Bolsa-pedal: “Que absurdo!” Ah, em Paris: “Très élégant”…

itati

França conclui com êxito ação que ofereceu, a cada cidadão, R$ 0,75 por quilômetro pedalado até o trabalho. Experimento multiplicou uso de bicicletas e pode ser transformado em lei

Por Débora Spitzcovsky, no The Green Post

Vinte e cinco centavos de euro (o que equivale a pouco mais de R$ 0,75). Esse foi o valor que os ciclistas franceses embolsaram, no último semestre, a cada quilômetro que pedalaram para ir trabalhar. A iniciativa, proposta pelo Ministério dos Transportes, em parceira com cerca de 20 empresas e instituições do país, visava aumentar o número de bikes nas ruas. E não é que deu certo?

O governo francês acaba de divulgar balanço sobre o projeto, que atesta: entre junho e novembro do ano passado, enquanto os trabalhadores estavam recebendo bonificação em dinheiro para ir trabalhar de bicicleta, o número de magrelas nos estacionamentos das empresas aumentou 80%.

Os ciclistas participantes da iniciativa pedalaram, em média, cinco quilômetros por dia – o que rendeu a eles cerca de R$ 19 por semana, repassados pelas empresas por meio de isenções fiscais. Curtiu? Os franceses adoraram! Inclusive, 1/3 dos beneficiados alegou ter gostado tanto da brincadeira que passou a usar a bicicleta (de graça!) também para outros fins – como lazer e compras.

A iniciativa, que já nasceu com data certa para terminar, durou apenas 6 meses. No entanto, o governo prometeu que, caso apresentasse resultados satisfatórios, a medida seria expandida. Diante de todos esses números, alguém ousa dizer que não foi um sucesso?

Por isso, já tramita no parlamento do país um projeto de lei que busca incluir o pagamento de um subsídio para todos os franceses que optarem pela bike para ir ao trabalho.

Boa ideia para o Brasil? Pelo menos em Pernambuco já existe iniciativa semelhante. Só que, em vez de dinheiro, os ciclistas ganham dias de folga. Nada mal também, não?

 

The following two tabs change content below.

Redação

O Outras Mídias é uma seleção de textos publicados nas mídias livres, que Outras Palavras republica. Suas sugestões podem ser enviada para [email protected]