Depois do Facebook, o Diaspora

(Por Gabriela Leite)

Quatro jovens americanos da New York University (NYU), um matemático e três estudantes de ciência da computação, resolveram pôr em prática uma ideia que começou a ser pensada por muitas pessoas nos últimos tempos. Criaram uma rede que se diz “consciente sobre a privacidade, controlada pessoalmente, faz-tudo e de código aberto” (tradução livre).

A iniciativa surgiu após uma palestra de Eben Moglen, professor de direito da Columbia, sobre a privacidade na internet. Na palestra, Moglen chamou as redes sociais centralizadas de “espionagem de graça”.

Foi aí que os estudantes Maxwell Sallzberg, Daniel Grippi, Raphael Sofaer e Ilya Zhitomirskiy uniram-se para construir um projeto inovador: Diaspora, uma rede social de código aberto que permite que cada usuário tenha o controle sobre seus dados.

O Diaspora está sendo chamada de anti-Facebook, mas sua proposta é maior: mudar o conceito de rede social em geral. Ao inserir uma foto no Facebook ou no Orkut, um vídeo no Youtube ou uma música no MySpace, o usuário os cede completamente para as empresas que controlam as redes , em troca de compartilhar seus arquivos com outras pessoas. E como diz Sofaer: as redes sociais existem há no máximo dez anos, não sabemos o que irá acontecer no futuro com os dados que disponibilizamos nelas, mesmo após serem deletados.

TEXTO-MEIO

Na opinião dos programadores do Diaspora, o compartilhamento é a coisa mais importante e incrível que existe na internet. Então por que isso tem que ser feito de forma privativa e controladora?

A ideia principal da equipe é que na vida real, quando conversamos com alguém, nos comunicamos diretamente com a pessoa, sem a necessidade de um centralizador. Sendo assim, as redes sociais deveriam seguir a mesma lógica. O Diaspora é uma rede que conecta cada usuário diretamente com quem ele quiser, e o deixa com o direito de controlar seus dados e arquivos quando quiser.

Haveria muita gente descontente com as redes sociais que temos hoje? A prova foi feita pelos quatro garotos por meio do Kickstarter, um site que recolhe fundos para projetos. Os jovens montaram o projeto e deram o prazo de 39 dias para alcançar a meta de reunir 10 mil dólares. O prazo acabou dia 31 de maio e foram arrecadados pouco mais de vinte vezes o valor esperado.

No site do Join Diaspora [“Reúna-se ao Diáspora”], é possível encontrar mais informação sobre o assunto; porém, no momento, não há muita atualização. Os garotos dizem que isso acontece porque estão trabalhando duro no projeto durante a próxima temporada e esperam terminá-lo no final do verão no hemisfério norte (ou inverno no sul, mês de setembro).

Segundo o próprio Facebook, seu número de usuários ativos é de mais de 400 milhões, sendo que metade dessas pessoas acessa sua página pessoal todos os dias (veja as estatísticas). Será difícil para o Diaspora superar esse número, mas o que importa é saber que a internet é dinâmica e tem sempre gente procurando meios de mudar a lógica que o mundo offline tenta impor a ela.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.