China e Rússia: rumo a um acordo estratégico?

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0Email this to someone

O presidente chinês numa visita anterior à capital russa (junho de 2009)

Além de mega-acordo sobre combustíveis, visita de Hu Jintao a Moscou poderia tratar ação comum para frear poder de Washington

Por M K Bhadrakumar, Asia Times Online | Tradução Vila Vudu

A visita para consultas que o ministro de Relações Exteriores da China Yang Jiechi fará no final de semana a Moscou está prevista como parte da preparação para a visita que o presidente Hu Jintao fará à Rússia em junho. Mas essas consultas ganham imensa importância nas atuais circunstâncias, para a segurança internacional.

Os esforços que russos e chineses empreendem já há algum tempo para “coordenar” posições nas questões regionais e internacionais sobem de grau, em termos qualitativos, agora, em face da situação no Oriente Médio.

A agência oficial russa de notícias usou expressão pouco usual – “estreita cooperação” – para caracterizar o novo status dessa coordenação de políticas para a região. E essa coordenação pode implicar um grande desafio que o Ocidente terá de enfrentar, para fazer avançar sua agenda unilateralista no Oriente Médio.

topo-posts-margem

Em tese, Hu visitará a Rússia para participar do grande evento-show previsto para São Petersburgo nos dias 16-18 de junho, e que o Kremlin vem coreografando atentamente como evento anual, de importância comparável à de um Fórum Econômico Internacional, um “Davos russo”. Vê-se muita excitação nos dois países, à espera de que a visita de Hu seja um ponto de virada na cooperação entre Rússia e China, no campo da energia.

A gigante russa Gazprom de energia espera estar bombeando 30 bilhões de metros cúbicos anuais de gás natural para a China em 2015, e as negociações sobre preço já estão em fase avançada. Os chineses garantem que as negociações, que estiveram paralisadas, estão de fato a ponto de serem concluídas e postas em acordo a ser firmado, quando Hu chegar à Rússia.

Verdade é que, quando a grande economia que mais cresce no mundo e o país maior exportador de energia chegam a algum acordo, a coisa é sempre muito mais ampla que simples questão de cooperação bilateral. Haverá mal-estar na Europa, que historicamente tem sido o maior mercado para a energia russa exportada, se se vir surgindo do leste um “concorrente”; e os negócios de energia entre o Ocidente e a Rússia terão, na China, “um parceiro à espera”. Essa mudança de paradigma altera o quadro atual das tensões entre Leste e Oeste sobre o Oriente Médio.

Posições idênticas

O Oriente Médio e o Norte da África acabou por ser um dos temas centrais das conversações que Yang terá em Moscou com seu anfitrião Sergei Lavrov. Rússia e China decidiram trabalhar juntas sobre as questões criadas pelos levantes no Oriente Médio e Norte da África. Nas palavras de Lavrov: “Concordamos em coordenar nossas ações, usando as habilidades e competências de nossos dois países, para ajudar numa rápida estabilização e para prevenir que haja ali outras consequências negativas.”

Lavrov disse que Rússia e China têm “posições idênticas”, de que “cada nação deve poder determinar o próprio futuro, independentemente e sem interferência”. Pode-se presumir que os dois países tenham construído a posição comum de opor-se a qualquer movimento da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) que caracterize ocupação por terra, na Líbia.

Até aqui, a posição da Rússia havia sido de que Moscou não aceitaria que o Conselho de Segurança desse à OTAN qualquer tipo de mandato que autorizasse a ocupação por terra, sem “posição claramente expressa” de aprovação pela Liga Árabe e pela União Africana (da qual a Líbia é membro).

Evidentemente, há aqui um “déficit de confiança”, que se vai tornando cada dia mais insuperável, a menos que a OTAN decida por um cessar-fogo imediato na Líbia.

Dito de outro modo, mais claro: a Rússia já não confia que os EUA ou seus aliados da OTAN estejam sendo satisfatoriamente transparentes quanto às próprias intenções no que tenham a ver com a Líbia e o Oriente Médio.

Há alguns dias, Lavrov falou longamente sobre a Líbia em entrevista a um canal russo de televisão, Tsentr. Mostrou-se profundamente frustrado com a ‘fala dupla’ do Ocidente e os subterfúgios usados para interpretar unilateralmente a Resolução n. 1.973 da ONU, de modo a fazer o que desejava fazer.

Naquela entrevista, Lavrov revelou que há “relatos de que se prepara uma vasta operação na Líbia e que sugerem que os planos estejam sendo desenvolvidos na OTAN e na União Europeia”. E sugeriu bem claramente (e publicamente) que há suspeitas em Moscou de que os EUA conspiram para contornar a exigência de que o Conselho de Segurança autorize operações em terra na Líbia; que em vez de buscar obter a autorização legal, os EUA planejam aplicar uma ‘chave-de-braço’ na Secretaria Geral de Ban Ki-Moon, para que a SG apresente à aliança ocidental “um pedido” para que a OTAN dê cobertura à missão humanitária da ONU; os EUA, então, usariam esse pedido como folha de parreira para iniciar a ocupação por terra.

A divulgação da posição assumida por Rússia e China visa a impedir que a Secretaria Geral de Ban facilite subrepticiamente a operação em terra, da OTAN, na Líbia, que estaria sendo construída. Ban visitou Moscou recentemente, e relatórios russos sugerem que ele teria saído “com as orelhas cheias” de críticas ao modo como preside a ONU. Colunista moscovita sempre bem informado, escreveu, cheio de sarcasmo:
“Há vários modos de dizer politicamente a um hóspede, em nome próprio e em nome de parceiros internacionais: ‘Não estamos muito felizes com seu desempenho, estimado Mr. Ban.’ Em muitos casos, nem se precisa de palavras. É visível para todos que o secretário-geral tem uma queda pelo romantismo revolucionário das guerras civis e apóia, em geral, todos os combatentes da liberdade. Por isso, precisamente, vive de braços dados com os arquiliberais europeus e norte-americanos.

Não se recomenda que o secretário-geral da ONU tome posições políticas extremistas, muito menos que se ponha ao lado da minoria dos estados-membros da ONU, como fez no caso da Líbia e da Costa do Marfim. Não foi eleito para isso. Não se trata de querer forçar Mr. Ban a mudar de posição ou de convicções, mas, apenas, de promover um pequeno ajuste no seu modo de ver as coisas, a favor de maior neutralidade.”
Moscou e Pequim parecem ver o chamado Grupo Líbia de Contato (22 países e seis organizações internacionais) com olhos altamente desconfiados. Referindo-se à decisão do Grupo, em reunião em Roma na 5ª-feira passada, para disponibilizar imediatamente um fundo temporário de US$250 milhões, como ajuda aos rebeldes líbios, Lavrov disse, em tom cáustico, que o grupo “ampliava seus esforços para assumir o papel principal na determinação da política de toda a comunidade internacional em relação à Líbia” e alertou que não deveria estar “tentando substituir o Conselho de Segurança da ONU. E que evitasse tomar posição a favor de um dos lados.”

Moscou e Pequim têm dado sinais bem claros de preocupação ante o risco de o Grupo de Contato estar aos poucos se convertendo em processo regional que estaria deslocando a ONU, no trabalho de modelar os levantes árabes na direção que mais interesse às estratégias ocidentais. Os estados do Conselho de Cooperação do Golfo (e da Liga Árabe) incluídos no Grupo de Contato permitem que o Ocidente apresente o Grupo de Contato como se fosse uma voz regional coletiva. (Ironicamente, a França convidou a Rússia a participar do Grupo de Contato.)

A ponta do iceberg

Na conferência de imprensa com Yang em Moscou, na 6ª-feira, Lavrov foi diretamente ao ponto: “O Grupo de Contato se auto-estabeleceu. E, agora, tenta puxar para si a responsabilidade sobre a política de toda a comunidade internacional em relação à Líbia. E não só isso. Também estamos ouvindo vozes que querem que o Grupo de Contato decida o que fazer em outros Estados da região.” O que preocupa a Rússia em termos imediatos é que o Grupo de Contato parece estar começando a deslocar-se em direção à Síria, para promover mudança de regime também lá.

Até aqui, a China tem sido muito diplomática na questão da Líbia e deixou com a Rússia a tarefa de pendurar o guizo no pescoço do gato ocidental; mas aos poucos, está começando a falar. Yang foi bastante direto na conferência de imprensa em Moscou, criticando a intervenção ocidental na Líbia. Há apenas três semanas, o People’s Daily [Diário do Povo] chinês comentou que a guerra na Líbia chegara a um impasse: o regime de Muammar Gaddafi mostrou-se capaz de resistir; e o Ocidente superestimou a oposição líbia. Diz o jornal: “A guerra da Líbia converteu-se em ‘batata quente’ para o Ocidente. Primeiro, o Ocidente, em termos econômicos e estratégicos, não pode sustentar a guerra (…). A guerra é peso excessivo para os EUA e para os países europeus, que ainda não superaram completamente a crise econômica. Quanto mais tempo durar a guerra da Líbia, mais os países ocidentais ver-se-ão em desvantagem.

Em segundo lugar, o Ocidente enfrentará inúmeras dificuldades militares e legais (…). Se o Ocidente continuar a envolver-se, logo será visto como tendente a um dos lados (…). No campo das ações propriamente militares, os países ocidentais terão de despachar soldados para depor Gaddafi (…). A ONU absolutamente não tem autoridade para ordenar esse movimento, e parece estar começando a repetir os erros da Guerra do Iraque (…). Em resumo, a solução militar para o problema da Líbia está esgotada e a solução política já está na agenda.”

As conversações de Yang em Moscou significam que Pequim está sentindo que o Ocidente está decidido a segurar a ‘batata quente’ custe o que custar, deixá-la esfriar custe o que custar, para, no fim, devorá-la sem partilhar com ninguém. No mesmo andamento, uma recalibração da posição chinesa, que a aproxima muito da posição da Rússia (que já criticou muito mais abertamente a intervenção ocidental na Líbia) começa a deixar-se ver.

Moscou pode ter encorajado Pequim a ler o que se via escrito na parede. Mas o fator determinante da aproximação parece ser o incômodo crescente, entre chineses e russos, ante a evidência de que a intervenção ocidental na Líbia é só a ponta do iceberg – e que o que se prepara pode ser uma geoestratégia para perpetuar a dominação histórica do Oriente Médio pelo Ocidente, agora na era pós-Guerra Fria. E tecido aí, também, um precedente extremamente preocupante, de a OTAN pôr-se a agir militarmente sem mandato específico da ONU.

Lavrov e Yang participam depois, em Astana, de uma conferência dos ministros de Relações Exteriores da Organização de Cooperação de Xangai [ing. Shanghai Cooperation Organization (SCO)] que negociará a agenda para a próxima reunião de cúpula do corpo regional, que acontecerá na capital do Cazaquistão, dia 15 de junho. A grande questão é se o acordo Rússia-China, de “estreita cooperação” nas questões do Oriente Médio e Norte da África, será assumida como posição comum de toda a SCO. A probabilidade parece alta.

rodapé-posts-margem
Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0Email this to someone
The following two tabs change content below.

M K Bhadrakumar

M. K. Bhadrakumar é ex-embaixador indiano no Paquistão, Irã, Turquia, Rússia, entre outros. Especialista em assuntos do Afeganistão e do Irã, escreve sobre energia e segurança para publicações como The Hindu e Asia Times Online.