrina de uma casa de modas. E na outra semana, pela noite, num dos seus passeios dolorosos pelos bairros distantes, o escultor surpreendeu a mesma silhueta de luto, em sua frente. Passou por ela num súbito interesse, ela sorriu-lhe na sombra.

– Onde mora?

– Aqui perto…

E acompanhou-a a um rendez-vous da vizinhança. No ambiente vulgar do quarto mobilado, ela despiu-se num velho hábito de prostituição. Era banal, sem inteligência, sem atrativos. Ele manteve-se frio, incoerente, absurdo. A mulher chamou-o de viciado, depois perguntou-lhe se sabia anedotas. Quis excitá-lo inutilmente. Ele pagou e saiu.

*-*-*-*-*

Mauro atirou-se num ímpeto de morte. Ela quis salvar-se, correr para o quarto de Milagre. Arrastava-se de cócoras, gemendo, o rosto marcado de horror.

Ele agarrara-a e batia. Espedaçou-a contra um móvel. Voltou como um fugitivo. Saiu.

Ela ficou estirada no sobrado. Parecia que lhe tivessem arrancado qualquer coisa lá dentro.

(Continua na próxima semana)

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Theotonio de Paiva

Theotonio de Paiva, dramaturgo e diretor de teatro, é doutor em Teoria Literária pela UFRJ.