A revolução não cede aos Tomahawks

Em seu terceiro mês, revolta árabe é acossada na Líbia – por Gaddafi e pelos mísseis. E no entanto, avança no Egito, espalha-se pela Síria, produz importantes novidades no Bahrain, Yemen e Arábia Saudita…


“Quando as armas falam, as ideias silenciam”, lembra com sabedoria um velho ditado. Na semana em que completou três meses, o vendaval árabe foi atingido na Líbia tanto pela selvageria do ditador quanto pelos mísseis lançados por Estados Unidos, França e Reino Unido. Seu desfecho tornou-se imprevisível, como se verá. Mas a revolução prossegue. Ofuscada nos noticiários pelo brilho mortal dos Tomahawks, ela avançou nas ruas e continua a ser narrada nos blogs. Houve desdobramentos importantes e visíveis em ao menos cinco países.

No Egito, milhões de pessoas foram às urnas sábado (19/3), num plebiscito popular sobre temas-chave para futuro do país. As filas – divididas entre homens e mulheres (foto), como manda ainda a tradição islâmica – serpentearam pelas ruas do Cairo e de dezenas de cidades. Os eleitores pronunciaram-se sobre nove temas. Os mais importantes são: o fim das leis “de emergência”, que transformavam o país num Estado policial; a criação de uma Justiça eleitoral; o direito à apresentação de candidaturas independentes, não ligadas a partidos políticos; a limitação do mandato presidencial a dois períodos de quatro anos.

Os resultados ajudarão a compor o cenário das futuras eleições – e em torno delas, há polêmica. Os grupos de juventude e de esquerda, que foram parte essencial da luta contra o regime de Mubarak, não desejam um pleito ainda este ano. Pensam que ele favoreceria as forças mais organizadas: o antigo partido no poder e a Fraternidade Muçulmana. De qualquer modo, prevalece nitidamente um sentimento de entusiasmo. Zeinobia, a jovem autora do ótimo blog Egyptian Chronicles, postou em terceira pessoa, logo após o plebiscito: “e ela está de volta, ela está mais do que contente e não importa se vai ganhar ou perder, porque, pela primeira vez em sua vida, sabe que seu voto contará”.

* * *

Um dia antes (18/3), os sinais de agitação social haviam contagiado a Síria. Antecedidos por pequenos protestos no início da semana, eles explodiram na sexta – emblemática tanto para o mundo árabe quanto para sua revolução. Houve manifestações importantes na capital, Damasco, e em cinco cidades: Aleppo, Baniyas, Daraa, Homs e Deir ez Zor.

É possível acompanhar relatos e vídeos no próprio Egyptian Chronicles, em blogs sírios como Syria in Transition e Syria Comment e na página The Syrian Revolution 2011, no Facebook (onde quase todas as postagens são feitas em árabe). Eles relatam que na pequena Daraa (75 mil habitantes, no extremo sul, fronteira com a Jordânia), a repressão brutal a uma manifestação pacífica com mil pessoas (assista vídeo) provocou quatro mortes. Ontem (19/3), 20 mil manifestantes voltaram às ruas, para novos protestos, durante o funeral das vítimas. Há informações de que, a seguir, o exército isolou a cidade do resto do país.

Em Banyas, cidade portuária no extremo leste do Mediterrâneo, manifestantes tomaram, por horas, o prédio das forças de segurança. Em Deiz ez Zor, centro turístico e petroleiro às margens do rio Eufrates, 5 mil torcedores gritaram slogans contra o governo, durante uma partida de futebol que era transmitida para todo o país pela TV. Após alguma hesitação, a transmissão foi interrompida. Em Damasco, houve manifestação, na sexta-feira, no interior da grande Mesquita de Ummayad, considerada o quarto lugar sagrado do mundo islâmico.

* * *

Já no Bahrain e Yemen, governos com os quais os Estados Unidos mantém sólidas relações promoveram novos ataques brutais contra a própria população, sem sentirem-se ameaçados pelos mísseis. Na capital yememita, Sana’a, forças de segurança reagiram contra manifestações realizadas na sexta-feira. Mataram 42 pessoas. A maior parte das vítimas foi atingida por disparos feitos por atiradores postados no topo de edifícios.

Dois membros do governo – Nasr Taha Mustafa, o chefe da agência oficial de notícias e Mohamed Saleh Qara’a, um importante líder do partido no poder – renunciaram a seus postos. No sábado, o governo impôs estado de emergência. Centenas de soldados e tanques tomaram as principais cidades do país.

Já em Manama, capital do Bahrain, o governo buscou dissolver a rebeldia por meio de medidas bizarras. Na sexta-feira, logo após convocarem tropas estrangeiras para tentar conter a revolta e decretarem lei marcial, as autoridades iniciaram a demolição da Rotatória Pérola (veja foto), que, ocupada durante semanas pelos manifestantes, havia servido como uma versão local da Praça Tahrir, no Cairo. A estátua de gosto duvidoso que dominava o local foi posta abaixo. O próprio calçamento da praça está sendo destruído. Um popular ouvido pelo correspondente do jornal londrino The Guardian zombou da atitude: “O símbolo não significa nada. Estamos na ofensiva”.

* * *

Ainda na sexta-feira, a Arábia Saudita experimentou outra forma radical de combate à revolução. O velho rei Abdullah, de 86 anos, fez uma de suas raríssimas aparições (foto). Em comunicado transmitido a partir de seu gabinete real, anunciou um vasto conjunto de concessões sociais: sua nova tentativa de manter o levante popular que apenas se insinua no país.

Os funcionários públicos ganharam como presente, sem nenhuma contrapartida, dois meses extra de vencimentos. O salário mínimo foi elevado para 3 mil riads (cerca de R$ 1200). Os estudantes universitários foram contemplados com dois meses grátis de mensalidades. Ordenou-se a construção de 500 mil novas casas, que serão vendidas à população com financiamento fácil e barato.

Para enfrentar a inquietação dos milhões de desocupados, instituiu-se um seguro-desemprego equivalente a R$ 800, que começará a ser pago a partir do próximo ano novo árabe. Mais emblemático: o rei prometeu criar rapidamente 60 mil novos postos de trabalho… todos eles nas forças de segurança. Também elevou as patentes de milhares de militares. O blog Crossroads Arabia é uma importante fonte de informações.

* * *

A importância de todos estes acontecimentos não impediu a mídia comercial de focar todas as atenções na Líbia. Como analisa o sociólogo Immanuel Wallerstein, num artigo publicado por Outras Palavras, a militarização do conflito é um passo que interessa a todos os déspotas da região.

Wallerstein, que escreveu em 15 de março – antes, portanto, da reviravolta diplomática1 que levou à Resolução 1973 da ONU e ao início dos ataques ao território líbio –, pensa que é um erro ver a disputa como uma batalha pelo petróleo. A violência foi iniciada pelo próprio Gaddafi – que lançou há um mês, contra a revolução árabe, um ataque que já fez milhares de mortes.

Mas o sociólogo frisa: embora estejam, aparentemente, num lado oposto ao do ditador líbio, os demais tiranos da região sentem-se encorajados por sua atitude. Porque “à medida em que obtém sucesso, ele sugere a todos os outros déspotas ameaçados que a repressão violenta é um caminho melhor que as concessões”.

Os dois primeiros dias após o início dos ataques ocidentais parecem dar razão a este raciocínio – segundo o qual a verdadeira disputa não se dá entre potências ocidentais e Líbia – mas entre a multidão árabe e os Estados que querem esmagá-la.

Na manhã do sábado (19/3), horas depois de se declarar disposto a um cessar-fogo, o ditador líbio lançou um ataque devastador contra Benghazi, o último reduto da revolta que permanecia imune a sua ofensiva militar. Houve centenas de mortes, entre as quais a de Mohammed Nabbous, ou Mo, jovem jornalista que animava o canal de WebTV AlHurra (ainda ativo!).

Os ataques que Estados Unidos, França e Grã Bretanha iniciaram horas depois, e cujos desdobramentos são incertos, dificilmente servirão à revolta árabe. Se bem-sucedidos, favorecerão os grupos líbios militarizados que se opõem ao ditador. E a guerra encobre, convenientemente, as atrocidades que continuam a ser praticadas, neste exato momento, pelos demais tiranos, aliados de Washington, Paris ou Londres.

A militarização do cenário será suficiente para sufocar a revolução árabe? É muito cedo para responder. O levante, que já é um dos grandes acontecimentos do século 21, começou apenas em 17 de dezembro passado. Mohammed Bouazizi [ver na Wikipedia], o vendedor ambulante com formação universitária que se cansou de sua vida medíocre e imolou-se em público, em Tunis, não poderia imaginar que seu gesto mudaria a face de uma das regiões estratégicas do planeta.

Os novos fatos da revolta e sua repercussão em todo o mundo sugerem que a chama atiçada por ele permanece acesa.

 

1Sobre esta reviravolta, liderada pela secretária de Estado Hillary Clinton, vale ler reportagem no New York Times (em inglês)

 

The following two tabs change content below.

Redação

O Outras Mídias é uma seleção de textos publicados nas mídias livres, que Outras Palavras republica. Suas sugestões podem ser enviada para [email protected]

Latest posts by Redação (see all)