Contrapartidas, Cultura, Teatro

“Why the horse?”, ritual de adeus de Maria Alice Vergueiro, volta em curtíssima temporada a SP

Aclamado espetáculo é o “happening” mais importante dos últimos tempos. Reestreia nesta quinta-feira, com apenas 8 apresentações, no Teatro Oficina. Membros de Outros Quinhentos pagam meia

Por Simone Paz Hernández

Em 2015 teve sua estreia uma das peças de teatro mais marcantes dos últimos anos: Why the horse?. Em cena, Maria Alice Vergueiro, a ousada e respeitada atriz que iniciou sua trajetória em 1962, com A Mandrágora (dirigida por Augusto Boal), que integrou a trupe do Oficina, e que ficou famosa entre os jovens por meio do vídeo “Tapa na Pantera”, no YouTube, encenava o próprio velório, como um ensaio para enfrentar a morte, que poderia chegar com ela estando no palco, do jeito que mais gostaria.

Com uma bactéria instalada em seu joelho e o Parkinson invadindo seu corpo, Maria Alice era aplaudida em pé, entrando em cena, agasalhada pelas lápides cenográficas onde jazem os grandes escritores, dramaturgos e outros artistas, que tantas vezes devem ter lhe sussurrado ao ouvido, trazendo epifanias e inspiração.

Acompanhada pelo grande parceiro de palcos, Luciano Chirolli, e por um elenco que é uma família, o Grupo Pândega, a peça é uma das maiores expressões artísticas que podemos encontrar no teatro brasileiro contemporâneo, mesclando elementos de dança, performance e teatro, carregado de influências estéticas e dramáticas do Teatro Pânico (de Jodorowsky) e da obra de Samuel Beckett.

Assim, a morte perpassa a peça inteira, como se entrássemos numa viagem deliciosa, apesar de dolorosa. Um rito de despedida. Não à toa, ao completar 100 apresentações, o espetáculo volta (apenas por mais 8), e escolhe como cenário o Teatro Oficina, expressão forte do teatro ritualístico, e espaço que abriga a companhia com a qual Maria Alice fugiu para Portugal, largando o trabalho de docente da USP, e que foi tantas vezes o seu lar.

Estreia novamente nesta quinta-feira, 5 de outubro, e nas primeiras quatro apresentações — de quinta 5/10 a domingo 8/10 — membros de Outros Quinhentos pagam meia (R$20).

Para obter o desconto, preencha o formulário abaixo até as 15h de quinta-feira.

Serviço:

De 5 a 15 de outubro, quinta-feira a sábado às 21 horas; e domingo às 20 horas

Duração – 45 minutos. Indicado para maiores de 16 anos. Ingressos – R$ 40,00 e R$ 20,00 (meia-entrada).

Dia 13 de outubro – participação do grupo Oficina Uzyna Uzona.

Dia 14 de outubro – Pocket Show Celso Sim + Danilo Oliveira e Mica Matos.

TEATRO OFICINA – Rua Jaceguai, 520 – Bela Vista. Telefone – (11) 3106-2818. Capacidade – 100 lugares. Bilheteria – Quinta-feira a sábado a partir das 18 horas e domingo a partir das 17 horas.

 

Author


Avatar