(11) 4117 9264
Contrapartidas
Perturbador, livro questiona: por que a região (e em especial o Brasil) continuou encarcerando em massa, quando assumiram os governos de esquerda?

Por André Takahashi

Publicado originalmente em espanhol em 2016, pela CLACSO, sai agora em português, pela Editora Perseu Abramo, o livro “Pós-Neoliberalismo e Penalidade na América do Sul”, com tradução da Ana Claudia Cifali e com artigos que fazem o balanço das questões relacionadas ao uso da prisão como mecanismo de controle punitivo no Brasil, Argentina, Bolívia e Venezuela durante a última década.

“Um dos debates mais atuais no campo dos estudos criminológicos é o que pretende interpretar e compreender o crescimento das taxas de encarceramento nos diferentes contextos nacionais. Na América do Sul, o crescimento das taxas de encarceramento nos últimos 20 anos foi extraordinário, tendo o Brasil como carro chefe, com 350% de aumento da taxa de 1992 a 2014.”

O livro problematiza a análise monocausal do fenômeno do encarceramento, que tende a utilizar somente a implantação de políticas neoliberais como vetor explicativo do aumento do número de presos. Nesse contexto contraditório de aumento do encarceramento os autores explicam as mínimas mudanças de corte pós-neoliberal que ocorreram em algumas políticas públicas dos governos de esquerda da América Latina. 


Este livro e a indagação coletiva na qual se inscreve (no marco do Grupo de Trabalho 39 da Clacso: “Pós-neoliberalismo e políticas de controle do delito na América do Sul”, se apresenta como uma contribuição inicial a este debate com relação, especificamente, ao campo penal.

Máximo Sozzo é advogado e doutor em Direito. Professor titular ordinário em Sociologia e Criminologia da Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais , Universidade Nacional do Litoral, Santa Fé, Argentina. É coordenador do GT 39: “Pós-neoliberalismo e políticas de controle de delito na América do Sul”, Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais (2013 – 2016).

Participantes de Outros Quinhentos podem concorrer a um dos 5 exemplares em sorteio, se for um colaborador de Outros Quinhentos — nosso projeto de financiamento coletivo por um jornalismo independente, crítico e profundo. Se você ainda não colabora, veja como funciona, aqui.

Para concorrer, preencha o formulário abaixo até quinta-feira, 30/11 às 15h:

0

Cinema, Contrapartidas, Cultura, Video
Devido ao sucesso do sorteio Outros Quinhentos e Vitrine Filmes oferecem mais 10 pares de ingressos para o filme Invisível, de Pablo Giorgelli. Promoção é válida somente para contribuintes de Outros Quinhentos

Por André Takahashi

O filme acompanha um momento muito importante na vida de Ely, que tem 17 anos e mora no bairro de La Boca em Buenos Aires. Ely engravida e entra em uma turbulência sentimental que a leva a tomar uma decisão que mudará sua vida para sempre. Invisível é uma coprodução entre Brasil, Argentina, Uruguai, Alemanha e França e é produzido no Brasil pela Sancho&Punta. 

Sinopse

Ely tem 17 anos e mora no bairro da Boca em Buenos Aires. Ela cursa o último ano do ensino médio e trabalha num pet shop para completar a renda familiar. Ao descobrir que está grávida do Raúl, dono do Pet Shop, seu mundo interno colapsa. Enquanto tenta manter sua rotina diária como se nada tivesse acontecido ela é tomada pelo medo e angústia. A sociedade que a pressiona e o estado de saúde frágil da sua mãe a isolam e a obrigam a amadurecer precocemente. Tomar a decisão que mudará sua vida para sempre lhe permitirá ter um novo começo.

Sobre Pablo Giorgelli

Nasceu em Buenos Aires, Argentina em 1967 e foi criado no bairro da Boca. Trabalha com cinema desde 1993 como diretor de curtas e montador.

Seu primeiro longa metragem, Las Acacias estreou em 2011 na Semana da Crítica do Festival de Cannes. No festival, o filme recebe a Camera D’or para melhor filme de estreiano festival e consagra Pablo como um dos diretores argentinos mais promissores da sua geração. O filme recebeu também o prêmio ACID e o Prêmio da Crítica Jovem na Semana da Crítica, melhor primeiro filme no BFI de Londres, melhor filme Latino em San Sebastian e muitos outros. O filme foi lançado no Brasil em 2013 pela Vitrine Filmes. Pablo também é co-diretor do programa Janelas Abertas do Canal Brasil junto ao Felipe Nepomuceno.

 Invisível participou do prestigioso Atelier de Cannes para desenvolvimento de projetos e teve sua estreia mundial marcada para a competitiva Orizzonti no festival de Veneza 2017 e sua estreia brasileira na Prèmiere Latina do Festival do Rio 2017.



Vitrine Filmes, parceira de Outras Palavras, presenteia com 10 pares de convites grátis nossos leitores engajados que assinam mensalmente ou anualmente Outros Quinhentos, e assim, sustentam nosso trabalho de jornalismo independente. 

Verifique aqui a lista de cinemas no Brasil onde Invisível está em cartaz

Para concorrer aos ingressos, basta preencher o formulário abaixo até as 15h de segunda-feira 27/11.

0