Mudanças climáticas: o duplo papel da China

eolico-ecod

Ao industrializar-se, país tornou-se maior emissor de CO². Mas é, ao mesmo tempo, o que mais desenvolve energias limpas e tecnologias contra aquecimento

No EcoD

Embora seja a maior emissora mundial de gases de efeito estufa (que aceleram as mudanças climáticas), a China é também o país que está “fazendo o correto” no enfrentamento ao aquecimento global. A afirmação foi feita na segunda semana de janeiro pela secretária-executiva da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), Christiana Figueres, em entrevista a Bloomberg News.

O gigante asiático enfrenta, atualmente, uma crescente pressão pública dos cidadãos para reduzir a poluição do ar, devida em grande parte à queima de carvão. Seus esforços para promover a eficiência energética e a energia renovável se baseiam na constatação de que fazê-lo valerá a pena em longo prazo, afirmou Figueres.

A China tem alguns dos mais rigorosos padrões de eficiência energética para edifícios e meios de transporte, e seu apoio à tecnologia fotovoltaica ajudou a reduzir os custos dos painéis solares em 80% desde 2008, observou Figueres.

“Eles realmente querem respirar um ar que não tenham que estar controlando. Não estão fazendo isso porque querem salvar o planeta. Eles estão fazendo isso porque é de interesse nacional”, ressaltou a secretária-executiva da UNFCCC.

Sistemas políticos

A China também é capaz de implementar tais ações porque seu sistema político evita alguns dos obstáculos no poder legislativo vistos em países como os Estados Unidos, reforçou Figueres.

Políticas-chave, reformas e nomeações são decididas em uma sessão plenária ou em uma reunião do Comitê Central do Partido Comunista, formado por mais de 200 membros. O Congresso Nacional do Povo, a legislatura unicameral da China, em grande parte chancela as decisões tomadas pelo partido e outros órgãos executivos.

A divisão política no Congresso dos EUA desacelerou os esforços para aprovar a legislação sobre o clima e é “muito prejudicial” à luta contra o aquecimento global, lembrou a executiva da ONU.

Novo acordo

Christiana Figueres é responsável por liderar mais de 190 estados-membros em uma iniciativa liderada pela ONU para projetar um tratado internacional de luta contra o aquecimento global. A meta é assinar, em 2015, um acordo vinculante (de cumprimento obrigatório) que passará a valer em 2020, substituindo o Protocolo de Kyoto, adotado em 1997.

O Protocolo de Kyoto, o único tratado internacional sobre restrições às emissões, limita a poluição por gases de efeito estufa em países industrializados e permite que os países em desenvolvimento firmem compromissos voluntários. Contudo, tal acordo encontra-se cada vez mais esvaziado.

Figueres espera que uma versão preliminar do tratado de 2015 seja discutida em reuniões em Lima, no Peru, em dezembro de 2014. A elaboração de um acordo será facilitada por outros países, como a China, que perceberam que reduzir as mudanças do clima redundará em benefícios em longo prazo que compensam os custos de curto prazo, justificou ela.

The following two tabs change content below.

Redação

O Outras Mídias é uma seleção de textos publicados nas mídias livres, que Outras Palavras republica. Suas sugestões podem ser enviada para [email protected]

Latest posts by Redação (see all)