Chéri à Paris: Pra lá de Marrakech

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0Email this to someone

Deixei a barba e sapequei um chapéu marroquino, pra me esconder um pouco de Alá, que não tava pra brincadeira

Por Daniel Cariello, de Chéri à Paris

O riad, espécie de casa tradicional marroquina com um enorme pátio no meio, onde fiquei em Marrakech tinha dois andares e era colado em uma mesquita. Quem já visitou um país árabe sabe que cinco vezes por dia um sacerdote vai ao microfone e faz a chamada para a oração, lembrando que é o momento de rezar para Alá. As caixas de som estão sempre fora dos templos, para que todos por perto ouçam a convocação.

Chegamos a Marrakech pela manhã, e ao meio dia em ponto um cântico religioso invadiu a casa.

TEXTO-MEIO

– Que é isso, o Roberto Carlos marroquino?
– Não, o almuadem.
– Mulher de quem?
– O almuadem, a pessoa encarregada de anunciar o momento das cinco preces diárias.

Outra coisa que eu não sabia era que uma dessas preces acontecia às cinco da manhã. Descobri quando fui acordado no susto pelo sujeito soltando a voz praticamente no meu ouvido.

– Vixe, Maomé veio me buscar!
– Pára de escândalo, Daniel, é só o almuadem. É a hora da primeira oração do dia.
– Mas nem Alá tá acordado numa hora dessas, ele não vai escutar.

Passado o impacto inicial, acabei me habituando ao ritual muçulmano e comecei até a gostar muito da voz do tipo. Fui perguntar para a Aziza, a faxineira do riad, o que significava aquele chamado.

– Começa com “Allah hu Akbah”, Deus é grande.
– E depois?
– Depois ele fala um monte de coisas, que, resumindo, querem dizer “Allah là haut”, Deus lá em cima.
– Alá la ô?
– Isso.
– Mas que calor?
– Hã?
– Nada.

Empolgado com a iniciação a essa cultura completamente diferente da minha, resolvi filmar o cântico de cima da varanda do riad, de onde havia uma vista frontal para a salinha a partir da qual o cidadão fazia o anúncio.

– Melhor perguntar para o almuadem antes, para não ofender Allah.
– Que nada, Alá já é brother.

Engano meu. Pra ser íntimo de Alá é necessário um pouco mais de disciplina do que com os deuses ocidentais. Não é só chegar, colocar o pé na mesa, tirar a roupa e abrir uma garrafa de vinho, como era na Grécia antiga. Na cultura árabe essas minhas gracinhas não são muito bem vistas.

A prova é que a minha punição foi imediata: enquanto procurava um bom lugar para esconder a câmera, não percebi que a varanda estava cheia de cactos. A minha histórica falta de jeito, misturada à má educação com Alá, cuidou para que eu esbarrasse em um.

– Ah la la la la!
– Converteu-se ao islamismo, Daniel?
– Não, encostei num cacto. Tô mais espetado que boneco de vodu.

Sentei no sofá e passei algumas horas tentando arrancar as dezenas de espinhos, um por um. Quando já conseguia me mexer, resolvi dar um passeio pra esfriar a cabeça.

– Vamos à praça Jemâa el Fna, respirar um pouco. Ai.
– Vamos.
– Esse Alá me paga. Amanhã vou filmar de novo, agora já sei onde estão os cactos.
– Olha lá…

Na enorme praça, bem no centro da cidade, camelôs misturavam-se a domadores de macacos, a lojas de temperos e chás mágicos, a vendedores de roupas e de toda sorte de produtos, a barraquinhas de suco e a todo tipo de comércio e de atrações, que incluem encantadores de serpentes.

Eu detesto cobra, mas mesmo assim me aproximei um pouco para ver esses malucos que ficam tocando flauta em frente a quatro ou cinco najas. “Não é possível que de vez em quando um bicho desses não acorde do feitiço pra dar uma dentada nesses caras”, pensei, calculando a melhor medida entre chegar um pouco mais perto e conservar uma distância segura.

Nisso, senti alguém me cutucar por trás. Quando virei, um dos assistentes do – vamos chamar assim – espetáculo sapecou uma cobra em torno do meu pescoço. Paralisado de pânico, só conseguia mexer a ponta dos lábios.

– Ia ea oa ai.
– Pardon?
– Tira essa cobra daqui.
– Ah, ela é boazinha. Quer que faça uma foto de vocês dois? Vocês ficam lindos juntos. Custa só dez dihrams. Sorria!
– Eu quero que essa cobra suma daqui agora, com você junto.
– Ih, ó o cara. Vem, Sophie, vamos encontrar alguém mais gentil.

Nos últimos dias de Marrakech deixei a barba crescer e sapequei um chapéu marroquino, pra ficar parecido com um local e me esconder um pouco de Alá, que ele não tava pra brincadeira.

TEXTO-FIM
Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0Email this to someone

Sobre o mesmo tema:

The following two tabs change content below.

Daniel Cariello

Daniel Cariello é publicitário e editor do blog Chéri à Paris, que relatava sua relação com a vida e a cultura francesa. Regressou ao Brasil em 2012 mas, em férias na França, retomou a produção das crônicas. Seus textos em Outras Palavras podem ser encontrados aqui.