Contrapartidas

Outros Quinhentos recomenda e oferece“Maio de 1968: a brecha”


Edição brasileira inédita, com tradução integral de ensaios de Castoriadis, Morin e Lefort, será lançada 28 de maio. Contribuintes de “Outras Palavras” estão convidados — e concorrem a 5 exemplares

Por Autonomia Literária

Autonomia Literária convida todos para o lançamento-debate do livro “Maio de 68: a Brecha”, numa edição brasileira inédita e com tradução integral dos ensaios que compõem a obra. Os ensaios, escritos por Corneulius Castoriadis, Claude Lefort e Edgar Morin em tempos diferentes – em 68, enquanto o movimento ainda se processava, depois nas décadas de 70 e 80, sob um olhar retrospectivo – abordam as agitações explosivas do Maio francês a partir da noção de acontecimento e buscam enfatizar a dimensão da criatividade política que nele sobressaiu. Os autores, além de participarem diretamente dos eventos – seja apoiando as ocupações estudantis (Morin), seja escrevendo e distribuindo textos de intervenção (Castoriadis), seja acolhendo os estudantes (Lefort) –, propuseram uma interpretação singular da onda contestatória que sacudiu a França: colocaram em primeiro plano a sua irrupção inesperada, os seus sentidos múltiplos e ambíguos, a sua riqueza e legado simbólicos e, principalmente, as transformações que as revoltas impuseram às ideias tradicionais de revolução, partido, ação e sujeito políticos. Cada ensaio, com seus recursos próprios, abre não apenas uma janela para a compreensão do Maio francês em sua inscrição histórica particular, mas continua manifestando um poder de interpelação do nosso presente e de nós mesmos.

Retomar essa obra é tarefa necessária em nossa atualidade: diante da percepção generalizada de um presente sem perspectiva de futuro e de um sistema social moldado para ser uma verdadeira “jaula de ferro”, o livro é uma oportunidade única para observar no Maio francês o movimento da formação de brechas, ou seja, a abertura de um novo tempo histórico em sua indeterminação, na qual é possível irromper e se efetivar o desejo social por novas formas de vida e coexistência. Obra atual, portanto. E, sobretudo, necessária.

Para debater o livro no dia do seu lançamento, estarão presentes Marilena de Souza Chaui (Professora emérita do Departamento de Filosofia da USP), Irene Cardoso (Psicanalista e professora aposentada do Departamento de Sociologia da USP) e Franklin Leopoldo e Silva (Professor aposentado do Departamento de Filosofia da USP). Através de suas produções, esses professores colaboraram de maneira significativa para o campo de debate sobre o Maio francês e suas ressonâncias mundo afora, estabelecendo, inclusive, paralelos pertinentes com a história brasileira do mesmo período. Soma-se às suas produções teóricas a experiência singular que cada um deles vivenciou enquanto sujeito político situado nesse momento histórico, à época em que eram estudantes. A aliança entre a dimensão do vivido e a reflexão teórica certamente fará desse debate um campo fecundo para as discussões políticas contemporâneas, podendo fomentar a diferentes gerações – antigas e atuais – subsídios para pensar e agir.

Confirme presença no lançamento-debate do dia 28 de maio

Leia também: “O ano em que o velho mundo balançou”, em Outras Palavras.

Linha de frente durante protestos do maio de 68 em Paris

Estudantes em universidade parisiense ocupada no maio de 68


Você pode concorrer a um dos 4 exemplares em sorteio preenchendo o formulário abaixo até às 15h de quarta-feira, 16/05. Mas lembre-se: só se for um colaborador de Outros Quinhentos — nosso projeto de financiamento coletivo por um jornalismo independente, crítico e profundo. Se você ainda não colabora, veja como funciona, aqui

Author


Avatar