Londres-2012, as Olimpíadas do Medo

Share on Facebook15Tweet about this on Twitter0Share on Google+6Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0Email this to someone

Porta-aviões no rio Tâmisa: parte de pacote que inclui vigilância intensa sobre cidadãos e armas sônicas para dispersar manifestações.

Aparato de segurança nunca visto controlará cidadãos durante os Jogos. Eles terão se tornado cavalo-de-tróia para medidas de controle social?

Por Dave Zirin | Tradução Daniela Frabasile

Até 48 mil policiais e 13,5 mil soldados. Baterias de mísseis aéreos posicionadas no alto de prédios residenciais. Uma arma sônica que dispersa multidões, criando “dor de rachar a cabeça”. Drones não-tripulados vigiando tudo do céu. Uma zona de segurança, contornada por uma cerca elétrica de mais de 17km, cercada por agentes treinados e 55 grupos de cães para ataque.

Você poderia pensar que essas são as táticas usadas pelas bases norte-americanas no Iraque e Afeganistão, ou talvez os métodos militares ensinados a ditadores do terceiro mundo na Escola das Américas em Forte Benning, Georgia. Mas elas fazem parte do aparato ostensivo de segurança preparado em Londres, para as Olimpíadas de 2012.

Na capital britânica, que já tem mais câmeras de segurança por pessoa que qualquer outra cidade no mundo, há sete anos os governantes não economizam para monitorar seus cidadãos. Mas a operação olímpica vai além de tudo o que já se viu, quando uma democracia ocidental hospeda os jogos. Nem mesmo a China em 2008 usou aviões não-tripulados (drones), nem cercou as instalações olímpicas com uma imensa cerca de alta voltagem. Mas aqui está Londres, preparando uma contra-insurgência, e posicionando um porta-aviões no meio do rio Tâmisa. Aqui está Londres, instalando scanners, cartões de identificação biométrica, sistemas de vigilância que reconhecem placas de carros e rostos, sistemas de rastreamento de doenças, novos centros de controle policial e pontos de revista.

Stephen Graham refere-se a estas táticas, no jornal The Guardian, como “Lockdown London” [algo como "Londres Cercada"]. É “a maior mobilização de militares e forças de segurança do Reino Unido desde a Segunda Guerra Mundial”. Ele não está exagerando. O número de soldados irá superar as forças que o Reino Unido enviou ao Afeganistão.

Não se trata apenas dos custos e de inacreditável invasão de privacidade. O poder está sendo passado para a polícia. A “lei dos jogos olímpicos em Londres”, de 2006 capacita, além do exército e da polícia, forças de segurança privadas para lidar com “questões de segurança” usando força física. Essas “questões de segurança” foram definidas de forma ampla. Incluem tudo: de “terrorismo” até protestos pacíficos, ações sindicais, camelôs vendendo produtos das Olimpíadas nas ruas, banimento de qualquer presença corporativa que não tenha o selo de aprovação das Olimpíadas. Para ajudar a cumprir a última parte, haverá “equipes de proteção de marcas” na cidade. Também operarão nas instalações olímpicas, para garantir que ninguém “vista roupas ou acessórios com mensagens comerciais que não sejam dos patrocinadores oficiais”.

topo-posts-margem

A operação de segurança também inclui assédio nas ruas. Como reportou o Guardian, “policiais têm poder de deslocar qualquer pessoa que considerem engajada em comportamento antissocial, como dar voltas em estações de trem, pedir dinheiro, mendigar, caminhar indolentemente, cobrir-se com capuz ou qualquer outra maneira de causar incômodo”.

Não há razão alguma para que as Olimpíadas sejam assim. Uma celebração internacional de esportes – particularmente mais diversos do aqueles com que estamos acostumados – não precisa de drones e porta-aviões. Não existe razão para que atletas do mundo inteiro necessitam de tal aparato para se unir e mostrar seu potencial físico.

Mas as Olimpíadas atuais estão para o esporte assim como a guerra do Iraque estava para a democracia. As Olimpíadas não são têm a ver com atletas. E definitivamente não estão relacionadas a “unir a comunidade das nações”. São um cavalo de Tróia neoliberal destinado a ampliar negócios e reverter as liberdades civis mais elementares.

Sem querer chocar ninguém, sustento: não há sinais de que esse aparato de segurança será desmontado depois do término das Olimpíadas. As forças policiais ganharam um número excessivo de brinquedos, as caixas foram abertas.

Num certo sentido, as Olimpíadas sempre cumpriram este papel. Desde a Berlim comandada por Hitler em 1936, até a chacina de estudantes na Cidade do México, em 1968; o ataque às gangues em Los Angeles em 1984; o desalojamento em massa de cidadãos em Beijing em 2008, a “repressão” sempre foi parte dos jogos. Mas no mundo pós 11 de Setembro, as apostas são muito mais altas. As Olimpíadas tornaram-se a colher de açúcar que ajuda a tomar o remédio; o remédio é que nossos governantes descobriram o inimigo; e o inimigo somos todos nós.

rodapé-posts-margem
Share on Facebook15Tweet about this on Twitter0Share on Google+6Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0Email this to someone
The following two tabs change content below.

Dave Zirin

Dave Zirin é jornalista norte-americano dedicado aos aspectos políticos do esporte. Escreve atualmente para o jornal The Nation. É autor de diversos livros sobre o assunto.

Latest posts by Dave Zirin (see all)