Novo ativismo: Distraídos venceremos?

Share on Facebook1Tweet about this on Twitter0Share on Google+3Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0Email this to someone

Segundo encontro da série Primaveras debate significado e potência de ocupações festivas do espaço público, como a da Praça Roosevelt em São Paulo

Por Amália Safatle

Quando uma multidão de cerca de 10 mil pessoas ocupa a recém-reformada Praça Roosevelt em um movimento apartidário, advogando que Existe Amor em São Paulo, a gente se põe a perguntar: isso faz parte de um novo ativismo? Será esta uma outra forma, soft e informal, de fazer política?

Nossa hipótese é de que festa, a arte e a distração fazem parte desse caldo que passa recados fortes de insatisfação com o que está aí: uma sociedade desigual, imersa em crises civilizatórias e prova viva de que o atual sistema não está dando conta de fazer a economia funcionar em prol do bem-estar humano. E ainda por cima avança sobre os próprios limites físicos do ambiente.

Se no primeiro encontro do ciclo “Primaveras – diálogos sobre ativismo, democracia e sustentabilidade” Ricardo Abramovay e Ladislau Dowbor nos ajudaram a mapear essas crises, no segundo evento avançamos na discussão sobre como usar o ativismo e a mobilização social para enfrentá-las.

A pergunta norteadora do diálogo foi: será que assim, às vezes de forma tão distraída, venceremos? A multidão que participou do “Existe Amor em SP” ou do evento “Amor sim, Russomano não”, terá sido meramente atraída pelos shows de Criolo, Emicida e Gaby Amarantos, ou estava lá movida também por alguma indignação e motivação política, no sentido de buscar transformações? Até que ponto esse ativismo difuso, que parece episódico, festivo e sem continuidade, é efetivamente transformador?

Pablo Capilé, um dos criadores do coletivo Fora do Eixo, que esteve por trás do Existe Amor em SP, vivenciou os movimentos de indignação na Espanha e foi um dos convidados do ciclo Primaveras. Traçou um comparativo que coloca o Brasil como um ator de destaque no ativismo mundial. Para ele, enquanto na Europa primeiro se aglutinaram bandeiras para depois buscar formas de criação e articulação de territórios, aqui se dá o contrário: existe uma estruturação permanente de pequenos territórios que aos poucos vão se articulando em rede. Eventos como o Existe Amor ajudam a amarrar esses laços entre grupos que antes não tinham diálogo, mas giram em torno de causas e pautas muito similares entre si. São os bikers, os grafiteiros, os ambientalistas, o pessoal do hip hop, oshackers. São 20 a 30 coletivos que, segundo Capilé, continuam debatendo dentro e fora dos shows.

topo-posts-margem

A soma dessas forças é poderosa:  “A cada 1 real captado, esse movimento é capaz de transformar em 100”, diz Capilé. “Por exemplo: para fazer o Existe Amor em SP, o movimento gastou R$20 mil. Se cada um fosse fazer por fora, um evento como esse custaria R$ 500 mil. Só o cachê do Criolo custa R$ 70 mil. O do Emicida é R$ 40 mil. Mais segurança etc.”

“Quem sempre viveu em gambiarra, em época de crise, surfa”, diz Capilé, comparando o Brasil de sempre com a Europa recentemente afundada em crise econômica. Para ele, tem muita gente lá fora querendo saber como a gente faz, qual é nossa tecnologia. “Não tem nenhum continente fazendo o enfrentamento como a América do Sul. E a África está pronta para se conectar com a América Latina, querendo saber como parir este novo mundo possível, que está grávido. Esses grupos continuam discutindo criando observatórios constantes, fazendo pressão social o tempo inteiro”, disse Capilé.

O contraponto ficou por conta de Pablo Ortellado, professor de Gestão de Políticas Públicas na USP, coordenador do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação (Gpopai) e também convidado pelo Primaveras. Para ele, a geração de ativistas de hoje, dos “occupies” não é pragmática e está completamente despreparada para converter essa energia potencial em mudança efetiva.

Não sabe, por exemplo, lidar com a mídia, com as ONGs, com os partidos. Tem dificuldade em trabalhar com aspectos práticos do ativismo político, como captação e gestão de recursos financeiros. “Essas coisas são difíceis, tem que saber como se alinhar, como conseguir dinheiro, doação. São coisas básicas, mas que não são feitas porque esta geração não tem experiência política – não sabe fazer política”, critica.

Ele ainda aponta que é um erro atribuir aos modos de comunicação o florescer de movimentos como a Primavera Árabe e os “ocupas”. Na verdade é o contrário: foi a geração política anterior, nos anos 1990, que desenhou os meios difundidos hoje, como YouTube, Flickr e Twitter para dar suporte aos movimentos que já estavam em curso. O Twitter tem poucos caracteres porque foi inventado justamente para servir como instrumento de mobilização política.

Nesse momento, Ortellado convidou a uma reflexão: vitória ou derrota? Pois o que havia sido inventado como uma forma de fazer frente ao meios de comunicação dominantes e ao sistema econômico viraram as novas grandes corporações da comunicação, estrelas do mundo capitalista.

“A gente desenvolveu um monte de tecnologias nos anos 90: primeiro, a comunicação ponto a ponto, aí tinha listas de emails, depois os sites de publicação aberta, depois os blogs coletivos. São as mesmas pessoas, nossos amigos,  que foram desenvolvendo tudo isso. Fundaram empresa, hoje são milionários e estão profundamente integrados ao sistema. Temos agora 2 bilhões de usuários de internet. Vitória ou derrota?

Capilé discorda da afirmação de que falta pragmatismo à  atual geração de ativistas. “O problema são as plataformas atuais [sindicatos, partidos, movimento estudantil, conselhos municipais]. São analógicas e não dão conta de ativar os desejos do século XXI. Essa geração atual é pragmática quando se olha o processo, e não o produto final”, disse.

Se as plataformas vigentes são inadequadas, quais seriam as adequadas? Estão para ser criadas? Como afirmou uma participante, ao mesmo tempo em que os partidos políticos podem trazer opressão, também trazem proteção – não é indivíduo sozinho defendendo uma ideia. “Ainda é interessante manter instituições e se combinar com elas?”, questionou.

Outro participante deu seu depoimento: “Tentei me ligar a movimento estudantil, mas as estruturas de reunião, até esteticamente, não condizem com o desejo da galera. Os jovens estão negando tudo isso, mas sem propor coisas no lugar. Como criar novas estruturas de participação política que dialoguem com os centros de decisão?”

“Conversar sobre política é muito difícil em qualquer sala de aula do Brasil. Vamos hackear as escolas porque aí fazem delas o local do debate das novas gerações”, propôs outra participante. “O movimento da mídia livre está crescendo, enquanto a TV Globo perde audiência. Embora eu tenha votado no Haddad, não me filiei ao PT, e sim aos vários coletivos dos quais faço parte. Então existe um novo movimento acontecendo em torno de uma pauta em comum que é a de viver bem”.

“A juventude não entra no partido porque lá não sabe o que pode falar. Já nos coletivos, entra numa roda, senta no chão e fala o que quiser”, comentou-se.

“Fazer memes, fazer arte, fazer festa é muito importante porque assim se  consegue falar o que as palavras não dizem”, disse um rapaz. “A gente está muito mais empoderado e isso é uma forma de ativismo. Não dá mais para ser super pragmático, bibliográfico, sistematizado. É importante abrir um pouco mão do pragmatismo.”

Capilé pontuou que é um mito o senso comum de  que juventude atual não tem foco. “Ela tem, sim, um multifoco. Está preparada para lidar com várias coisas ao mesmo tempo”. Mas, em vez de trabalhar isso, receita-se Ritalina às crianças e aos adolescentes.

E quando a discussão enveredou para a questão do centro de poder versus periferia, ele a taxou de contraproducente. “Não vale a pena ficarmos aqui discutindo o que é periferia e o que é a periferia da periferia do Brasil.  Eu venho de Cuiabá – a capital mais longe do mar de todos os lados [onde o Fora do Eixo foi criado]. O Amapá não tem banda larga – quando o pessoal sai de lá, descobre que o GTalk é instantâneo! Ninguém sabe que Roraima é Brasil. E o ativismo nesses lugares é muito ativo. O Brasil não se define mais por São Paulo e Rio. Isso pra mim é revolucionário”. E assim Capilé fechou sua metralhadora.

O Primaveras é uma iniciativa coletiva de Página22, Matilha Cultural, Escola de Ativismo, Outras Palavras, IDS e Crisantempo. O segundo encontro reuniu cerca de 100 pessoas no espaço Matilha Cultural, em São Paulo, e foi assistido on-line por 350 espectadores. Assista à íntegra do evento em www.ustream.tv/recorded/26971348.

rodapé-posts-margem
Share on Facebook1Tweet about this on Twitter0Share on Google+3Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0Email this to someone
The following two tabs change content below.

Amalia Safatle

Amália Safatle é jornalista e editora da revista Página 22

Latest posts by Amalia Safatle (see all)